A Guerra Que Não Houve

Publicada na Revista Crás! de 1974 juntamente com Vavavum, esta é mais uma abordagem à História do Brasil. A pesquisa foi feita por Paula Dip e Márcia Dias, o texto é de Ivan Saidenberg, e os desenhos de Ivan Washt Rodrigues.

Que o Brasil foi descoberto no ano de 1500, isso todo mundo sabe. O que menos gente sabe é que em 1503 Fernando de Noronha e Gonçalo Coelho estabeleceram no que se chamou de Cabo Frio, no litoral da região à qual se deu o nome de Rio de Janeiro, uma “feitoria“, ou seja, um assentamento e entreposto comercial. A intenção era exportar Pau Brasil a Portugal, já que a resina da madeira, de cor vermelho vivo, era usada para tingir tecidos, entre outros usos.

Mas o que menos gente ainda sabe, e que pode não ser lá muito verdade mas é uma boa história, é o que aconteceu ou poderia ter acontecido entre 1500 e 1503, com início em 1501. Nesta história papai propõe a teoria de que um suposto renegado português de nome Pero Camargo (é sabido que membros da família Camargo estiveram entre os primeiros europeus a se estabelecerem no recém descoberto Brasil) teria chegado à praia sozinho, lançado ao mar como punição por alguma indisciplina a bordo de um navio português, e feito amizade com os nativos, chegando inclusive a se casar com uma índia em 1503.

A primeira parte da história é uma representação da vida pacífica dos índios na bela Pindorama (que era o nome que os nativos davam à terra), enriquecida pelos belíssimos desenhos de Rodrigues e pelas inserções de papai de palavras do idioma Tupi. Papai faz, ao longo de toda a história, um grande esforço para mostrar ao leitor o máximo possível da cultura e idioma dos habitantes originais do Brasil.

A segunda parte nos mostra a chegada de mais “caris” (homens brancos), ávidos por riquezas e dispostos a tudo para tentar encontrá-las. Uma invasão de dois marujos à aldeia dos índios causa uma escaramuça e um nativo morto a tiros, o que quase desencadeia a primeira guerra entre índios e brancos no Brasil. Quase, mas só quase, porque Pero Camargo intervém como mediador e intérprete entre os dois lados, e acaba por estabelecer o diálogo e fazer reinar a paz, ao menos temporariamente.

Guerra01

Guerra02

Guerra03

Guerra04

Guerra05

Guerra06

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s