Pegamos o Pombo

História da Esquadrilha Abutre escrita no início de 1977 e publicada pela Editora Abril na revista Heróis da TV número 27 de agosto do mesmo ano.

As histórias desses personagens, como o Homem Pássaro, Tor e Fantasma do Espaço, por exemplo, precisavam seguir o mesmo estilo dos desenhos animados que passavam na TV na mesma época. Assim, muitos dos clichês e bordões usados nas animações aparecem também aqui, como a cena na qual o Dick Vigarista fala com o Comandante. Ela é uma cópia perfeita do que acontece na TV.

ea-pegamos1

É claro que, também por imposição dos donos do personagem (e não importa o que diz o título, ou qual seja o plano mirabolante da vez), o Pombo nunca poderá ser realmente pego em definitivo, o que acabaria com a razão de ser da série.

Mas papai também imprime à trama o seu próprio estilo, a começar com a primeira página, onde ele faz uma referência às histórias de guerra que escrevia nos anos 1960. Trata-se da colocação de uma metralhadora logo atrás das hélices, como era comum na época para essas aeronaves, e da pergunta de 100% das crianças que já viram uma engenhoca dessas: “por que as balas não atingem as hélices ao serem disparadas?”.

ea-pegamos

Por fim, temos também as falas ininteligíveis do Klunk, que papai associa um pouco com o idioma Alemão e com as falas do cientista maluco da Máquina Kar-Eta dos Irmãos Metralha. A primeira história da Máquina havia sido escrita no ano anterior a esta.

ea-pegamos2

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

 

Os Homens Leopardos

História do Poderoso Tor, composta no início do ano de 1977 e publicada pela Editora Abril na revista Heróis da TV número 28, em setembro do mesmo ano.

Aqui papai brinca com todos os clichês das histórias em quadrinhos de super heróis: ver o herói (pelo menos temporariamente) dominado pelos bandidos não é incomum, mas colocar o herói frente a frente com sua identidade secreta já exige um pouco mais de criatividade. Desmascará-lo na frente de todos, então, é algo que só acontece quando há um impostor se passando pelo herói.

tor-leopardos

Ao que parece, e conhecendo papai, ele “emprestou” pelo menos o conceito dos vilões do livro “Tarzan e os Homens Leopardo”, de Edgar Rice Burroughs.

Em todo caso, na trama de papai tudo não passa de um plano bem elaborado por um bando de ladrões, mas que será devidamente frustrado no final. Mas engraçado, mesmo, é o modo como ninguém na aldeia nunca desconfia de que Eros e Tor sejam a mesma pessoa, apesar de eles nunca estarem no mesmo lugar ao mesmo tempo.

tor-leopardos1

Ou são muito bobos, ou simplesmente fingem que não desconfiam por lealdade ao herói. Especialmente neste caso em que (ao contrário de personagens como o Zorro, que até pode ser considerado um bandido por alguns por motivos políticos), todos na aldeia respeitam e admiram o herói sem reservas.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

 

Lista de Trabalho VI

Nem tudo o que é mencionado nestas listas foi publicado. Algumas coisas são apenas ideias, outras são testes, ou outros tipos de projetos. Nem tudo está em ordem cronológica: às vezes, ele ia anotando conforme se lembrava de um projeto mais antigo. Além disso, algumas histórias foram compradas e nunca publicadas. Outras eram compradas e publicadas, mas com nomes diferentes, a critério do editor. E mais, nem tudo são quadrinhos. Há colunas para jornais e revistas, projetos de publicidade e vários outros tipos de textos.

De modo geral, primeiro vem o nome da história, seguido do nome do personagem principal e do número de páginas. “Rep” significa “Republicada”, e “Ref” ou “p/ Ref” é “para reformular”. Numerais romanos simbolizam a versão (I, II, III…) de uma história que voltou, foi reescrita, e em seguida enviada de volta.

