A Gincana A Fantasia

História do Zorrinho, de 1983.

Semelhante à “Grande Gincana de Patópolis” de 1975, mas transportada para o universo das crianças e de suas antigas brincadeiras, esta também é uma corrida que será sabotada por membros da família Metralha. Mais exatamente, os Metralhinhas.

Os métodos desleais deles serão, aliás, mais ou menos os mesmos, incluindo as tachinhas espalhadas pelo caminho para estourar pneus, mas com uma trama bem mais simples, sem mapas nem grandes mistérios para o leitor resolver.

O tema adicional das fantasias serve, é claro, para criar um conveniente pretexto para a presença dos sobrinhos do Donald com sua fantasia predileta de Zorro. Mas hoje, em lugar dos cavalinhos de madeira com cabeça de meia, eles se locomoverão em bicicletas.

Seu objetivo, como na maioria das histórias do tipo compostas por papai, será defender as sobrinhas da Margarida das trapaças dos meninos malvados, sem revelar que eles são três e fazendo parecer que são apenas um patinho.

Interessante vai ser a reação dos Metralhinhas ao ver o Zorrinho levar a melhor. Eles são tão arrogantes em suas traquinagens desleais que até se esquecem de que o que estão fazendo é errado.

Muitas pessoas são assim até mesmo depois de adultas, não é mesmo? Adoram apontar o dedo para os erros dos outros, enquanto convenientemente se esquecem de seus próprios. E é desse modo que elas muitas vezes acabam denunciando a si mesmas, pela hipocrisia de seus atos.

Não se esqueçam, crianças: toda maldade é burra.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Anúncios

Fórmula Zé-Ro

História do Zé Carioca, de 1973.

As corridas de automóveis estavam entre os esportes prediletos de papai mas, ao contrário do Xadrez, isso era algo que ele não praticava. Fã do Emerson Fittipaldi, ele apenas gostava de assistir e se inspirar na perícia dos pilotos, mas nem tanto na velocidade, para dirigir defensivamente e acompanhar a manutenção dos vários carros que teve ao longo da vida.

Esta história tem como tema central a vontade do Zé de agradar à Rosinha, já que às vezes ela se cansa um pouco do estilo de vida folgado do namorado malandro. E como ela gosta de corridas (e de corredores), nada melhor do que se tornar corredor também. Mas, é claro, isso é algo que é mais fácil falar do que fazer.

A trama começa a ficar interessante quando o Zé se vê obrigado a improvisar, sempre com a ajuda do Nestor, o amigo que nunca o deixa na mão.

Já a “Gincana Surpresa”, organizada por um canal de TV, a “TV Visão”, é inspirada não apenas na Fórmula 1, mas também na Corrida Maluca e em histórias como “O Carrinho Fantástico”, que serviria de inspiração também para as histórias do Vavavum publicadas mais tarde na Revista Crás! e “O Pequeno Campeão” da revista Destaque e Brinque, todas já comentadas aqui.

O “Fórmula Zé-ro” (Fórmula 0) no nome da história seria uma referência às capacidades automobilísticas do Zé, já que, como piloto, ele realmente “não é de nada”. E, é claro, a gincana também não se chama “surpresa” por acaso…

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

 

A Grande Gincana De Patópolis

História dos Irmãos Metralha, de 1975.

Esta é uma variação sobre o tema das provas preparatórias do Pateta Olímpico, de 1972. Papai retirou o tema das olimpíadas e adicionou um toque de “Corrida Maluca“, dando mais espaço para as trapaças dos Metralhas. Ate o mapa da prova é bastante parecido com o da corrida no Pateta Olímpico. E ele pode inclusive ser consultado, para ajudar o leitor a entender melhor os acontecimentos.

Mapa Patopolis   Mapa Gincana

A história é toda narrada pelos metralhas, que aos poucos vão revelando o tamanho da trapaça que fizeram. Um plano muito bem elaborado, aliás, mas como sempre com uma falha burra e calamitosa (pelo menos, para os maus).

O Peninha, otimista como sempre, é um dos últimos a se inscrever, meio por acaso e de última hora. Fica com o número 13, bem adequado ao “azarão” da prova. Em todo caso, ele não está muito preocupado em vencer. Ajuda os outros, para no caminho, se atrapalha todo, mas está feliz em participar. Tanto, que por um momento até se esquece do prêmio, que foi o motivo da sua inscrição. Ele gostaria de usar o dinheiro para consertar sua moto.

Gincana Pateta

Atenção para o misterioso helicóptero que acompanha tudo do alto, desde a segunda página. Um leitor menos atento pode nem notar, ou achar que não é nada, mas aos poucos sua função vai sendo revelada.

Gincana

Além disso, a história tem vários detalhes que são deixados para o leitor deduzir. Por exemplo: os Metralhas jogam tachas na estrada para estourar os pneus do carro do Donald, e é até possível ouvir os estouros dos pneus. Mas logo em seguida o Donald passa com o carro, estourando os pneus. Sendo assim, quem foi pego pelas tachinhas antes do Donald?

Esse era o tipo de coisa que papai esperava que o leitor pudesse deduzir, como se lesse um livro de mistério policial. Se o leitor estudar o mapa atentamente e prestar atenção na história, ele será capaz de resolver o mistério facilmente.