O Talismã Da Sorte

História da Maga Patalójika, de 1975.

Para compor esta história papai se inspirou em outra, de Carl Barks, de 1964, chamada “As Mil Faces de Maga Patalójika”. O elemento adotado é uma poção para borrifar no rosto que faz a vítima adotar a aparência de qualquer outra pessoa para a qual olhe. O uso feito da poção para o plano de roubo é realmente engenhoso, mas é claro que o golpe não poderá dar certo.

Trata-se se mais um plano para se apoderar de algum amuleto de outra bruxa que possa substituir aquele que ela quer fazer com a Moedinha Número Um do Tio Patinhas mas o problema é que, obviamente, as bruxas que realmente têm esse talismã são poderosas demais para a Maga. Ela não tem nem nunca vai ter chance alguma.

Esta mesma ideia foi retrabalhada no ano seguinte em “Os Sete Signos Mágicos”, na qual a maga enfrenta outra bruxa igualmente detentora de um amuleto poderoso ao extremo. Para termos uma ideia dos poderes que a Maga poderia ter se conseguisse realmente roubar a Moedinha do Patinhas, papai nos mostra que a caverna que serve de morada à Madame Mac Bruxa é iluminada pelo próprio amuleto em seu pescoço.

Outro elemento interessante do poder do talismã é o Fogo de Sete Cores que abriga um poderoso Gênio que serve somente às bruxas que o têm (que tem algo a ver com as sete cores do arco-íris e certas teorias misticas sobre as propriedades mágicas dessas cores todas).

E para dar um toque de autenticidade à história, papai coloca discretas referências visuais nas páginas para o desenhista Roberto Fukue passar à tinta: já que a bruxa que vai ser alvo da Maga mora na Escócia, papai mostra a Maga passando por Stonehenge e pela Muralha de Adriano em sua viagem até lá.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Um Mago Tantã

História das Bruxas, de 1975.

Trata-se de mais uma tentativa de roubar a moedinha número um, é claro, e esta é realmente caprichada. Mas, como sempre, um pequeno erro de execução leva a um resultado inesperado logo de saída e à necessidade de improvisar, o que colocará tudo a perder para as vilãs.

O “plano perfeito com erros de execução” é algo que também acontece muito com os Irmãos Metralha, aliás. E é assim também na vida de muita gente: é fácil sonhar e planejar, mas colocar em prática são outros quinhentos. E olhem que as palavras mágicas usadas são realmente uma invocação de antigos mistérios (ou, pelo menos, a primeira delas).

Mas talvez por isso mesmo, e pela força de uma magia real e milenar como a Cabala, o resultado não poderia favorecer às bruxas. Afinal, nas histórias em quadrinhos, a magia é como os computadores: faz o que você manda, não o que você quer. A invocação de uma força do bem não pode resultar em um efeito do mal.

O interessante é que os poderes do Mago Tantã, que acaba de se formar com nota 10 em um curso de magia branca, são perfeitamente prodigiosos: ele consegue voar sem vassoura, e tem um poder de concentração absurdo. Por alguns quadrinhos realmente parece que, desta vez, com a ajuda dele (que está sendo usado como inocente útil, aliás), nada conseguirá impedir as duas malvadas de conseguir o que querem, o que só demonstra o quanto a magia branca é realmente muito mais poderosa do que a magia negra.

E esse é o erro das bruxas más: se elas se dedicassem a usar seus grandes poderes somente para o bem, provavelmente já teriam conseguido o poder mágico e a riqueza material que tanto desejam, sem precisar roubar o amuleto dos outros.

Fica a dica, criançada. 😉

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Presidente Das Bruxas

História das bruxas, de 1975.

Que não há honra entre ladrões, nós já sabemos. O que vamos aprender hoje é que, ao que parece, também não há honra entre as bruxas. Mas o pior, nós veremos, acontece quando misturamos bruxas com ladrões.

A Madame Min teve a ideia de fundar um Clube das Bruxas. A sede do clube, onde acontece a primeira reunião, fica na casa da Madame Min. Mas, mesmo assim, a Min não se sagrará presidente do clube sem antes haver muita discussão.

Para piorar, o Mancha Negra chega de repente e acaba se aproveitando da situação (e da paixonite que a Min tem por ele) para usurpar a presidência do clube e obrigar as bruxas a participarem de assaltos a joalherias. Elas podem até ser más, mas não são ladras, e isso acabará sendo a ruína do Mancha.

min-presidente

Em meio ao androcentrismo da maioria das histórias Disney da época, que às vezes chegava às raias do machismo (essa era a cultura daqueles tempos, infelizmente), esta pode ser considerada até mesmo uma fábula “feminística”: é isso o que acontece quando as mulheres se desunem e dão um poder que deveria ser só delas ao homem errado. Afinal, nem mesmo bruxo ele é. Somente unidas elas poderão reverter a situação e usar as caprichosas “leis da magia” para destituir o “presidento”.

min-presidente1

O interessante, novamente, é ver a velha e boa intuição de papai em ação no comentário sobre se ter “um maluco” como presidente. Como sempre, ele estava 30 ou 40 anos à frente de seu tempo.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Os Espiões Que Entraram Em Fria

História do Zé Carioca, de 1975.

Trata-se de mais um “encontro” de “turmas” diferentes, ainda que os integrantes desses dois universos mal se encontrem.

A Maga Patalójika resolve se mudar do Vesúvio para o Rio de Janeiro (com casa e tudo, diga-se de passagem), mas não consegue despistar os dois detetives (criados em 1963 por Carl Barks) que o Tio Patinhas contratou para vigiá-la. Esta é, aliás, a primeira história brasileira na qual esses dois aparecem. A segunda (e última) história nacional na qual eles são usados data de 1981, mas não é de papai.

