A História Do Alazão-de-Pau

História do Peninha na redação de A Patada, de 1976.

Hoje veremos as origens do Alazão de Pau, o cavalinho de brinquedo animado que é o companheiro de aventuras do Pena Kid. Pois é, cada personagem principal tem o assistente que merece. Isso, aliás, vale também para o Tio Patinhas, chefe do Peninha no jornal patopolense.

É provável que algum amigo, colega ou mesmo chefe tenha perguntado a papai como é que ele explicaria a existência do Alazão de Pau, e ele então resolveu “dar ao Peninha” a incumbência de contar. (A verdade é que ele é inspirado nos brinquedos de infância prediletos de papai, mas essa explicação não “cabe” em uma história em quadrinhos).

O Peninha como sempre vai inventando a história de acordo com as circunstâncias, mais ou menos “ao redor” das implicâncias e sugestões do Tio Patinhas. A primeira ideia é a mais óbvia, sempre com o objetivo de explicar e se desincumbir o mais rapidamente possível para poder voltar a cochilar em serviço: um cavalinho de madeira só pode ter sido feito em uma serraria.

Mas é claro que só isso não é o suficiente, e é preciso explicar por que é que um brinquedo pode pensar e até mesmo se locomover sozinho e tomar as próprias decisões. No caso do Lampadinha, por exemplo, é a “magia da tecnologia” em ação. Já no Velho Oeste só nos resta a velha e boa magia, mesmo.

PK Alazao

Além disso, alguns quadrinhos são também um valioso vislumbre de como papai compunha suas histórias. Enquanto alguns criadores não encostam o lápis no papel até terem toda a história esquematizada e planejada, papai muitas vezes começava a rascunhar sem ter ideia nenhuma, ou com apenas uma vaga ideia de como ela terminaria. Esse livre fluxo de ideias algumas vezes podia se complicar e exigir várias correções em uma história, mas na maior parte do tempo dava às tramas essa característica de humor espontâneo que é tão apreciada no estilo de papai.

PK Alazao2

Mas a história não é só isso. Ela tem vilões, e um conflito por causa de uma valiosa mercadoria que chegará na diligência das cinco da tarde. O nome do vilão principal, Matt Rindo, é um jogo de palavras bastante óbvio que alude à capacidade de alguns homens maus de matarem pessoas com um sorriso no rosto. Além disso, é uma referência ao Xerife Matt Dillon, personagem de antigos filmes de faroeste. Temos também uma pequena menção do lendário xerife Wyatt Earp, que existiu de verdade, e uma brincadeira com o próprio nome do Pena Kid, que passa todo o resto da história sendo chamado só de “Kid” após ter a pena de seu chapéu arrancada a bala pelo vilão.

PK Alazao1

 

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook