As Aventuras De Pena Rubra

História do Peninha, de 1983.

Depois de fazê-los descobrir o norte do continente americano, onde Patópolis seria fundada mais tarde, papai leva seus Vikings muito loucos para mais uma aventura.

Trata-se de uma brincadeira sobre o tema, sem muita preocupação em ser fiel a verdades históricas e outros “detalhes pouco importantes”. Como sempre, o objetivo da história é menos dar uma aula e mais divertir e estimular o leitor a pesquisar um pouco sobre esses grandes bárbaros do norte.

Papai manda a realidade histórica às favas em dois pontos principais. O primeiro diz respeito à religião dos Vikings na época de suas grandes navegações: apesar do uso somente de nomes de deuses da mitologia nórdica, como Thor, Odin e Wotan (outro nome de Odin, só para variar), nas exclamações dos viajantes, quando começaram a se espalhar pelo mundo eles já haviam tido contato com a religião Cristã, e muitos já haviam se convertido.

Em segundo lugar está a tentativa de chegar à China. Os Vikings foram realmente grandes viajantes, estiveram inclusive no Oriente Médio e até mesmo na Rússia, mas os primeiros europeus a visitar a China foram mesmo os portugueses, em 1513.

Um terceiro ponto de sátira está na descoberta feita pelo Pena Rubra (cujo nome, aliás, é uma referência ao célebre Erik O Vermelho) de que a Terra deve ser na realidade redonda. Com efeito, teria sido muito difícil para os Vikings viajarem tanto pelo mundo sem saber dessa valiosa informação, e papai concordava com os pesquisadores ao desconfiar que eles sabiam, sim.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Contatos Imediatos No Terceiro Degrau

História do Zé Carioca, de 1978.

Esta é a última história escrita por papai para os alienígenas liderados pelo Rei B-A-H. Depois desta aventura o antipático líder partirá com sua nave e tripulação, com a intenção de nunca mais voltar.

zc-degrau

Hoje eles nem precisarão tomar a forma dos terráqueos mas, em compensação, haverá um contato imediato para ninguém botar defeito. A inspiração vem, é claro do filme “Contatos Imediatos”, de 1977.

zc-degrau1

Além disso, temos também a revelação de onde fica o planeta dos transmorfos (se bem que ela não ajuda muito), e a solução do “conflito” pelos cogumelos. Para os alienígenas eles são tão importantes, que nem imaginam que por aqui os cogumelos não têm valor material nenhum.

zc-degrau2

Há também uma referência mais ou menos “profética” aos “Homens de Preto”, se bem que o filme de 1997 já é baseado nos relatos que acompanham as histórias de avistamentos desde os anos 1940. Mas aqui são os próprios alienígenas que se encarregam de ocultar os traços de sua passagem pela Vila Xurupita, inclusive “apagando” as memórias da turma.

Por último, um alerta sobre o consumo de cogumelos: alguns tipos deles são, sim, comestíveis, e muito nutritivos, mas outros são tóxicos, alucinógenos e até mesmo muito venenosos. O consumo de cogumelos recolhidos diretamente da natureza pode ser terrivelmente perigoso, especialmente se você não sabe diferenciar os muitos tipos que existem. (Crianças, não façam isso em casa). Muito mais seguro, para quem quiser experimentar, é comprar as bandejinhas vendidas nos supermercados.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

O Planeta Dos Fora-da-Lei

Alienígenas Transmorfos contra Mancha Negra, de 1974.

Esta é mais uma daquelas histórias onde só há vilões, já que os alienígenas, por mais encrencados que possam estar, não são exatamente bonzinhos. Sua maior característica do mal é a arrogância e supremo desprezo por este planeta e seus habitantes. Mas, apesar de tudo, eles também são quase inofensivos.

Esta série de histórias, pelo menos quando a autoria é de papai, tem um elemento quase aleatório, que é a aparição dos seres em seu disco voador para personagens diferentes em momentos diversos, e outro que lembra uma série em capítulos: a cada nova história, vamos vislumbrando um pouco mais sobre esses bichos. Aos poucos, descobrimos mais ou menos quem são eles, o que fazem por estas bandas da galáxia, por que deixaram seu planeta natal, sua cultura, e até mesmo o que eles comem.

Outro elemento recorrente nas histórias de papai, e presente aqui também, é o sonho profético. Desta vez o “sonhador” é o próprio Mancha Negra, e é por este motivo que ele é abduzido e levado ao planeta dos transmorfos, um mundo literalmente sem lei. Parece o paraíso dos bandidos, não é mesmo?

Mancha planeta

Como é de se esperar em uma história em quadrinhos, o sonho, de um modo ou de outro, acaba se realizando. Tudo o que o Mancha previu acontece, e o Rei Bah é restituído ao trono com sua ajuda. O problema é que, aparentemente, o sonho do Mancha não foi completo, ou ele acordou sem conseguir ver o final (coisa comum em sonhos de todos os tipos, aliás), e isso o impedirá de se dar bem.

Afinal de contas, ele é um criminoso, um bandido, foi abduzido diretamente do pátio da Cadeia de Patópolis, e decididamente não merece recompensa nenhuma por coisa alguma.

Mancha planeta1

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

O R.E.I. Dos Cães

História dos Escoteiros Mirins, de 1975.

Esta é a penúltima história de papai para os seus alienígenas com cara de bichões da seda. Do mesmo modo que Alfabeta e Gamadelta, as nuvenzinhas alienígenas, estes seres do espaço também são transmorfos. Mas estes não querem exatamente conquistar o mundo inteiro. O que eles querem é um pedaço de terra para chamar de seu reino, já que o chefe deles, o Rei Bah, foi destronado e exilado de seu planeta natal.

Isso, é claro, não os faz menos vilões. Outro ponto em comum com o outro grupo de invasores é o completo desconhecimento de nosso planeta e o mais perfeito desprezo por ele e seus habitantes. Com essa atitude, é óbvio que eles nunca vão conseguir nada por aqui. O nome do rei alienígena é justamente a expressão máxima do desprezo que ele sente, do sentimento de superioridade e de sua suprema arrogância.

Escoteiros Rei

Hoje temos um encontro e duelo entre “reis”: o rei alienígena destronado e o sabujo dos escoteiros, que acaba de ser nomeado “rei” dos cães de escoteiros, por seus valorosos serviços prestados. Ao contrário do ser do espaço, pelo menos o cão merece seu título, e fará jus a ele. Afinal, coragem não é a incapacidade de sentir medo, mas sim a capacidade de se manter fiel à missão a despeito dele.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a ler minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias, não perca:

Marsupial: http://www.lojamarsupial.com.br/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava

Comix: http://www.comix.com.br/product_info.php?products_id=23238

Cultura: http://www.livrariacultura.com.br/p/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-15071096

Monkix: http://www.monkix.com.br/serie-recordatorio/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-serie-recordatorio.html

A Invasão De Morcegos Vermelhos

Primeira história dos Alienígenas Transmorfos, de 1973.

Papai gostava de personagens versáteis, que pudessem literalmente “pousar” em cada um dos vários “ambientes” de personagens e deixar o seu recado. Assim, estes alienígenas já infernizaram, além do Morcego Vermelho, o Mancha Negra, os Escoteiros Mirins e o Zé Carioca.

Estes bichos alienígenas não conhecem absolutamente nada do nosso planeta, mas vão precisar viver aqui de agora em diante. O motivo é meio obscuro, mas parece que há alguma guerra no planeta natal deles, e o rei foi exilado com um pequeno séquito a bordo de um clássico disco voador, com direito a janelinhas em volta e antena no topo. Aqui na Terra, pelo menos, eles podem cultivar os cogumelos de que se alimentam, enquanto tentam aprender coisas como idiomas, cultura, usos e costumes para ver se conseguem se misturar à população. São de modo geral pacíficos.

Sua única vantagem é a capacidade de tomar a forma dos seres vivos de nosso planeta na tentativa de passar despercebidos, mas são completamente incapazes de aprender o que seja do modo de vida na terra, o que é claro leva a inúmeras situações bizarras.

Semelhantes a estes, mas mais belicosos, são os transmorfos Alfabeta e Gamadelta, duas nuvenzinhas, uma clara e mais paciente e outra escura e mais violenta, que têm a expressa missão de preparar a Terra para uma invasão e consequente aniquilação de seus habitantes. As principais vítimas deles são o Zé Carioca e o Nestor, mas já andaram às voltas com o Biquinho, também.

O grande mistério desta primeira história é a real aparência dos invasores. Eles só vão aparecer tais como são no último quadrinho, mas deixam algumas pistas espalhadas pelas páginas:

MOV Transmorfos

De resto, a presença dos invasores provoca a maior confusão em torno da Caixa Forte, com o Morcego e o Donald atrás dos “Morcegos Vermelhos” para tentar entender alguma coisa, e o Tio Patinhas preocupado apenas em descontar o salário do Morcego Vermelho por causa das peraltices no meio da noite, quando ele deveria estar bancando o guarda noturno.

No final a forma original dos Transmorfos é revelada, e há quem os compare a bichos da seda. São umas lagartonas até simpáticas. A peculiaridade das lagartas em geral é o seu ciclo de vida, que as leva a se transformar em todo tipo de borboleta e mariposa, e que certamente foi a inspiração para estes personagens.

*********

(Para finalizar, uma dica: recebi várias perguntas do tipo desde a semana passada, então acho que vale a pena descrever um pouco como funciona este blog.

Primeiramente, e certamente mais importante, quem quiser saber em quais revistas esta história já foi publicada, quantas páginas tem, e quem é o desenhista, entre outros detalhes técnicos, deve clicar no link que está embutido no ano da história, logo na primeira frase deste artigo.

Isso, é claro, vale para todos os outros artigos deste blog. O link leva ao site Inducks, cujos mantenedores se esforçam por catalogar o máximo de detalhes possível sobre o máximo de histórias Disney possível, e estão fazendo um ótimo trabalho, aliás.

Outros links que possam estar presentes ao longo do texto levam a páginas da Wikipédia e de outros sites, quando apropriado, que explicam melhor outras referências da história. Eu pessoalmente cliquei em cada um deles e meu computador não “morreu”, então acho que são seguros. Papai me dizia que o seu leitor ideal era aquele que lia o gibi com um dicionário do lado e uma enciclopédia ao alcance da mão. Hoje em dia, com a Internet, nada mais fácil.)