Ópera-Rock Rural

História da Companhia Teatral Peninha, de 1975.

Não satisfeita em azucrinar os cidadãos de Patópolis com suas – aham – “encenações” sem pé nem cabeça, a CTP resolve levar sua, bem, “arte” à área rural da cidade em um palco montado na carroceria de um caminhão. Os resultados serão hilários, é claro, mas não da maneira pretendida pelos personagens.

O teatro de rua inspirado em tradições que remontam à Idade Média, inclusive com o costume do show itinerante, é o tema central da CTP. A piada interna, com a saudação em acorde de Dó maior (um “olá” em Dó, outro em Mi e outro em Sol), também é uma marca registrada da trupe.

ctp-rock

Papai junta aqui vários conceitos tomados das artes performáticas e os combina em algo que parecia insólito na época, mas que foi se tornando cada vez mais comum ao longo das décadas. Como sempre, ele estava uns 30 anos à frente de seu tempo.

Como eu disse, o conceito do teatro de rua itinerante remonta à Idade Média. Dessa tradição nasceu o conceito do Circo, e hoje em dia temos também grupos de pessoas que levam o cinema aos confins do Brasil, como o CineSolar e o TelaBrasil, por exemplo.

Já a Ópera é um tipo de entretenimento que combina música e teatro e que se popularizou nos séculos XVII e XVIII. A Ópera Rock é algo inventado nos anos 1960, e o Rock Rural também existe e tem seus principais representantes no Brasil em Sá e Guarabyra a partir dos anos 1970. Essa pode, muito provavelmente, ter sido a inspiração para esta história.

Mais recentemente temos artistas como o cantor Meno e sua “Ópera Rock Caipira”, e até mesmo a banda de rock Jethro Tull enveredando pelo conceito de Ópera Rock Rural.

ctp-rock1

Outra piada interessante da história é a referência a “Rock” como se fosse uma pessoa, um “artista de cinema”. Essa é uma referência à canção “Esse Tal de Roque Enrow“, de Rita Lee, do álbum “Fruto Proibido”, de 1975. E a canção é uma referência ao galã Rock Hudson, que era famoso nos anos 1950 e 1960, exatamente na época em que o estilo musical seu “xará” começou a ficar popular. Isso deu um “nó” na cabeça de alguns pais mais caretas, que não conseguiam entender pelo que era, exatamente, esse fanatismo todo de seus filhos.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Zé Mambembe

O ponto de partida desta história de 1977 é uma homenagem a um grupo de teatro de Campinas, que fazia apresentações de teatro de rua inspiradas na Commedia dell’arte, um gênero clássico de teatro renascentista. Muitos desses personagens da comédia clássica, aliás, sobrevivem até hoje nas fantasias de carnaval.

Papai fez amizade com esse grupo, que se apresentava no Largo do Rosário, local onde também acontecia a Feira Hippie de Campinas. Naquela época a feira ainda não era essa tradição toda que é hoje, mas era certamente um celeiro de ideias criativas que papai fazia questão de visitar quase toda semana.

E como na história, as apresentações ocorriam como na Renascença, em praça pública, com aquelas fantasias elaboradas todas e sobre um carroção de madeira pintado de dourado.

mambembe

O resto da história é uma divertida comédia de erros e mal entendidos, com o Zé, como sempre, tentando se gabar dos seus “feitos” para a Rosinha e se dando mal, também como sempre.