O Feitiço Quaquaquá!

História da Maga Patalójika, de 1983.

A bruxa realmente não perde as suas manias. Além da obsessão de sempre pela moedinha número um, ela também não perde o hábito de querer usar feitiços do bem para o mal, como em “Nas Malhas da Magia”, de 1981. E isso, é claro, sempre tem um preço amargo para ela.

O feitiço do Mago Tantã, desta vez, na verdade está mais para invenção no estilo do Professor Pardal. Ou então, algo puxado mais para a alquimia do que para a confecção de poções. Em todo caso, como já vimos antes (em “Dormindo no Ponto”, de 1974), o gás do riso existe, e se chama Óxido nitroso. Ao que parece, ele tanto pode fazer rir como dormir.

Mas a semelhança com o Professor Pardal não para por aí: a intenção do bruxinho do bem de fazer as pessoas rirem tem grande semelhança com a do inventor patopolense em “O Espelho das Gargalhadas”, de 1976.

Essa é, também, a ambição de papai, mas ele sabia que não se pode simplesmente obrigar o leitor a rir. É preciso um pouco mais de tato. Afinal, muito de uma coisa boa também pode ser uma coisa ruim.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.