Enquanto isso, a Rosinha cismou que o Zé precisa arrumar um emprego imediatamente. Isso, é claro, vai acabar levando a uma situação na qual ele e o Nestor vão substituir os detetives por algum tempo, mesmo sem saber a quem estão vigiando, nem quem é o “patrão” que está pagando pelo serviço. O mais importante, aqui, é “mostrar serviço” para a Rosinha, só isso.

O título da história é uma alusão ao filme de 1965 de nome “O Espião Que Saiu do Frio”, inspirado no livro homônimo de 1963. Além disso é também uma referência aos poderes da Maga, que costuma conjurar tempestades e nevascas quando quer atacar “discretamente” a quem a incomoda.

zc-fria1

Por fim, o detalhe interessante é o curioso telefone sem fio dentro da maleta, um “futurismo retrô” que me parece ser também coisa do Barks mas que, como bons brasileiros trabalhando para uma grande empresa, o Zé e o Nestor vão usar para fins pessoais.

zc-fria

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

O Livro De Bruxarias

História das bruxas Maga e Min, de 1973.

Na verdade, trata-se de uma peça promocional para o Manual da Maga e Min, que estava sendo lançado pela primeira vez naquela época.

São só 3 páginas, mas a confusão entre as bruxas é grande e hilária. Até o Laércio resolve sair de perto, que é para não sobrar para ele.

Interessante é o método de criar palavras mágicas invertendo a ordem das letras. Eu já sabia que grandes artistas do Renascimento, como Leonardo Da Vinci, escreviam seus cadernos de rascunhos de trás para frente para que não pudessem ser lidos facilmente por estranhos, mas é a primeira vez que eu vejo um uso dessa técnica em magia. Talvez seja por isso mesmo que não vai funcionar… 😉

bruxas-livro

A conclusão à qual as duas chegam é a mesma do Professor Pardal, no ano anterior, quando o manual dele foi lançado: já que não há uma publicação à altura de sua genialidade (no caso, os livros de bruxaria das duas já estão velhos e desatualizados, e é por isso que seus feitiços não dão certo), elas mesmas compilarão o manual de magia definitivo, com base em sua vasta experiência no assunto.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

 

A Má Magali

História das bruxas, de 1978.

Toda bruxinha boazinha também pode ter seu dia de malvada, e hoje á a vez da Magali. O expediente usado para “transformar” a menina é um dos clichês mais usados de todos os tempos, mas que nunca sai de moda: a “velha e boa” (só que não) pancada na cabeça.

Aparentemente, este é o único modo de fazer a bruxinha ficar má, porque, como sabemos, de acordo com as “leis da magia” das histórias em quadrinhos, não é possível mudar a índole de alguém por meio de magia. Ou a pessoa se convence a ser má por vontade própria, ou nada feito. E para que o efeito seja apenas temporário, já que não se pode mudar as características dos personagens de nenhuma maneira permanente, uma amnésia passageira é a melhor pedida.

Magali ma

Tudo isso por causa de uma poção que, ainda de acordo com as caprichosas leis da magia, não pode ser exposta à presença de uma pessoa boa. A poção, por sua vez, está sendo preparada para mais um dos frequentes concursos de bruxaria organizados pelo Bruxomestre. E o mais engraçado é que, mais uma vez, todas as participantes inventaram de apresentar um mesmo feitiço velho, cada uma de uma maneira levemente diferente. Assim não há concurso que aguente…

Magali ma1

E hoje temos a primeira (e única, por sinal) aparição de mais uma personagem criada por papai, a Bruxa Malvina. Ela é apenas uma coadjuvante sem muita importância, mas o nome começado com “mal” é bastante sugestivo para uma bruxa brasileira.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

A Ameaça Invisível

História do Tio Patinhas, de 1975.

Esta é certamente uma das mais criativas histórias de papai para as bruxas, e uma da qual podemos extrair também várias noções das tradições da bruxaria “de verdade”.

Depois de mais uma tentativa fracassada de tomar a moedinha do Patinhas, a Maga tem uma ideia ao ouvir a propaganda de um circo que anuncia, como uma de suas atrações, um “homem invisível”. Novamente, a história tem duas fases distintas: uma para a criação da fórmula da invisibilidade e o novo ataque à Caixa Forte, e a segunda sobre tudo o que acontece lá dentro até a derrota final da vilã.

Nossa “lição de magia teórica” começa com os ingredientes da poção: “extrato de estrega” e “penas de Fênix“. Em português, “estrega” é, a rigor, um sinônimo para “esfregar”, mas a tentativa aqui é aportuguesar a palavra “Strega“, que é uma referência à bruxaria tradicional italiana. Dada a conexão da Maga com o vulcão Vesúvio, nada mais natural. E é, também, o nome de uma famosa marca de deliciosos licores.

Além disso, temos também a noção da substituição de ingredientes mágicos, que funciona mais ou menos como aquelas substituições um tanto amalucadas de ingredientes e temperos de uma certa nutricionista morena que virou meme nas redes sociais. Em magia, a ideia é a mesma: se não há um determinado ingrediente à disposição, ele pode ser substituído por algo semelhante, ou que tenha a mesma “vibração”.

Maga invisivel

Por fim, vemos que o Patinhas resolve combater fogo com fogo e contratar um caçador de bruxas para lidar com a ameaça dos ataques. Mas isso o leitor só vai saber mais tarde, porque a princípio ele se parece com tudo, menos com a imagem que fazemos de um bruxo. Disso aprendemos que nem todos os magos e bruxas andam por aí o tempo todo com roupas esquisitas e voando em vassouras.

Maga invisivel1   Maga invisivel2

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook