Mágica Trágica

História da Maga Patalójika, de 1973.

A bruxa está tentando atingir o objetivo de sempre – tomar a moedinha Número Um do Tio Patinhas – com os métodos de sempre.

A palavra chave deste argumento é “recorrente”. Ela tenta por duas vezes obrigar o pato a dar a ela sua moedinha predileta da mesma maneira: antes de mais nada, ela faz uma poção poderosa que “avisa que está pronta” com uma baita explosão, e depois se disfarça para tentar chegar perto o suficiente de sua pretensa vítima. O plano é ameaçar o Patinhas com a maldição contida na poção, se ele não entregar a ela a moedinha.

Maga pocao

Engraçadas são as cenas nas quais a Maga tenta passar pelo Donald e pela secretária do muquirana, que têm ordens para não deixar ninguém entrar. Hipnotizado por um olhar maléfico, o Donald passa a se comportar como uma galinha. Já a Dona Maricota é menos sugestionável e precisa ser neutralizada por métodos menos sutis.

TP Donald Maricota

Mas é claro que o Tio Patinhas não é bobo, e além disso tem as suas defesas e truques. No final, como sempre, o feitiço acaba virando contra a feiticeira.

Estranhamente bonita é a cena da Bruxa sobrevoando o mar, à noite, adicionada à trama por papai para adicionar um quê de dramático e misterioso, e tratada pelo desenhista Sérgio Lima num estilo que me lembra xilogravuras japonesas.

Maga mar