O Poderoso Metralhão

Esta é a última história da série A História de Patópolis, publicada pela primeira vez em 1982.

A saga da Pedra do Jogo da Velha chega ao fim nos anos 1930, em uma Patópolis muito parecida com a Chicago da mesma época, tomada por gangsteres e pelo crime organizado.

Apesar da semelhança com a quadrilha Metralha, o vilão chamado Al Metralhone não é um antepassado do Vovô Metralha. Como vimos em outra história de mesmo nome da série Metralhas Históricos que já trata desse personagem, ele é um tio dos Metralhas atuais.

O nome dele é uma referência a Al Capone e, como ele, o Metralhone andava sempre na tênue linha entre legalidade e ilegalidade, entre roubos e a exploração do jogo (e principalmente o da velha, é claro). Como ele, também, será preso por algo que não tem lá muito a ver com o atos de violência que comete pela cidade.

metralhone1

Papai “costura” a história de uma maneira inusitada: ela começa com uma ação dos bandidos para roubar uma banca de frutas. Em seguida ficamos sabendo que o Metralhone está atrás de jabuticabas (fruta que era, aliás, a predileta de papai). Na continuação, vemos um alambique ao fundo, e por fim ficamos sabendo o que é produzido ali: licor de jabuticaba!

metralhone

Em nenhum momento papai fala explicitamente sobre a Lei Seca nos EUA, mas quem conhece um mínimo de História vai finalmente conseguir unir os pontos.

metralhone2

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

O Poderoso Metralhão

História dos Irmãos Metralha, de 1975.

Da série “Metralhas Históricos”. Desta vez a referência é ao filme “O Poderoso Chefão”, de 1972. Assim, o “Poderoso Metralhão” seria um tio dos Metralhas atuais.

Mas, apesar da aparência, com terno riscado de alfaiataria, monóculo e bochechas caídas, a semelhança com a máfia italiana para por aí. Também não fica claro que tipo de crime esse “Metralhão” praticava com seu bando. Tudo o que se sabe é que ele era procurado pela polícia na Patópolis dos anos 1920, mas tinha muita prática em fugir e se disfarçar.

metralhao

Ao que tudo indica, ele era tão pé de chinelo como todos os outros Metralhas através da História, praticando pequenos assaltos por onde passava. O modus operandi aqui é se infiltrar em festas e outros eventos com muitos participantes e se aproveitar da descontração e distração dos incautos para roubar à mão armada.

O método de fuga e local de esconderijo são quase perfeitos, e o principal plano de assalto, como sempre, é bom. Mas é claro que, com o 1313 (que na verdade é um tio do Azarado que conhecemos) por perto, nada pode dar certo. Um erro crasso, daqueles bem bobos mesmo, será mais uma vez a ruína do bando, para a diversão do leitor.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon