O Menino Lobo

História da Fofura, de Ely Barbosa, publicada na revista Turma da Fofura número 15 em agosto de 1988.

A trama é uma síntese de todo o folclore sobre lobos na literatura, com “toques” de Mogli, Pedro e o Lobo e até mesmo Lobinho e Lobão, da Disney.

A “turba” de coelhos enraivecidos que persegue o menino lobo lembra algo saído de uma história de terror de caça a vampiros ou bruxas, mas é também um elemento do profundo medo desses terríveis animais que está enraizado na cultura européia, principalmente em áreas rurais, de onde vem também a história de Pedro e o Lobo. A saída do menino de casa, não para caçar, porque não caberia na proposta da Turma da Patrícia, mas para desarmar armadilhas de caça também lembra a mesma história.

Já a questão de ele ter se perdido na floresta e ido viver com os lobos é claramente uma referência à história de Mogli, o Menino Lobo, de Rudyard Kipling.

A coisa toda vai sendo trabalhada sempre com uma “pegada” ambiental, de condenação à caça e conservação da floresta e de seus animais, e é aí que entra também a referência a Lobão e Lobinho, já que o caçador malvado é na verdade pai do Menino Lobo (e não avô da criança, como em Pedro e o Lobo). Afinal, sabotar a caça aos Três Porquinhos é um dos “esportes” prediletos do Lobinho.

Por fim, temos a “conversão” do caçador malvado em protetor e veterinário dos bichos da floresta. Isso me lembra bastante uma história de Waldyr Igayara publicada (juntamente com A Tristeza da Cuca, já comentada aqui) na Revista Recreio 154 de 1972 chamada “Nina, a Enfermeira da Floresta”.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

A Verdurite Aguda

História do Lobão, de 1973.

Este personagem mau e seu filho bonzinho estão sempre em um conflito velado que se expressa em seus hábitos e preferências. Mas mesmo tendo personalidades opostas, os dois não podem realmente brigar e se desentender de forma definitiva, por causa do código de ética Disney que protege sua condição de “família” até às últimas consequências.

Enquanto o Lobinho prefere uma dieta vegetariana, coisa incomum para um lobo, o Lobão não se conforma com a situação e deseja comer costeletas de porco. Para tentar conseguir o que quer ele até mesmo fingirá uma doença e recrutará um velho amigo dos temos de escola, este tão mau quanto ele, para ajudá-lo.

“Verdurite”, no entender do Lobão, seria um mal súbito que acomete seres carnívoros que se alimentam somente de verduras, e em especial de sopa de lentilhas com cenoura, que parece ser tudo o que o Lobinho sabe cozinhar. O sufixo “ite”, em medicina, é uma referência a doenças agudas e passageiras, como uma inflamação, por exemplo. Portanto, o uso que pepei faz dele para sua doença inventada está correto.

O “colega” do Lobão, de nome Lobório, é invenção de papai. Ele não aparece em nenhuma outra história, nem anterior nem posterior. Mas, apesar de tudo, é óbvio que o plano não pode dar certo. Isso o leitor já sabe. O interessante, como sempre, será ver exatamente como.

lobao-verdurite

As histórias destes dois personagens são uma reflexão sobre os laços que unem pais e filhos, e uma exortação à tolerância e à coexistência entre as pessoas, por mais diferentes que elas possam ser umas das outras. No conceito Disney de ser, o ser humano ideal é aquele que controla seus impulsos e vive uma vida regrada e harmoniosa, evitando a violência a qualquer custo, mesmo que isso signifique ir contra sua própria natureza de “predador”.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

 

Um Lobinho Quase Feroz

História do Lobão, de 1974.

Desde o ano anterior, na história “Mal Me Quer, Bem Me Quer” e até 1984, dez anos depois, em “O Feitiço Da Vila”, ambas já comentadas aqui, papai brincou com a ideia do “feitiço da inversão de personalidades”, a cada vez de uma maneira um pouco diferente.

O leitor atento vai saber que alguma coisa está muito errada logo de cara, quando uma mão a princípio desconhecida aparece na janela logo no primeiro quadrinho, e em seguida coisas estranhas começam a acontecer sem motivo aparente.

Lobinho feroz

A história é curta e a solução é bastante simples, mas o importante na trama é mesmo essa inversão de papéis, que é outra coisa que papai gostava de fazer em suas histórias para o Lobinho, aliás. Em “Papéis Trocados”, outra história já comentada aqui, ele explora bastante esse tema do “Lobinho mau”.

No final das contas, a coisa toda era para ele quase um exercício em psicologia: era colocar diferentes personagens mais ou menos na mesma situação para ver, quase como se eles tivessem vida própria, como eles reagiriam, sempre respeitando as personalidades atribuídas a eles nas descrições que vinham da editora, anotadas em folhas impressas para que os argumentistas pudessem consultar e não se desviassem demais do estilo predefinido.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Um Professor Do Peru

História do Lobinho, criada em 1974 e publicada pela primeira vez em 1978.

O Filhote do Lobão está participando de um “curso de férias”, e ao ver que o professor é um peru, e que os outros alunos além de seu filho são três peruzinhos e dois dos três porquinhos, o vilão resolve tentar transformar a classe em um belo guisado de peru com porco.

Ele até se disfarça para evitar chamar a atenção, mas o Lobinho conhece o pai que tem. Além disso, o Lobão se esqueceu de perguntar que curso é esse, e essa será a falha em seu plano maligno e a sua ruína.

lobao peru

No título da história papai faz um jogo de palavras que flerta com o perigo, já que a expressão “do peru” em Português tem conotações nada inocentes, além de ser também um tipo de elogio, mais ou menos na mesma linha pouco inocente.

Décadas mais tarde o desenho animado Os Simpsons usaria um expediente parecido, onde um cachorro é chamado de “son of a bitch” sem que a cena pudesse sofrer censura (o famoso Bip no áudio), porque não há como negar que um cão é mesmo, sem sombra de dúvida, o filho de uma cadela. Chamar a uma pessoa disso é uma ofensa, mas chamar a um cão da mesma coisa não é.

Ao retratar o personagem do professor como o pássaro peru, papai “esvazia” a expressão para o leitor mais ingênuo, ao mesmo tempo confiando na inteligência do leitor mais malicioso. Cada um entenderá o título da história como quiser. Ou, como se diz por aí, a malícia está nos olhos de quem a vê. Desse modo, papai ia inserindo em suas histórias pequenas “transgressões” ao estilo Disney, que ele achava um pouco “puritano” demais às vezes.

Digna de nota é também a cidade de origem do professor, Perusópolis. Um possível mapa das cidades vizinhas a Patópolis mostraria nomes como Gansópolis, Cisnópolis, Patetópolis, e agora também Perusópolis. Patópolis já está parecendo menos com uma “cidade estado”, e mais como a principal cidade de uma região metropolitana, mais ou menos como era (ainda é) a cidade de Campinas, onde morávamos e onde papai criava.

Papéis Trocados

História do Lobão e os Três Porquinhos, publicada pela primeira vez em 1974.

Em mais um plano para tentar pegar os Porquinhos e ganhar algum respeito dos outros membros do Clube dos Malvados, o Lobão resolve “trocar de filhotes” com um amigo. A intenção é usar o “lobinho do mal” para se aproximar dos amiguinhos do seu próprio filhote e pegá-los de surpresa.

Lobao malvados

Ele convence o Lobinho a ir passar uns dias na casa do amigo, e logo depois recebe o (que ele pensa ser) o outro, um tal de Lupercinho (se o filhote do Lobão é o Lobinho, parece lógico que o nome do filhote do amigo chamado Lupércio seja Lupercinho. Note-se, aliás, que o nome “Lupércio” é uma derivação da palavra “Lobo” – Lupus – em Latim).

Lobao Lupercinho

O plano parece estar indo bem, e com a ajuda do pequeno, o Lobão consegue finalmente invadir a casa dos Porquinhos e ensacar dois deles. É aí que, numa reviravolta de 180°da trama, o que até agora parecia ser o Lupercinho se revela como o Lobinho disfarçado.

Lobao Lobinho

A explicação é que ele se encontrou na estrada com o seu pretenso sósia, que vinha na direção contrária, e descobriu o plano, voltando então para ajudar os seus amigos contra o seu pai.

Lobao Lobinho lupercinho

A ideia é boa, mas eu acho que o desfecho da trama poderia ter sido explicado um pouco melhor. De qualquer maneira, é a realização de todos os sonhos do Lobão. Ele finalmente consegue capturar os Porquinhos, mesmo que só por algum tempo.