Confusão Na Pensão

História do Peninha, de 1975.

A ideia aqui é fazer a maior bagunça possível, unindo juntos todos os elementos das histórias do Peninha que poderiam levar a isso, e mais alguns. E a maior ironia desta história é que o pato abilolado já começa sendo aconselhado a sair de casa por alguns dias, justamente para evitar confusões. O problema é que ele simplesmente não consegue evitá-las, por mais que tente. Esta é a natureza do personagem. A confusão do Peninha parece ser um estado mental, ou até mesmo de espírito. Ele atrai a bagunça, por onde quer que passe.

A história já começa, desde o primeiro quadrinho, com um pequeno desastre. No chão, logo abaixo do personagem principal, um manual de instruções do tipo “faça você mesmo” que (juntamente com os livros de auto-ajuda e congêneres), é o tipo de literatura predileto do Peninha. Esses livros já foram bastante populares em épocas anteriores à internet. Mas por mais detalhadas que pudessem ser, as instruções e ideias apresentadas neles nem sempre eram claras o suficiente e muitas vezes induziam quem tentasse segui-las a erros muitas vezes hilários, e às vezes até mesmo francamente desastrosos. Acho que todo mundo que já tentou seguir as instruções passo a passo de algumas ideias “jeniais” que de vez em quando são passadas de perfil em perfil nas redes sociais sabe do que eu estou falando.

Peninha pensao

Após escalar a bagunça dentro da casa do Peninha até onde foi possível, papai resolve começar a expandir a situação. Convenientemente, a Clarabela abriu uma pensão exatamente do outro lado da rua, e é para lá que o pato resolve ir. O elemento de bagunça que acompanha o personagem aqui, é o excesso de bagagem. Para passar uns dias numa casa logo em frente, o Peninha se comporta como se fosse acampar no meio do mato e amontoa brinquedos, equipamentos esportivos e todo tipo de tralha, incluindo uma vara de pescar, o que dá ensejo a uma nova escalada da confusão. Achando que ele vai pescar, o Ronrom resolve seguir o pato!

Peninha pensao1

Por fim, além da desagradável proibição de estadia de animais domésticos, em todas as pensões sempre há o hóspede chato, aquele que não tolera barulho e que reclama de tudo e de todos, o que, é claro, nunca ajuda a diminuir confusão nenhuma, muito pelo contrário. O ranzinza escolhido para o papel é um obscuro rival do Tio Patinhas, um milionário de nome Bonifácio, criado em 1966 por Bob Gregory. Suplantado pelo mais popular Patacôncio, este personagem aparece em exatas cinco histórias, de acordo com o Induks: a história estrangeira original e outras quatro feitas no Brasil, todas elas escritas por papai. Se não fosse por isso, ele teria caído no mais perfeito esquecimento.

Peninha pensao2

****************

Enquanto isso minha biografia de papai está à espera de vocês nas melhores livrarias, não percam:

Marsupial: http://www.lojamarsupial.com.br/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava

Comix: http://www.comix.com.br/product_info.php?products_id=23238

Cultura: http://www.livrariacultura.com.br/p/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-15071096

Monkix: http://www.monkix.com.br/serie-recordatorio/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-serie-recordatorio.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s