A Carroça De Ouro

História dos Aristogatas, criada em 1974 e publicada uma vez só em 1976.

Esta é mais uma história que tem como tema o Teatro de Rua e antigas tradições do teatro medieval, como a carroça do título. Em 1975 papai já havia usado este tema em “Os Cavaleiros da Távola Quadrada”, e voltaria a ele em outras histórias da Companhia Teatral Peninha e também do Zé Carioca, como “Zé Mambembe”, de 1977 e “Brincadeira Tem Hora!”, dos Metralhas em 1980.

Como eu já disse antes, A Carroça de Ouro foi um projeto cultural que passou por Campinas em meados dos anos 1970 e, ao que parece, por muitas outras cidades também, percorrendo 17 estados brasileiros em mais de 20 anos, levando o teatro para locais sem acesso à cultura. O projeto ganhou até mesmo um livro em sua homenagem, em 2010.

Assim, quem lia assiduamente as histórias de papai não apenas aprendia alguma coisa sobre vários assuntos, mas também podia se aprofundar um pouco mais em alguns dos seus prediletos, já que ele explorou bastante os vários aspectos desta antiga tradição teatral, desde a “commedia dell arte”, passando por sua ligação com o teatro de rua moderno, com o risco de haver batedores de carteiras no meio da multidão, e até com o Carnaval brasileiro.

Esta história em especial começa mais ou menos a partir de onde “Edgar, o Desmancha Concursos” parou, com a continuação e eventual solução dos conflitos da turma do Matinhos com a dos Gatos da Margem Esquerda (do Rio Sena), a necessidade de se fazer uma apresentação beneficente para os gatinhos carentes, e algumas coisinhas mais, mas na verdade tudo isso é um pretexto para se apresentar um tema com um verdadeiro valor cultural ao jovem leitor, algo que o fizesse se interessar e ir pesquisar mais.

Aristogatas carroça

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias.

Marsupial: http://www.lojamarsupial.com.br/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava

Comix: http://www.comix.com.br/product_info.php?products_id=23238

Cultura: http://www.livrariacultura.com.br/p/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-15071096

Monkix: http://www.monkix.com.br/serie-recordatorio/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-serie-recordatorio.html

Anúncios

Os Cavaleiros Da Távola Quadrada

História da Companhia Teatral Peninha, de 1975.

Adepto da nobre arte do Teatro de Rua, muitas vezes a bordo de um carroção ou de um caminhão, o Peninha está novamente aprontando com sua trupe. E como não poderia deixar de ser, o Donald é a principal “vítima” do pato abilolado, sempre recrutado para um muito capenga “papel principal”. Hoje, pelo menos, ele não terá nenhuma torta jogada em sua cara.

O tema de hoje é inspirado nas lendas do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda, mas, por falta de uma mesa redonda, foi usada uma quadrada mesmo. Afinal de contas, para o Peninha isso é só uma “pequena adaptação”.

O conceito de “teatro” do Peninha tem muito (muito mesmo) de improviso, frequentemente com objetos de cena emprestados da casa do Donald e fantasias de carnaval como figurino. É o “teatro amador” em sua essência, digamos, mais “amadora” mesmo. A coisa chega às raias da completa incompetência, mas é tão engraçada que acaba sendo aceita pelo público (e pelo leitor).

Além disso, é fortemente inspirado em brincadeiras infantis como o “teatrinho de criança” (aquelas brincadeiras que as crianças de uma família mais ou menos numerosa às vezes faziam, ou juntas com os filhos dos vizinhos, para platéia nenhuma, ou composta apenas pelos adultos da mesma família) misturado com Teatro de Bonecos, com suas clássicas cenas de pancadas na cabeça que vêm dos tempos medievais (como, aliás, também vem o Teatro de Rua).

CTP Tavola

Já o “genial” (só que não) diálogo na base do “Oh sim, oh sim, oh sim” e “Oh não, oh não, oh não”, é inspirado (se não me falha a memória) em desenhos animados como “Os Apuros de Penélope“, que por sua vez eram inspirados em antigos filmes do gênero “donzelas em apuros”, que são uma tradição iniciada há 100 anos no cinema mudo e que vem dos tempos do Teatro de Rua e de Bonecos medieval, fechando o círculo.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias.

Marsupial: http://www.lojamarsupial.com.br/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava

Comix: http://www.comix.com.br/product_info.php?products_id=23238

Cultura: http://www.livrariacultura.com.br/p/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-15071096

Monkix: http://www.monkix.com.br/serie-recordatorio/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-serie-recordatorio.html

Zé Mambembe

O ponto de partida desta história de 1977 é uma homenagem a um grupo de teatro de Campinas, que fazia apresentações de teatro de rua inspiradas na Commedia dell’arte, um gênero clássico de teatro renascentista. Muitos desses personagens da comédia clássica, aliás, sobrevivem até hoje nas fantasias de carnaval.

Papai fez amizade com esse grupo, que se apresentava no Largo do Rosário, local onde também acontecia a Feira Hippie de Campinas. Naquela época a feira ainda não era essa tradição toda que é hoje, mas era certamente um celeiro de ideias criativas que papai fazia questão de visitar quase toda semana.

E como na história, as apresentações ocorriam como na Renascença, em praça pública, com aquelas fantasias elaboradas todas e sobre um carroção de madeira pintado de dourado.

mambembe

O resto da história é uma divertida comédia de erros e mal entendidos, com o Zé, como sempre, tentando se gabar dos seus “feitos” para a Rosinha e se dando mal, também como sempre.