A Vassoura Doida Varrida

História da Maga Patalójika, de 1978.

O título é uma associação de ideias entre o conceito de vassouras e a expressão “doido varrido“. Essa é uma daquelas expressões que usamos há tanto tempo (mais precisamente, desde os tempos do “Santo Ofício” – ou Inquisição, mesmo – no Brasil) que até já esquecemos o porquê, ou o que quer dizer exatamente. Mais precisamente, “varrido do juízo” é alguém cuja sanidade parece ter se esfarelado e sido removida, como que por uma vassoura ou ventania.

Assim, temos aqui uma vassoura mecânica “muito louca” criada pelo Bruxinho Peralta e “envenenada” (hoje em dia se diz “tunado”) como se fosse um carro ou uma motocicleta. A diferença é que aqui o “veneno” vem de poções de plantas venenosas, como na história “A Corrida de Vassouras” já comentada neste blog. Aliás, a intenção hoje é a mesma: ter algo poderoso com o qual participar da corrida de vassouras da grande gincana de Bruxópolis e vencê-la, de preferência.

O problema começa quando o bruxinho se choca em pleno ar com a Maga durante o voo de testes. Para não virar sapo, ele faz para ela uma vassoura a jato igual à dele, que ela vai usar, obviamente, para ir à Caixa Forte e tentar roubar a Moedinha Número Um pela enésima vez. É claro que, como sempre, o plano que parece infalível será frustrado. O interessante será ver exatamente como.

maga-vassoura

E no final papai ainda consegue devolver a trama à gincana de Bruxópolis, com um final inusitado. Afinal, depois de tantas peraltagens, troças e trapaças, seria impensável que o Peralta tivesse permissão para vencer a corrida de vassouras.

(E por falar no Peralta, sou só eu ou a JK Rowling andou lendo quadrinhos Disney quando criança? Ou isso, ou então é realmente muito fácil imaginar vassouras “modernosas” e associá-las aos carros, por exemplo. Agora, a autora que me perdoe, mas a “mala cheia de monstros” da trama de “Animais Fantásticos” é uma coisa que foi criada juntamente com o Bruxinho Peralta nos EUA em 1964, desenhada pela primeira vez por Tony Strobl e muito usada por papai nos anos 1970/80. É óbvio que não é impossível que ela tenha chegado a essa noção por esforço de imaginação próprio, mas que é curioso, isso lá é.)

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s