Buáá! Buáááá!

História do Pateta, publicada pela primeira vez em 1982.

Fui organizar a coleção, e acabei descobrindo uma revista que ainda não foi comentada. Vamos sanar este esquecimento agora.

Esta história é uma rara ocasião na qual o Pateta sai da sombra do Mickey, só para ser praticamente “sequestrado” por outro personagem dominante.

Mais do que tudo esta é a adoção de um personagem estrangeiro que, até a composição desta história por papai, não estava sendo usado no Brasil.

O lado bom é que, ao contrário de outros personagens que papai foi resgatando ao longo do tempo, a tia “dinâmica” do Pateta é engraçada e tem bastante potencial, e serve como uma bem vinda mudança de ares ocasional para o destrambelhado de Patópolis.

Tanto, que ela ganhou muitas outras histórias depois ao longo do tempo, pelo lápis de vários outros talentosos artistas nacionais.

A trama da história, sobre madeireiros ilegais e pássaros cujo canto se assemelha ao choro de um bebê é apenas um pretexto para uma aventura. Mais importante é a apresentação da Tia Giselda ao público brasileiro.

Já pássaros “chorões” até existem, mas geralmente são aqueles que aprendem a imitar os sons que ouvem, como papagaios, minás e outros.

Anúncios

Fofura de Neve

História da Fofura, de Ely Barbosa, escrita entre maio e junho de 1987 e publicada pela Editora Abril na revista da personagem número 8 em janeiro de 1988.

A lista de trabalho dá conta, com um (T), que foi minha mãe quem deu a ele a ideia para esta história. Ela é uma adaptação do conto de fadas Branca de Neve, que, embora seja frequentemente associado com a Disney, já era de domínio público na época em que foi “adotada” para o famoso filme de animação de longa metragem.

Fantasiada de Branca de Neve após passar a tarde lendo um livro de contos de fadas, a Fofura acaba recebendo a visita de uma bruxa vendedora de maçãs e caindo no sono ao morder a fruta envenenada. Mas as similaridades com a história original acabam por aí.

A partir desse ponto teremos algumas surpresas, e em especial o fato de que o Escovão não conseguirá acordar a Fofura, não importando o quanto a beije. Será que ele não é, afinal, o “príncipe encantado” da coelhinha?

Outros elementos interessantes desta história são o tratamento dado à escova de dentes mágica que serve de meio de transporte para o mocinho e uma das cenas da bruxa no fosso dos crocodilos. A escova ganha pensamentos em uma linha crítica, mais ou menos como papai fazia com o Alazão de pau do Pena Kid, e a cena com os crocodilos lembra bastante a história “Zé, Caçador de Jacaré”.

Esses podem ser meios que papai encontrou para “assinar” a história, de certo modo, já que o Ely Barbosa também empregava o padrão da indústria dos quadrinhos de não creditar os autores de quem comprava histórias.

Por fim, tempos um final também bastante surpreendente, que segue uma recomendação do Ely, de que algumas histórias terminassem em uma charada ou joguinho para o leitor. Assim, temos um final de “múltipla escolha”, no qual o leitor poderá escolher seu desfecho preferido.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Um Mistério Muito Louco

História do coelho Escovão, da turma da Fofura de Ely Barbosa, publicada pela Editora Abril na revista da coelhinha número três em agosto de 1987.

Ao colocar o Escovão como detetive particular papai está desenvolvendo ideias que vêm desde detetives da literatura, como Sherlock Holmes, e passam por personagens das histórias Disney, como o Mickey detetive e a Agência Moleza do Zé Carioca.

Em todo caso, ao contrário de outros detetives dos quadrinhos, que não conseguem resolver um caso nem mesmo se a solução estiver bem na frente do nariz deles, o Escovão mata a charada de primeira e em seguida convida o leitor a fazer o mesmo.

O resto das influências vem de Alice no País das Maravilhas, com a representação do Chapeleiro Maluco, o Coelho Branco, o Barrigudinho e a Lebre Maluca. Mas a pista central para o leitor é a de que todos eles, à exceção do Barrigudinho, têm cara de gente malvada.

O leitor mais atento não tardará a associá-los com os vilões da turminha, Capitão Biruta e Tantan, e deduzir que é tudo um plano deles para tentar fazer o Escovão de bobo.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Grito do Ipiranga

História da coelhinha Fofura, de Ely Barbosa, publicada pela Editora Abril na revista da personagem número 5 em outubro de 1987.

Papai deixou anotado na lista de trabalho que a ideia foi de mamãe. O tema é a Independência do Brasil, que será abordada de uma maneira muitíssimo livre. A ideia é brincar com o assunto de modo a despertar o interesse no jovem leitor, tornando-o mais receptivo quando esse capítulo específico da História do Brasil for abordado por sua professora na escola.

É por isso que a história de hoje se inicia com a Fofura brincando de professora e tentando dar uma aula sobre o assunto. O problema é que só o Escovão quer ter a aula. O Nenê quer brincar de teatrinho, e o escovinha quer mais é jogar bola, enquanto o cão Lambão só pensa em dormir.