De Janeiro de 1977 a Fevereiro de 1977

  • O Alquimista – Peninha 8 (Republicada)
  • Zé Milionário – Zé Carioca 7 (Republicada)
  • Um (Atchim!) Resfriado Caro – Patinhas 8
  • Campistas Vigaristas – Metralhas 10 (Republicada)
  • O Bronka Das Selvas – 0-0-Zéro 14
  • A Onça E O Valente – Zé Carioca 8
  • Os Homens Morcego – Tor 10
  • Os Patos Do Deserto – 0-0-Zéro 11
  • O gênio do Anel III – Zan 8 (novo texto)
  • A Super Pantera II – Pantera Cor de Rosa 7
  • A Armadura da Medusa – Homem Pássaro 9
  • O Rosado Mascarado Ataca Novamente II – Pantera 6
  • Querem Acabar Comigo II – Inspetor 9
  • A Caverna do Dragão II
  • Delícias De Um Acampamento – Donald E Peninha 9
  • Amor, A Contas Me Obriga… – Zé Carioca 6
  • Xita Da Silva – Zé Carioca (Reaproveitada)
  • Esse Agente Dá Pena – 0-0-Zéro 10
  • Quem Siri Por Último… – Zé Carioca 7
  • O Clube Dos Caçadores – Morcego Vermelho 10
  • A Volta De Luis Carlos – Zé Carioca 8 (Republicada)
  • O Poço Dos Desejos – Zé Carioca 8
  • O Estúpido E O Comprido – Morcego Vermelho 9
  • A Aprendiz De Feiticeira – Maga E Min – 8
  • O Planeta Dos Palhaços – Esquálidus 15
  • A Troca De Prisioneiros – Fantasma Do Espaço 9
  • O Curandeiro Bruxo – Tor 9
  • A Volta do Escorpião Negro II – Sansão
  • Os Morcegos Negros – Morcego Vermelho 8
  • A Ameaça do Gaiteiro – Tor 8
  • Maus Ventos O Levem – Donald X Silva 8 (Republicada)
  • A Mancha Cor-De-Rosa – Mancha Negra 9
  • O Dia Dos Namorados – Zé Carioca 7 (Republicada)
  • A Morte da Medusa – Homem Pássaro 4
  • O Tesouro De Vila Xurupita – Zé Carioca (Reaproveitada)
  • Um Alfaiate Sobre Medida – Penhinha 7 (Republicada)
  • O Preço Das Suíças – Tio Patinhas 11
  • Quem Tem Medo Do Bicho Papão? – Morcego Vermelho 8 (Republicada)
  • A Lei, Ora A Lei! – Patinhas (Reaproveitada)
  • Zé Bombeiro – Zé Carioca 8

De março de 1977 a setembro de 1977

  • Escalando A Duras Penas – Peninha 8
  • O Dia Do Mascote – Donald 8
  • O Ataque Dos Pés Pretos – Urtigão 9
  • Zorrinho Contra O Abóboras – Zorrinho 8 (Republicada)
  • Zé Crusoé – Zé Carioca 8
  • As Árvores Ambulantes – Patinhas 10
  • A Longa Noite Dos Pernilongos – Zé Carioca 9
  • Em Briga De Cão E Gato… – (Reaproveitada)
  • As Flores Assassinas – Homem Pássaro 8
  • Fantasma do Espaço no Planeta Mithos (Pesquisa e Resumo)
  • Gelo Seco – Pateta ½
  • Pegamos o Pombo! – Esquadrilha Abutre 8
  • Os Homens Leopardos – Tor 9
  • Zé Relâmpago – Zé Carioca (Reaproveitada)
  • A Volta Do Monstrengo – Morcego Vermelho 9
  • Os Mini-Metralhas – Metralhas 11
  • Em Briga De Cão E Gato… II – Donald X Silva 8
  • O Trevinho Da Sorte – Sobrinhos 10 (Republicada)
  • O Planeta Mithos – Fantasma do Espaço 12
  • Um Lixo De Armadilha – Morcego Vermelho 7
  • Um Vizinho Marreta – Zé Carioca 8
  • Os Super Cupins – Formiga Atômica 8
  • Páginas Computadas (Licença) 25
  • Idem (Licença) 68
  • Idem (Licença) 50
  • Idem (Licença) 34
  • A Vaca Invisível – Vaca Voadora (RGE)
  • O Sítio Sitiado – Sítio 18 (RGE)
  • As Garras do Abutre – Falcon 21 (Republicada) (3)
  • O Rapto de Narizinho – Sítio (RGE)
  • Luta Selvagem – Falcon 10 (Republicada) (3)
  • Espoleta, Gabiroba e Pixaim – Espoleta 5 (NB)
  • Triplo Mesmo! – Espoleta 2 (NB)
  • Enganando as Formigas – Espoleta 1 (NB)
  • Espoleta no Circo – Espoleta 10 (NB)
  • O Salto – Espoleta 1 (NB)
  • Páginas Computadas (Licença) 16
  • MK 259 (Não HQ)
  • MK 260 (Não HQ)
  • MK 261 (Não HQ)

De Setembro de 1977 a Dezembro de 1977

  • MK 262 (Não HQ)
  • MK 263 (Não HQ)
  • MK 264 (Não HQ)
  • MK 265 (Não HQ)
  • MK 266 (Não HQ)
  • MK 267 (Não HQ)
  • MK 268 (Não HQ)
  • MK 269 (Não HQ)
  • MK 270 (Não HQ)
  • O Mistério das Múmias – Falcon (Resumo) (3)
  • O Ladrão Misterioso – Pena Kid 5
  • MK 271 (Não HQ)
  • MK 272 (Não HQ)
  • MK 273 (Não HQ)
  • MK 274 (Não HQ)
  • MK 275 (Não HQ)
  • MK 276 (Não HQ)
  • MK 277 (Não HQ)
  • MK 278 (Não HQ)
  • MK 279 (Não HQ)
  • MK 280 (Não HQ)
  • MK 281 (Não HQ)
  • MK 282 (Não HQ)
  • MK 283 (Não HQ)
  • MK 284 (Não HQ)
  • MK 285 (Não HQ)
  • MK 286 (Não HQ)
  • MK 287 (Não HQ)
  • MK 288 (Não HQ)
  • MK 289 (Não HQ)
  • MK 290 (Não HQ)
  • MK 291 (Não HQ)
  • MK 292 (Não HQ)
  • MK 293 (Não HQ)
  • MK 294 (Não HQ)
  • MK 298 (Não HQ)
  • MK 299 (Não HQ)
  • MK 300 (Não HQ)
  • AD 65 (Não HQ)
  • AD 66 (Não HQ)
  • AD 67 (Não HQ)
  • AD 68 (Não HQ)
  • AD 69 (Não HQ)
  • AD 70 (Não HQ)
  • AD 71 (Não HQ)
  • AD 72 (Não HQ)
  • AD 73 (Não HQ)
  • AD 74 (Não HQ)
  • AD 75 (Não HQ)
  • AD 76 (Não HQ)
  • AD 77 (Não HQ)
  • A Caverna do Dragão IV – Escorpião Negro
  • A Volta do Escorpião Negro IV – Homem Pássaro
  • Morcego X Conde Dráculo – Morcego Vermelho
  • Praça da Ironia – Pancada 5
  • PD 1260 (Não HQ)
  • PD 1262 (Não HQ)
  • PD 1264 (Não HQ)
  • PD 1266 (Não HQ)
  • PD 1268 (Não HQ)
  • PD 1270 (Não HQ)
  • PD 1272 (Não HQ)
  • PD 1274 (Não HQ)
  • PD 1276 (Não HQ)

O Planeta Mithos

História do Fantasma do Espaço, escrita e publicada em 1977 na revista Heróis da TV, primeira série, Ano III, Número 29.

Na semana em que a existência de um planeta “semelhante à terra” foi anunciada, esta história vem bem a calhar. A lista de trabalho de papai mostra que, antes de escrever a versão final, ele fez uma pesquisa e resumo com a proposta da trama, e só depois que a proposta foi aprovada escreveu a história como nós a conhecemos.

Em um planeta que consta como “inabitável” nos mapas estelares, o Fantasma do espaço e seus ajudantes encontram uma atmosfera convenientemente rica em oxigênio, rios, montanhas, florestas, e tudo o mais necessário à vida. Estariam os mapas errados? Ou será que algo muito estranho estaria acontecendo?

Descendo à superfície para investigar, eles começam a encontrar diversos seres oriundos da mitologia grega, como centauros, faunos, e até um ciclope e a temida Medusa. O nome “Mithos” é uma referência a mitologia, é claro, bem ao estilo de papai, aliás.

Mithos

Como, exatamente, o planeta foi “terraformado” permanece um mistério, mas o nome do vilão responsável pela proeza é Mutor. Ele é, portanto, um “mutador” (ou “mudador”), um especialista em mutações e ilusões armado com poderosos “raios mutantes” de natureza tecnológica. Nada do que ele cria dura muito tempo, mas a espetacular explosão do planeta inteiro, no final, é algo bem real.

Mithos1

Ainda em 1977 papai escreveu uma história parecida para o personagem Falcon, “As Garras do Abutre”, sobre um vilão que escraviza pessoas com um raio hipnotizante em uma ilha misteriosa, e em 1981 ele voltaria ao tema com a história “Perigo na Ilha”, do Capitão Valente, ambas já comentadas aqui.

Esta história também tem semelhanças com “Os Doze Trabalhos do Morcego Vermelho” e “É de Arrepiar os Cabelos”, também já comentadas aqui, entre outras. Como já deu para perceber, o tema é um dos favoritos dele.

Mithos2

 

A diferença, aqui, é que ele trocou a ilha deserta por um planeta inteiro, e o aviador aventureiro por um astronauta, adicionando uma pitada de mitologia para “temperar”. Já bruxaria e tecnologia são certamente intercambiáveis nas histórias em quadrinhos, ambas com efeitos semelhantes.

****************

Quem ainda não leu está convidado a ler minha biografia de papai, à espera de vocês nas melhores livrarias, não percam:

Marsupial: http://www.lojamarsupial.com.br/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava

Comix: http://www.comix.com.br/product_info.php?products_id=23238

Cultura: http://www.livrariacultura.com.br/p/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-15071096

Monkix: http://www.monkix.com.br/serie-recordatorio/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-serie-recordatorio.html

Os Supercupins

História da Formiga Atômica, publicada na revista Heróis da TV número 26, de 1977.

Aqui papai “recicla” uma história do Superpateta, de 1973, já comentada neste blog. Mas é claro que esta história não é um mero plágio da outra, mas sim mais uma variação sobre o mesmo tema.

Já que não temos superamendoins para carunchar, desta vez papai recorre a um cientista maluco e a três supercupins falantes que têm por missão derrotar a Formiga Atômica e roubar dinheiro do banco, inclusive roendo o concreto da parede, como suas antecessoras fizeram com a Caixa Forte do Tio Patinhas.

FA supercupins

Mas é claro que esses vilõezinhos têm um ponto fraco, e a pista para o leitor atento sobre qual seja ele é o modo de falar dos três, uma repetição cada vez mais abreviada de tudo o que o primeiro diz, como se fosse um eco.

FA supercupins1

O nosso herói, que não é bobo nem nada, logo percebe que ponto fraco é esse, e rapidamente tira os bandidinhos de circulação, para em seguida prender o cientista maluco e salvar o dia, como é o costume dos super heróis, mas não sem antes passar por um último “sufoco”.

****************

Já vocês podem salvar o meu dia comprando a minha biografia de papai, que está à espera de vocês nas melhores livrarias, não percam:

Marsupial: http://www.lojamarsupial.com.br/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava

Comix: http://www.comix.com.br/product_info.php?products_id=23238

Cultura: http://www.livrariacultura.com.br/p/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-15071096

Amazon:http://www.amazon.com.br/Ivan-Saidenberg-Homem-que-Rabiscava/dp/8566293193/ref=sr_1_1?s=books&ie=UTF8&qid=1427639177&sr=1-1

Monkix: http://www.monkix.com.br/serie-recordatorio/ivan-saidenberg-o-homem-que-rabiscava-serie-recordatorio.html

Os Homens-Formiga

História dos Herculóides, publicada pela Editora Abril na revista Heróis da TV 1ª Série – n° 16 em setembro de 1976, 11 páginas.

A trama é fortemente inspirada em “A Guerra dos Mundos“, de H.G. Wells: começa em tom de mistério, e rapidamente os heróis se veem às voltas com uma invasão de temíveis seres alienígenas, uns “formigões” altamente tecnológicos que se dedicam a derrubar todas as folhas de todas as árvores e a atacar com armas potentes quem quer que tente se opor.

Mesmo com todos os seus superpoderes, desta vez os nossos heróis não parecem ser páreo para os vilões. Quando tudo parece perdido o próprio planeta invadido, com seus fenômenos naturais, se encarrega de expulsar seus invasores. A história termina com aquela sensação de “após o dilúvio”, e uma mensagem de paz universal.

Herculoides formigas

Herculoides formigas1