A Volta Do Dr. Tempo

História do Superpateta, de 1975.

Enquanto, aqui na região Sudeste do Brasil, a previsão do tempo está anunciando uma forte frente fria que irá derrubar bastante as temperaturas deste nosso inverno neste final de semana, em países como Grécia, Israel e Irã (entre outros no Mediterrâneo e no Oriente Médio), que ficam no hemisfério norte e estão agora no verão, há previsões de fortíssimas ondas de calor para os próximos dias.

Aqui no Brasil é comum, também, que haja seca em alguns lugares e enchentes em outros, tudo na mesma época do ano. O clima de nosso planeta é um sistema caótico por definição, e desde tempos imemoriais tem sido fonte de angústia e até mesmo de temor para os seres humanos, sempre expostos aos seus efeitos.

Tanto, que nossos sentimentos de impotência frente os caprichos das intempéries já deu origem a sistemas de crenças (quem nunca ouviu falar no “Deus do Trovão“?), ciências (como a meteorologia), e até mesmo práticas mágicas e supersticiosas (como a Dança da Chuva).

Poder controlar o clima é um sonho antigo da humanidade que nunca foi realmente realizado, apesar de práticas como a “semeadura de nuvens” como controverso esforço para fazer chover, por exemplo. Ao que parece, o que o ser humano está “conseguindo”, na verdade, é tornar as condições climáticas de nosso planeta ainda mais caóticas.

É de tudo isso que vem o baixinho Doutor Tempo, um vilão criado no exterior para ser inimigo do Superpateta, e alegremente adotado por papai para mais esta história. Com sua arma de raios congelantes, ele costuma tocar o terror nos céus de Patópolis, congelando o Super em pleno ar e fazendo nevar no verão, entre outras coisas.

A história de hoje nos mostra mais um épico embate entre herói e vilão, devidamente “semeado” com liberais pitadas de piadinhas sobre tempo e temperatura.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Anúncios

Quem Tem Telhado De Vidro…

História do Donald e Silva, publicada pela primeira vez em 1977.

Eles até que tentam, mas não conseguem parar de brigar, e cada vez por um motivo diferente. A bola da vez é um par de estufas para plantas raras, que os dois resolvem construir em seus quintais. O curioso é que os projetos são iguais, e a primeira planta a ser abrigada em cada uma das estufas também é do mesmo tipo (uma samambaia supostamente rara).

D&S Samambaia

O pato e o cão não entendem a situação, acusam mentalmente um ao outro de inveja, mas continuam com seus planos mesmo assim. Quando a briga inevitavelmente estoura, os sobrinhos do Donald lembram aos dois brigões que anos atrás o Donald deu ao Silva uma muda da planta, e este retribuiu com uma cópia dos planos da estufa.

D&S Briga

Os planos da estufa que o Donald tem estão datados de 1965. E a samambaia do Donald foi um presente da Margarida, “no início do namoro”, nas palavras dele. Assim, podemos deduzir que eles começaram a namorar em meados dos anos 1960. De resto, esta seria apenas mais uma história de briga com estes dois personagens, se não fosse a “história oculta” por trás deste roteiro: a verdade é que os acontecimentos desta história estão intimamente ligados à vida de nossa família na cidade de Campinas/SP naquele tempo.

A samambaia especial é uma referência às muitas plantas do mesmo tipo que minha mãe cultivava no jardim de inverno da nossa casa, e a chuva de granizo retratada na história aconteceu de verdade em junho ou julho de 1977 e deixou para trás um estrago grande, inclusive nos vidros do nosso jardim de inverno.

D&S granizo

 

Esse tipo de precipitação é comum por lá, e os campineiros certamente sabem o que é isso. Este vídeo dá uma ideia da coisa. O difícil é convencer quem nunca esteve à mercê de uma dessas, e a equipe da Abril naquele tempo quase se recusou a publicar a história porque eles não acreditavam que uma chuva de granizo pudesse fazer esse estrago todo.

E pelo menos uma cena desta história foi inspirada diretamente nas brigas de criança (aquelas, por ciúme bobo) entre meu irmão e eu. O diálogo abaixo também era comum, lá em casa… 🙂

D&S dedos

http://www.amazon.com.br/s/ref=nb_sb_noss?__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&url=search-alias%3Ddigital-text&field-keywords=A+Hist%C3%B3ria+dos+Quadrinhos+no+Brasil