Em todo caso, o Escovão vai ter a ideia de combinar a aula com o teatrinho, pelo menos. Assim, a Fofura vai ser a Princesa Leopoldina, o Escovão fará o papel de José Bonifácio, o Nenê será o Príncipe Dom Pedro e o Escovinha, pela teimosia e ideia fixa em jogar bola, será o mensageiro da corte de Lisboa.

Só o jogo de futebol vai ficar de fora dos planos, com consequências desastrosas para o bom andamento da brincadeira, mas com resultados hilários para o leitor no final da história.

Esse tipo de história sobre brincadeiras de crianças que papai escrevia é, aliás, uma visão bastante realista sobre a realidade da criançada: as ideias são geralmente muito boas, mas falta liderança e disciplina para que se possa fazer algo que realmente valha a pena. O que geralmente acontece é que a desordem impera e acaba levando a brigas e a um final inconclusivo da brincadeira, para a frustração de quem está participando e a diversão de quem observa de fora.

Qualquer semelhança disso com o estado atual das coisas neste momento na História de nosso país pode não ser uma total coincidência, no final das contas…

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Ih, Deu Bolo!

História da Turma da Fofura, de Ely Barbosa, escrita em maio e publicada na revista da personagem de número 8, em outubro de 1987.

Hoje em dia “dar bolo” significa algo como “faltar a um encontro”, mas, naquele tempo, “bolo” tinha a conotação de “embolado”, de confusão, de “tudo junto e misturado”.

Com ideia da minha mãe, a história é ao mesmo tempo mais uma defesa da tese de que não existe brincadeira “de menino” e “de menina”, e uma hilária aula de como (não) se faz algo.

E a ideia da minha mãe foi inspirada em um bolo que fizemos juntas naquele tempo. Ao ler a receita, eu fiquei imaginando como seria se as instruções fossem levadas ao pé da letra e alguém tentasse fazer “chá de açúcar” e “sopa de manteiga”.

(E é por isso que a página dos créditos, no final das revistas do Ely, citava a nós quatro como colaboradores: chegamos a um ponto no qual tudo o que fazíamos em família servia como ideia para papai transformar em mais um roteiro engraçadíssimo.)

Rimos muito. O bolo ficou delicioso. E o mundo dos quadrinhos ganhou mais uma história engraçadíssima.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Eh, eh, eh, Fumacê

História da Fofura, de Ely Barbosa, escrita em março de 1987 e publicada pela Editora Abril na revista Fofura número 2 em julho do mesmo ano.

O tema é ambiental, com um grande enfrentamento entre os bons, eternos defensores da floresta e de seus amigos bichinhos, e os maus, que querem instalar uma fábrica de fazer fumaça no meio da mata. Nem é preciso dizer quais seriam as nefastas consequências de uma coisa dessas, não é mesmo?

O conceito de “fábrica de fazer fumaça” é uma tentativa de mostrar as fábricas em geral pelos olhos de uma criança. Afinal, o “produto” mais visível que sai de muitas dessas instalações é mesmo a fumaça, pelas chaminés. A criança geralmente não vê o que é feito dentro desses prédios.

Como em toda boa história do tipo, a tensão entre os grupos adversários é crescente e os maus parecem invencíveis, mas só até o momento em que são vencidos pela astúcia e trabalho em equipe dos bons.

Já a inspiração para o nome da história vem de uma antiga canção dos Golden Boys, de 1970. A letra parece ingênua o suficiente, mas há quem já a tenha relacionado com tipos menos inocentes, e até mesmo ilegais, de fumaça. Em todo caso, o público alvo da revista é jovem demais para conhecer a música e suas possíveis interpretações, restando a eles somente a interpretação mais literal.

Hoje em dia o termo “fumacê” está mais relacionado com o combate ao mosquito Aedes aegypti, se bem que aquilo não é exatamente fumaça, mas um composto químico bastante controverso.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Gostosuras e Travessuras

História do Nenê, de Ely Barbosa, escrita no início de 1987 e publicada pela Editora Abril na revista Turma da Fofura número 2 mais tarde no mesmo ano.

nene-gostosuras

Todo bebê passa pela fase de brincar com a comida, ou de jogar no chão tudo o que consegue pegar nas mãos (incluindo alimentos) só para ver onde e como cai. Como tudo o mais que pode acontecer durante o desenvolvimento de uma criança, isso também vai passar, mas algumas mães (e pais também) têm dificuldade de lidar, o que pode levar a situações francamente cômicas (ainda que, na hora, pareçam trágicas).

nene-gostosuras1

A história tem influências mais óbvias, como a participação especial da turma das frutas e verduras do próprio Ely Barbosa, combinada com referências ao trabalho anterior de papai, como a história “Uma Tarde em Quidocelá”, ao conto de fadas João e Maria, ao Dia das Bruxas, e ao folclore brasileiro, com a presença do Bicho Papão em horripilante pessoa na forma de um dragão.

nene-gostosuras2

Outra influência talvez menos óbvia vem do gato Garfield, de Jim Davis, na frase “não brinque com sua comida, a não ser que você possa comer os seus brinquedos”. Acho que foi mais ou menos nessa época (ou alguns anos antes) que meu irmão e eu lemos isso nas tirinhas do gato gorducho e rimos muito.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon