Os Robôs-Roubões

História do Morcego Vermelho, de 1973.

Esta é, sem sombra de dúvida, uma revista de apresentações. Uma vez apresentados o Herói e os bandidos, está na hora de apresentar algumas de suas ferramentas de combate ao crime, todas inventadas pelo Professor Pardal.

Logo de saída, temos a “oficialização” do Pula Pula Morcego, e a primeira aparição de quem no futuro viria a ser o “Ratchinho”, mascote e companheiro de aventuras do Morcego Vermelho.

MOV pulapula1

Disto aprendemos que papai frequentemente “voltava atrás” e relia suas histórias anteriores em busca de “pontos sem nó” que pudessem “ser atados” e render boas ideias para o desenvolvimento do universo do personagem e de novas histórias.

Nesta história vemos a invenção dos “Patins Morcego”, do “Bate Morcego”, do “Sapo Morcego”, do “Carro Morcego”, do hilário “Triciclo Morcego” e até do minúsculo “Aero Morcego”, que só serve mesmo para ser pilotado pelo Lampadinha.

MOV veiculos

Mas não é só o pessoal do bem que pode contar com grandes invenções, e logo o Professor Gavião contra ataca com os “Robôs Roubões”, máquinas de formato oval com braços e pernas, programadas exclusivamente para roubar.

A perseguição ao bandido é intensa. Tão intensa, na verdade, que acaba levando o nosso herói ao espaço, e a um planetóide habitado por seres baixinhos e narigudos, o que nos leva a uma história secundária dentro da trama principal. Ela poderia, aliás, ter facilmente sido outra história independente, mas “encaixada” aqui promove um “desvio” e um alívio cômico para um roteiro que estava correndo o risco de ficar “direto” demais sem ela.

MOV alienigenas

 

Trata-se de uma guerra entre dois povos alienígenas inimigos, mas muito semelhantes, na qual um dos lados se vale de uma superioridade tecnológica para infernizar o outro. O Morcego então primeiro trata de equilibrar o poder de fogo do lado atacado, e depois parte para a promoção da conciliação e de um acordo de paz. Se apenas as coisas fossem tão simples no mundo real… O problema é que tem muita gente por aí que acredita em “soluções de história em quadrinhos” para problemas sérios.

De volta à terra, esta é a primeira vez que o Morcego Vermelho realmente prende alguém.

Uma das “running gags” desta série de histórias (ela “pula” de uma história para outra) é o fato que, não importa quem ajude, o Morcego sempre acaba levando toda a fama pelos feitos heroicos. Isso, é claro, causa ciúmes e alguns protestos.

Outra piada, esta “interna”, é a placa no limite da cidade onde se lê “Mogi das Corujas”, que é uma referência à cidade de Mogi das Cruzes, no estado de São Paulo. Ao que parece, papai tinha amigos lá.

MOV Mogi

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s