O Rei da Bateria

História do Gordo, de Ely Barbosa, publicada pela Editora Abril na revista número 11 do personagem, em 1987.

A lista de trabalho nos mostra que o que vemos na revista é a quarta versão da história, que foi devolvida para reformulação algumas vezes. Mas papai não era de desistir facilmente de uma boa ideia, e continuou tentando até fazer algo ao agrado do editor. O leitor, é claro, agradece.

Toda banda de rock já começou fazendo só barulho, e música é o tipo de coisa que só se aprende a fazer fazendo. Mas até o candidato a músico conseguir fazer uma arte que se apresente, o som que ele vai produzir pode não ser nada agradável.

Em compensação, a definição de “arte” pode ser bastante flexível, especialmente se o aprendiz for uma criança:

Boa parte da trama estará relacionada essa busca do Gordo e sua turma pelo local ideal para ensaiar sem desagradar aos vizinhos, com aventuras e desventuras pelo caminho, até o simpático desfecho, que justifica o nome da história quando o personagem principal encontra finalmente um velho galpão abandonado e sem vizinhos para ensaiar.

Afinal de contas, a definição de “bateria” também pode variar bastante.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Anúncios

A Fuga De El Tigre

História do Zorro, de 1975.

O herói é certamente confiante em sua capacidade de enfrentar os militares de Los Angeles e ousado em suas ações, mas isso não quer dizer que tudo o que ele tenta fazer sempre dá certo exatamente como o planejado.

Neste caso, a tentativa de bancar o Robin Hood, tomando o dinheiro dos poderosos para devolver aos pobres (hoje é o preço da recompensa por um bandido que o Zorro prendeu), vai acabar dando a esse mesmo bandido a chance de escapar da prisão e voltar a aprontar das suas pela região.

zorro-tigre

Será tarefa do herói recapturá-lo, corrigindo o erro que cometeu. E isso ele fará magistralmente em uma batalha de astúcias contra o bandido, sem esquecer, é claro, de devolver o dinheiro aos pobres, aqui representados pelos padres da missão.

zorro-tigre1

Nesta história papai faz uma primeira menção à Estrada Real, que ele usaria de novo em uma história do Zorro (“Um Certo Capitão Mendoza”, já comentada aqui) também escrita em 1974, como esta, mas publicada em 1976. Isso ajuda a ambientar e dar autenticidade à história, mostrando ao leitor referências a lugares que existem de verdade, e não apenas a uma Los Angeles “genérica”.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Os Oito do Forte

História do Gordo, de Ely Barbosa, escrita em agosto de 1987 e publicada pela Editora Abril na revista número 13 do personagem em janeiro de 1988.

Brincadeiras infantis da infância de papai eram um tema recorrente em suas histórias, e ele usou várias vezes a brincadeira do “Forte”, para vários personagens, como o Pena Kid e o Mickey, por exemplo. A diferença, aqui, é que o Forte não se propõe a ser Apache nem da Legião Estrangeira, mas faz referência a um episódio da História do Brasil.

Gordo forte

A “Revolta dos 18 do Forte de Copacabana” aconteceu em 1922 para expressar um descontentamento dos soldados de baixa patente das Forças Armadas com o modo de governo da época.

A trama, aqui, mistura um pouco da malandragem que o Gordo, na versão de papai, “herdou” do Zé Carioca, com uma briga entre moleques e um pequeno mistério sobre os reais motivos da briga. Há, também, um pouquinho de desconstrução do machismo, mostrando que não existem brincadeiras “de menino” e “de menina”.

Gordo forte1

Papai aproveita, como costumava fazer sempre que possível, para citar os nomes de todos os personagens ao longo das páginas, para que o leitor que não conhecesse os personagens não se sentisse alienado. Mas, mesmo colocando a turma toda, e incluindo a turminha rival e bichos de estimação como o Bode Cheiroso e o chihuahua El Tigre, o máximo de integrantes que papai consegue reunir para defender o Forte é oito. Dez a menos. Daí o título da história.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Viva o Regime e… Abaixo o Gordo

História do Gordo, de Ely Barbosa, publicada pela Editora Abril na revista “O Gordo” número 28, em 1987.

Tudo aqui gira em volta do peso e forma física do Gordo, que sofre bullying das outras crianças, na forma de xingamentos e até de exclusão social. E hoje ele fará de tudo para ser aceito, até mesmo um regime e exercícios.

Gordo regime

O nome da história é uma brincadeira com o de um programa de TV famoso na época, “Viva o Gordo (E Abaixo o Regime)”, estrelado por Jô Soares. Quando o programa surgiu o Brasil ainda vivia sob o Regime Militar, e esse nome tinha tanto a ver com a forma física do apresentador quanto com a política do país.

Todo esse esforço por um objetivo e o comportamento final do Gordo ao lado da mesa de doces na festa (de aniversário da Lena, para a qual ele quase não foi convidado por comer demais) me lembram bastante as histórias do Zé Carioca de papai. Pode ser a roupa verde, mas há bastante do caráter do Zé no Gordo.

Gordo regime1

De resto, a história termina como começou, bem ao estilo de papai. É óbvio que um personagem que, por definição, é gordo, não pode ficar magro para sempre, e ele logo ganha novamente tudo o que perdeu. Mas é claro que valeu o esforço, e a experiência.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook