Peninha Das Arábias

História do Peninha, de 1980.

“Após tentar vender cobertores no deserto, vamos encontrar o Peninha camelando pelas areias escaldantes”. Assim começa esta história, e esta é a primeira das muitas piadas que veremos ao longo das páginas.

É verdade que, de dia, os desertos são realmente muito quentes e as temperaturas chegam facilmente aos 50 graus centígrados, mas durante as noites elas podem cair vertiginosamente e chegar a congelantes 10 graus negativos.

Assim sendo, para quem pretende passar a noite entre as dunas de um deserto como o do Saara, por exemplo, um bom cobertor (e um saco de dormir, e uma barraca, e uma roupa quente, e quem sabe até uma fogueira) é absolutamente indispensável. O Peninha poderia ter se dado muito bem vendendo cobertores no deserto, e essa é a maior ironia da história.

Já o termo “camelar” existe em português, e faz, sim, alusão a camelos: significa trabalhar arduamente, penar, sofrer no trabalho, percorrer longas distâncias a pé ou de bicicleta, enfim, trabalhar “como um camelo”. Usada aqui por papai, é também uma brincadeira com o termo “camelô“, que, apesar de ser um galicismo, ou seja, ser derivado do idioma francês, soa a ouvidos brasileiros como o nome do animal e também lembra todos os significados acima.

Se bem que não há camelo nenhum nesta história, mas sim um dromedário. São animais parecidos, “aparentados”, por assim dizer, mas, ainda assim, diferentes. Este será o “drama” do personagem de corcova, que passará a história toda sendo chamado de “camelo” por todos, mas sem poder corrigir aos ignorantes por não saber falar. Seria ele, aliás, um “primo distante” de Sandro Medário, das histórias do Pena Kid?

Já o Peninha, aqui, está sendo sutilmente comparado com Lawrence da Arábia, um explorador também meio amalucado que percorreu os desertos do Oriente Médio no início do Século XX.

O resto da história tem a ver com uma disputa entre dois Xeques malucos por uma grande esmeralda, e na maneira como o Peninha e seu amigo camê-, quer dizer, dromedário, serão envolvidos na encrenca.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s