O Norte Contra o Sul

História do Pena Kid, de 1976.

Esta é uma brincadeira com a Guerra Civil nos EUA. Pode ser considerada também um manifesto pacifista, ou uma sátira que tenta demonstrar a inutilidade de todas as guerras. “Norte Contra Sul” é também o nome de um livro, de autoria de ninguém menos do que Julio Verne.

A premissa é bastante logica: se a história se passa no Velho Oeste, em algum momento a cidade de Pacífica City deve ter se visto envolvida no conflito. Esta é a primeira desvantagem das guerras em geral: se os governantes decidem que o país está em guerra, todos os habitantes serão envolvidos, queiram ou não. Em tempos de paz é muito fácil ser pacifista, mas isso pode não ser tão simples em épocas de conflito.

Outro problema é que lado tomar, já que não há alternativa. E esta é outra das desvantagens de uma guerra: é obrigatoriamente preciso tomar um partido, mesmo que isso signifique ter de ver seus amigos ou entes queridos do outro lado. Aqui, enquanto os personagens decidem de que lado ficar, vemos as caricaturas de alguns membros da redação. Um deles, inclusive, chega a ser preso só por achar os uniformes azuis mais bonitos do que os cinza.

pk-nxs1

Em seguida, juntamente com a suposta localização de Pacífica City no mapa, vemos um importante detalhe geológico. A cidade fica às margens do “Rio Colorido”, em uma alusão ao “Rio Colorado“, que corta cinco estados na região mais desértica dos EUA. Desses, só o Arizona ficou do lado dos sulistas. Se Pacífica City realmente existisse no mundo real, eu arriscaria então dizer que ela ficaria em algum lugar às margens do Lago Powell, entre Utah e Arizona. Mas os mapas antigos podiam ser bastante imprecisos e isso, em época de guerra, também pode ser um grande problema.

pk-nxs2

Por fim, meu “mui modesto” (sqn) papai também deixou uma anotação no alto da primeira página. Mas enfim, ele era realmente um gênio, e tinha todo o direito de mandar a modéstia às favas de vez em quando.

pk-nxs

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Anúncios

O Disfarce Mais Rápido Do Oeste

História do Pena Kid desenhado pelo Peninha na redação de A Patada, de 1976.

Vamos, primeiro, aos trocadilhos e demais referências recorrentes nas histórias de papai para este personagem: ele tentava sempre citar mais ou menos os mesmos lugares como sendo a região onde as histórias acontecem. Assim, o “Desfiladeiro do Grande Canhão” é mencionado mais uma vez, como local de esconderijo do vilão.

Além disso, se o leitor olhar bem, poderá ver as estacas que escoram algumas das construções menos importantes da cidade, que na verdade são apenas fachadas, como em um set de cinema. (Seria interessante, aliás, se alguém tentasse fazer um mapa de Pacífica City e seus arredores, semelhante aos que existem para Patópolis).

Já o nome do vilão mestre em disfarces, “Kid Sfarce” é, obviamente, um jogo de palavras com “que disfarce”. Nos cartazes nas paredes da delegacia, mais piadas do mesmo tipo. Temos um “Kid Bananeira”, cujo cartaz faz o leitor até querer virar a revista de ponta cabeça, e um certo “Juan, El Horrible”, cujo nome pode ser traduzido do “portunhol” para “Ivan, o Terrível”. Além de ser o nome e alcunha de um antigo imperador russo, é também uma maneira velada que papai encontrou para “assinar” esta história que é, decididamente, uma obra prima.

PK disfarce   PK disfarce1

É nela que aparece a famosa cena do “tire esse lago daí”, que cito em meu livro, por exemplo.

PK disfarce2

Enquanto isso o Peninha, em sua função de desenhista de quadrinhos, está especialmente “atacado” hoje, alfinetando a todos na redação. Primeiro faz o banqueiro Patatinhas perder todo o seu rico dinheirinho, para desgosto do tio e patrão Patinhas, e depois começa a pegar no pé do primo Donald. Só que, aqui, a história tem uma reviravolta inesperada, e o comportamento do “grande quadrinista” Peninha muda de acordo.

PK disfarce3   PK disfarce4

O interessante é que a suposta trama principal, uma bastante óbvia perseguição a um bandido também bastante óbvio, é o que menos importa no meio de toda essa sátira sobre o processo de criação de uma história em quadrinhos. Mas isso não quer dizer que o desfecho não será tão hilário quanto surpreendente.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

A Conquista Do Oeste

História do Pena Kid, de 1983.

O Inducks nos diz que esta é a primeira história do Vingador do Oeste que é desvinculada da série “Histórias em Quadrinhos na Redação de A Patada”. O interessante é que ela foi escrita três anos antes de sua publicação. Disso, eu concluo que esta mudança pode muito bem ter sido uma sugestão de papai, mais do que um pedido da redação, ao contrário da transformação do Alazão de Pau em cavalo de verdade (mas isso já é outra história).

Aqui papai nos conta sobre o “desbravamento” do Oeste, e as origens da fundação de Pacífica City, mais ou menos nos moldes da origem do Alazão de Pau, por exemplo.

Começa com o Pena Kid, no estilo “cavaleiro solitário” atravessando o deserto enquanto canta “Oh Suzana” sendo contratado por um grupo de pioneiros em seus carroções para afugentar índios com sua, bem, música. Até uma certa lesma parece ter sido posta para correr. A letra cantada por ele é diferente das mais tradicionais, mas até aí, essas canções folclóricas podem mesmo ter muitas versões (se bem que esta letra em particular é uma “composição original” do Mestre Said em pessoa).

Pena Kid Oh Suzana

A história pode ser dividida em várias partes. Na primeira, o Oeste é chamado de “bravio”, e os pioneiros têm a missão de passar pelos índios para chegar lá. Por um pedágio montado pelos índios Pés Chatos (o que parece ser uma homenagem a Humpá-Pá, de Uderzo & Goscinny), mais exatamente.

Encontrada uma área apropriada e fundada a cidade, entramos numa segunda fase, onde o Oeste é chamado de “desbravado”, só por causa da existência da cidade à qual o Pena Kid dá o nome de Pacífica City. Logo de cara aparece o Zé Cejames (Jesse James), a quem o nosso herói enfrenta e vence, literalmente no grito.

Pena Kid Oleriqui

Mas a cidade é feita só de fachadas, como num filme de faroeste tipo B, e o bandido acaba fugindo da cadeia. Aqui começa a terceira parte da história, onde o Pena Kid se embrenha nos “confins do Oeste” e enfrenta seus muitos perigos, voltando de lá meio chamuscado (quarta parte), é verdade, mas trazendo consigo seu primo e ajudante de xerife Donald Kid, cuja origem é desta maneira também explicada.

As páginas estão recheadas de referências ao Velho Oeste dos EUA, aos filmes e às suas figuras históricas.

Assim, além da canção clássica, que se refere também à época da Corrida do Ouro (e que o Tio Patinhas conhece bem), e do bandido, temos menções a Pancho Aldeia (Pancho Villa), aos chefes indígenas Touro Sentado, Pé Grande (Bigfoot) e Cavalo Louco, e ao general Custo (Custer) do lendário Sétimo Regimento de Cavalaria.

Pena Kid Chefes Indigenas

A ameaça do índio, que menciona a curva de um rio, é uma referência ao Best Seller de 1970 (e subsequente filme) “Enterrem Meu Coração na Curva do Rio”, que pela primeira vez conta a história da Conquista do Oeste do ponto de vista dos índios americanos, que foram os grandes conquistados nessa história toda.

Pena Kid Curva Rio