O Ídolo De Jade

História dos Irmãos Metralha, publicada pela primeira vez em 1976.

Esta é uma adaptação da história de terror que comentei na sexta feira. Adaptada para o “estilo Disney”, ela ficou mais engraçada e menos violenta, mas a trama é quase a mesma.

O primeiro quadrinho é bastante parecido com o “splash panel” da história original, mas desta vez com a loja vista de dentro. O dono da loja está passando por uma maré de azar, não há dinheiro em caixa, então o Metralha leva a estatueta verde, para a alegria do comerciante. Apesar da arma em punho, nenhum tiro é disparado.

idolo de jade chines

Uma característica marcante dos Metralhas é a completa falta de imaginação: “se disfarçam” todos sempre do mesmo jeito, e “se escondem” sempre na mesma casa. São os ladrões pé de chinelo mais manjados de Patópolis.

A história continua se mantendo bastante fiel ao original: o Metralha inicial é seguido pela polícia até o esconderijo do bando. Aqui papai adiciona uma tentativa de fuga por um túnel secreto que vai dar num bueiro, na rua, mas que por azar tem um carro da polícia estacionado bem em cima.

“Tintureiro” é uma referência aos orientais no Brasil, já que ao que parece um dos negócios preferidos deles em terras tupiniquins eram as tinturarias, e também a um certo tipo de furgão bastante usado pelos tintureiros, e que era semelhante aos carros de presos usados naquele tempo pela polícia.

idolo de jade tintureiro

O comentário do guarda, “fugindo, ein?” vem de uma velha piada de cemitério, e é uma referência à origem da história: um rapaz muito magro resolve um dia cortar caminho atravessando um cemitério. Quando chega do outro lado e vai saindo, um bêbado caído na calçada olha para ele e diz: “fugindo, ein?” (Bela graça…)

Voltando à nossa trama, como na história original, um membro do bando que escapou à prisão (neste caso o Vovô) encontra o ídolo e resolve vendê-lo a um receptador, sendo preso em flagrante. Na delegacia, o ídolo faz desabar o depósito, causando uma grande comoção entre os policiais, o que permite a fuga da quadrilha.

É nesta hora que papai modifica o final. Primeiro, porque no original ele é violento demais para a Disney, e também por causa do número de páginas, já que a história não pode ser muito longa, por causa do formato do gibi.

Assim, ao invés do bombeiro, quem encontra o objeto é mais um Metralha, desta vez o Azarado 1313, que novamente leva o bonequinho azarado para o esconderijo do bando, sendo seguido de perto pela polícia.

idolo de jade 1313

Desse modo, papai encontra uma solução  mais engraçada e não violenta para a trama, e leva a história mais ou menos de volta ao ponto de partida, como gostava de fazer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s