…Fica Assim De Gavião!

História do Professor Pardal, de 1973.

A inspiração para o título vem da letra de um antigo samba de Pedrinho Rodrigues, chamado “Ninguém Tasca (o Gavião)”. Mas as semelhanças com a canção (muito machista, por sinal) param por aí. A brincadeira, aqui, será bem mais literal e vai girar em torno do grande número de robôs com a aparência do Professor Gavião que vão circular por Patópolis. (Se um elefante incomoda muita gente…)

Outras noções interessantes que podemos ver são coisas como uma “entressafra” de superamendoins (o que impedirá o Pateta de se transformar e salvar a cidade, no que seria uma solução fácil demais), uma alusão à Cornucópia da Fartura (reza a lenda que quanto mais se tira coisas dela, mais ela produz) na máquina multiplicadora de robôs, e o comportamento limitado e repetitivo característico dos robôs de papai que seria usado novamente pouco tempo depois em “O Invencível Mancha Negra”, já comentada aqui.

pardal-gaviao

Por fim temos, como em “A Guerra dos Mundos”, outra referência bastante usada por papai, um “monstro” que contém em si a chave para sua própria destruição. Essa é realmente uma solução útil para se lidar com um problema dessas proporções sem precisar recorrer à obviedade de um super herói.

pardal-gaviao1

De todas as referências, para mim a mais original é a da falta de superamendoins. Aqui descobrimos um ponto fraco do Superpateta que é tão óbvio quanto surpreendente. Papai já deixou o Super sem seus amendoins mágicos de muitas maneiras diferentes, mas uma entressafra é coisa que pouca gente imagina, na quase absoluta segurança alimentar deste nosso (quase primeiro) mundo pós-moderno.

pardal-gaviao2

Se formos pensar em termos de amendoins comuns, no estado de São Paulo temos duas safras anuais. Uma de janeiro a fevereiro, e outra de junho a julho. Assim, é preciso ser realmente muito “pateta” para ficar completamente sem eles. Mas talvez os pés de superamendoins sejam diferentes, e produzam uma vez só por ano (ou nem isso, ou não seriam assim tão raros e especiais).

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Xeque-Mate

História do Professor Pardal, de 1972.

Aqui temos mais uma vez o jogo de xadrez como tema de uma história. Esta parece ser uma primeira versão de outra, já comentada neste blog, chamada “Um Problema de Xadrez”.

Como também foi visto na segunda história, temos peças de xadrez gigantes e automatizadas que, além de tudo, são programadas para jogar sozinhas. Mas hoje não teremos uma aula do esporte. Esta é basicamente uma apresentação do tema e uma ficção científica já que, desde o advento dos computadores pessoais e caseiros, existem programas que jogam xadrez de modo até melhor que as pessoas. Mais uma vez, brincando e imaginando, papai acaba “prevendo o futuro” com suas histórias.

pardal-xadrez

Aliás talvez não seja impossível, nestes nossos dias, usando um programa desses em conjunto com peças robóticas movidas por controle remoto, fazer um tabuleiro de xadrez gigante cujas peças se movam sozinhas nas direções certas e de acordo com as regras. Como sugerem os pomposos enxadristas da ficção, do alto de sua confiança no poder do intelecto humano (sabem de nada, inocentes) talvez uma coisa dessas pudesse servir para popularizar o jogo, educar, mostrar como se joga, etc.

Para adicionar ação à trama papai faz com que as peças em tamanho gigante saiam sozinhas do laboratório durante a madrugada e espalhem pânico por Patópolis. Para completar, ele inclusive faz uma referência à novela radiofônica de 1938 “A Guerra dos Mundos” que chegou a causar pânico entre a população dos EUA.

pardal-xadrez1

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

 

A Rebelião Das Roupas

Esta história do Morcego Vermelho, de 1975, é inspirada no filme “O Homem Invisível”, de 1933, que por sua vez foi inspirado no livro (1897) de mesmo nome de H. G. Wells, o mesmo autor de “Guerra dos Mundos”.

Fico imaginando os efeitos especiais desse filme, feitos sem a ajuda da computação gráfica que conhecemos hoje. Rudimentares pelos nossos padrões, certamente, mas de uma criatividade e coragem incríveis para seu tempo.

Pelo que sei, entre outros truques de palco, filmagens e retoques diretamente na película, os cineastas usaram fios para puxar as roupas do personagem principal. É possível que em alguns momentos esses fios tenham aparecido no filme projetado na tela do cinema, revelando o truque, arrancando risos dos espectadores e marcando o imaginário de papai, que viu o filme quando criança provavelmente no Cinema em Campinas.

Aqui o Morcego Vermelho luta com assaltantes dos quais se vê apenas as roupas, e chega a propor a hipótese de estar às voltas com uma quadrilha de homens invisíveis antes de descobrir o plano do Dr. Estigma.

MOV roupas

Os pulos errados, trombadas e trapalhadas do herói se aplicam abundantemente, todos muito engraçados. O Peninha quase revela sua identidade secreta várias vezes, por causa da confusão com as roupas, mas no final acaba se dando bem, até um pouco melhor do que ele mesmo esperava.