Surpresa na Festa Surpresa

História da Patrícia, de Ely Barbosa, Publicada pela Editora Abril na revista da personagem número 21 em julho de 1988.

Festas de aniversário organizadas “à revelia” do aniversariante, ou seja, de surpresa, são terreno fértil para mal entendidos e confusões de todos os tipos. Exatamente por causa disso, elas costumam se transformar em eventos tragicômicos.

A coisa mais fácil é o aniversariante pensar que está sendo ignorado e ficar magoado, ou simplesmente não comparecer porque não foi convidado, ou algo assim.

Aqui papai combina o comportamento característico de “pestinha estraga prazeres” do Terremoto quando é contrariado (algo que os Metralhinhas de papai também faziam) com o comportamento esquecido e apatetado da Patrícia (como na história do Pateta comentada recentemente) para um efeito hilário.

Mas engraçado, mesmo, e um pouco improvável, é o aniversariante se esquecer do próprio dia de nascimento. É nesse momento que até o Terremoto fica um pouco “pateta” também. Em todo caso, papai usa o “esquecimento” do Terremoto e a suposição dele de que a festa é para o Beto, o menino popular da turma, para brincar com o leitor e semear uma pista para aqueles que estão prestando atenção.

Afinal, se o Beto está esperando pelo aniversariante juntamente com os outros convidados, então chega-se à fácil conclusão de que a festa não é para ele. E se não é para ele, para quem é a festa que o pestinha está tentando estragar?

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Pássaro Muxoloko

História das Bandeirantes, de 1980.

Os Metralhinhas estão, mais uma vez, atrapalhando as meninas. Mas, desta vez, a ajuda do Zorrinho não será necessária.

O fato é que a bondade dos bons é sua própria proteção, como sempre. Mesmo enganadas como patinhas que são, elas (surpreendentemente) ainda vão conseguir se sair bem na tarefa de observar pássaros.

O nome do bicho, como grafado no título da história, é (obviamente) uma referência à expressão “muito louco” para indicar algo inventado na hora, que não existe.

Uma coisa interessante é que a Margarida é instrutora da tropa de bandeirantes, enquanto o Donald nem chega perto de ser alguma coisa com relação aos escoteiros, muito pelo contrário. Quando o pato está envolvido, geralmente é na intenção de atrapalhar os meninos. Ponto para as mulheres.

A ideia de transformar a pata em chefe das bandeirantes vem de uma história estrangeira de 1963, que papai certamente leu em uma das republicações subsequentes aqui no Brasil. Mas pelo menos ele “liberta” as meninas da maçante tarefa de vender biscoitos e coisas assim, e as coloca na mata para observar pássaros, exatamente como os Escoteiros na história chamada “O Pássaro Não Identificado”, que ele criou dois anos antes desta.

E a pitada de futurismo fica por conta da máquina fotográfica no estilo “polaróide“, aquela que revela as fotos instantaneamente, mas em um formato mais compatível com as modernas câmeras digitais. Um prodígio! 😉

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Escalando A Duras Penas

História do Peninha, de 1980.

Com a participação especial dos Escoteiros Mirins, esta história é precursora de “A Montanha Enfeitiçada”, já comentada aqui e que seria lançada dois anos depois. A expressão “a duras penas” tem a ver com as dificuldades pelas quais as pessoas passam. Mas, no caso da Família Pato, ela assume todo um novo significado, em um pequeno jogo de palavras.

Hoje não há magia envolvida, mas coisas misteriosas estão acontecendo no Pico do Quá-Quá-Quá. Intrépidos, os sobrinhos do Donald resolvem ir lá investigar, juntamente com o tio e o jornalista abilolado. O pico tem esse nome, aliás, por causa de uns pássaros que lá vivem. Treinados por um ermitão local, eles são muito atrevidos e atacam a todos os que tentam escalar a montanha. E os pássaros têm o nome que têm por causa de seu canto, que parece uma rizada de zombaria.

A aventura é toda sobre a escalada e o enfrentamento com os pássaros, até a heroica chegada ao cume. Mas será que eles são, mesmo, os primeiros a chegar lá, como o Donald leu no jornal naquela manhã? A história é uma advertência para que as pessoas não acreditem logo de cara em tudo o que leem no jornal (e, em nossos dias, também na Internet).

Afinal de contas, o conceito de “fake news” é na verdade bem “old news”. É sempre interessante continuar pesquisando mais um pouquinho, nem que seja para confirmar as informações. E lembrem-se: se algo parecer bom demais para ser verdade, provavelmente é mesmo.

Interessantes são duas cenas, dois quadrinhos que serão reconhecidos por qualquer pessoa que já leu com atenção o Manual do Escoteiro Mirim.

A primeira vem da página 189, onde está a ilustração para o verbete intitulado “Se Você Vai à Montanha”, e a segunda está na página 193, acompanhando o verbete chamado “Vocês Estão Servidos?”, que apresenta três receitas de refrescos que os leitores podem preparar. Um deles, inclusive, contém leite.

Não são inserções do desenhista. Isto certamente já fazia parte do rafe, em mais um “aceno” de papai ao Manual e aos Escoteiros. Ele participou como colaborador da preparação da primeira publicação do Manual no Brasil, provavelmente traduzindo e fazendo pesquisas adicionais, mas nunca recebeu os créditos por isso. Na verdade nem ele, e nem outros que possam ter também participado. Esta é uma maneira que ele encontrou de “reivindicar” sua participação na publicação.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon.

Oh, Que Saudades Que Eu Tenho…

História do Donald e do Peninha, de 1982.

Com o tema “infância”, a história gira em torno das reminiscências dos dois primos que, com a ajuda de um antigo álbum de fotos vão contando, primeiro ao Biquinho, e depois aos sobrinhos Huguinho, Zezinho e Luisinho, “causos” engraçados sobre seus tempos de criança: como se conheceram, os tempos de escola, e até mesmo uma passagem dos dois pelo batalhão dos Escoteiros Mirins de Patópolis, onde conheceram o Silva.

pd-saudades

A cada uma das histórias é um deles que se dá mal, e os outros que dão risada. (O leitor, é claro, rirá de todas, já que a intenção é essa.) Casos de família são assim mesmo: algumas das coisas pelas quais as crianças passam podem parecer quase trágicas, ou pelo menos muito embaraçosas na hora em que acontecem mas, décadas depois, viram motivo para riso.

O título é inspirado em um poema de Casimiro de Abreu chamado “Meus Oito Anos” (Oh! que saudades que tenho / Da aurora da minha vida, / Da minha infância querida / Que os anos não trazem mais!), que papai aprendeu na escola e que sabia declamar inteirinha de memória, assim como vários outros textos literários. Naqueles tempos do início do Século XX era preciso ensinar às crianças a memorizar com eficiência, já que não se podia ficar consultando livros o tempo todo.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

O Escoteiro Arteiro

História dos Escoteiros Mirins, de 1983.

Só quem tem, ou teve, um irmão bem pequeno e bem arteiro sabe a injustiça que é sempre levar a culpa por tudo o que ele apronta só porque os adultos acham que ele é “pequeno demais” para aprontar tanto.

Escoteiro arteiro

No caso dos escoteiros Huguinho, Zezinho e Luisinho a praguinha é um priminho, mas o resultado é o mesmo. Não há escoteiro que aguente, e nossos amiguinhos quase serão rebaixados no processo.

Escoteiro arteiro1

A ideia de papai aqui é meio que “subverter” todas as regras de um acampamento de escoteiros, fazer o Biquinho quebrar todas elas e avacalhar com tudo, no velho estilo das animações clássicas do Pateta sobre como NÃO fazer determinada atividade. Isso tudo, e ainda por cima destruir o acampamento e inventar mais algumas maluquices e confusões “por conta”.

Tudo o que nunca deveria acontecer em um acampamento de escoteiros bem organizado. Até quando o patinho tenta agir corretamente ele consegue causar confusão, e é justamente esse grande exercício em absurdos que faz esta história ficar tão engraçada.

No final fica a dica para qualquer menino que queira ser um escoteiro. Ao chegar em um acampamento de verdade, ele pelo menos saberá o que não fazer.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Ciência E Escotismo

História dos Escoteiros Mirins, de 1980.

Esta história é inspirada em outra, feita nos EUA e publicada no Brasil pela primeira vez em 1979. Isso mostra que papai lia frequentemente as histórias de outros autores, e se inspirava nelas (entre outras coisas) para suas próprias criações.

Em “O Mentiroscópio”, o Pascoal inferniza a tropa com um detector de mentiras. É uma boa ideia, é claro, mas não tem lá muito a ver com escotismo, necessariamente. O sobrinho do inventor mais maluco de Patópolis poderia ter aplicado seu invento em qualquer reunião de pessoas, com efeitos semelhantes.

Por outro lado, as invenções que papai apresenta aqui, nesta volta do Pascoal à tropa, são certamente mais adequadas a um ambiente de acampamento no meio do mato. Entre as ideias que vemos, algumas mais práticas, como uma super lanterna, e outras mais esdrúxulas, como a corda helicóptero (claramente inspirada, aliás, na corda com asinhas do Morcego Vermelho) está uma que acabou se tornando realidade com o passar dos anos, a barraca instantânea para Camping.

Escoteiros ciencia

Isso, por si só, já coloca a história de hoje no campo do futurismo e da ficção científica e revela papai como um “designer conceitual” de mão cheia. Ao longo dos anos ele “inventou” o conceito do canudinho de refresco dobrável, da caneta impressora 3D, da barraca instantânea e certamente muitas outras coisas úteis, revelando um jeito de pensar que estava pelo menos 30 anos à frente de seu tempo.

Escoteiros ciencia1

O resto da história dá conta do conflito entre a ânsia por conforto do cidadão comum, que usa a tecnologia – muitas vezes indiscriminadamente – para simplificar até o que já é simples, e a visão de mundo dos fãs da vida rústica, que vêem vantagens em aprender a fazer as coisas à moda antiga, justamente para que não fiquemos dependentes demais dessa tecnologia toda.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

O R.E.I. Dos Cães

História dos Escoteiros Mirins, de 1975.

Esta é a penúltima história de papai para os seus alienígenas com cara de bichões da seda. Do mesmo modo que Alfabeta e Gamadelta, as nuvenzinhas alienígenas, estes seres do espaço também são transmorfos. Mas estes não querem exatamente conquistar o mundo inteiro. O que eles querem é um pedaço de terra para chamar de seu reino, já que o chefe deles, o Rei Bah, foi destronado e exilado de seu planeta natal.

Isso, é claro, não os faz menos vilões. Outro ponto em comum com o outro grupo de invasores é o completo desconhecimento de nosso planeta e o mais perfeito desprezo por ele e seus habitantes. Com essa atitude, é óbvio que eles nunca vão conseguir nada por aqui. O nome do rei alienígena é justamente a expressão máxima do desprezo que ele sente, do sentimento de superioridade e de sua suprema arrogância.

Escoteiros Rei

Hoje temos um encontro e duelo entre “reis”: o rei alienígena destronado e o sabujo dos escoteiros, que acaba de ser nomeado “rei” dos cães de escoteiros, por seus valorosos serviços prestados. Ao contrário do ser do espaço, pelo menos o cão merece seu título, e fará jus a ele. Afinal, coragem não é a incapacidade de sentir medo, mas sim a capacidade de se manter fiel à missão a despeito dele.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a ler minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias, não perca:

Marsupial: http://www.lojamarsupial.com.br/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava

Comix: http://www.comix.com.br/product_info.php?products_id=23238

Cultura: http://www.livrariacultura.com.br/p/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-15071096

Monkix: http://www.monkix.com.br/serie-recordatorio/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-serie-recordatorio.html