A Escola de Samba (Inédita)

História do Zé Carioca, composta em Israel em 19/03/1993 como parte da última fase da produção.

Esta pode ser considerada mais uma das “histórias-testamento”, juntamente com “As Caçadoras da Arca Perdida”. Ela versa sobre o Grêmio Recreativo e Escola de Samba Unidos de Vila Xurupita, e sua crônica falta de fundos.

A situação apresentada no “splash panel” é a mais trágica possível, mas (porque os bons não podem se dar tão mal assim em uma história Disney) a solução criativa encontrada para desfazer a injustiça levará a um desfecho muito melhor do que o esperado, com direito até a desfecho apoteótico e quadrinho de página inteira no final.

Os vários turistas estrangeiros que chegam à “escola” de samba para pedir (e pagar!) por aulas são um reflexo da vivência de papai em Israel, onde se pode ter contato com pessoas de várias partes do mundo, e da falta de conhecimento delas mesmas sobre o Brasil e a cultura brasileira. Muita gente no exterior realmente acredita que se ensina samba nas “escolas” de samba, a qualquer um que se inscreva em um curso.

Outras referências são o “Carnaval da Mamãe Eu Quero”, música famosa lançada por Carmem Miranda em 1937. Ou seja, “mil novecentos e minha avó mocinha”, e outras expressões similares. Quer dizer, faz um tempão.

A menção a “Rio de Janeiro, França e Bahia” é uma referência a “Europa, França e Bahia”, frase de “Macunaíma” de Mário de Andrade, de 1927.

É a última das inéditas que faltava comentar, porque o papel é um pouco grande demais para o meu scanner. Por isso, tive de levar para escanear em uma gráfica. Mas ai está:

Tição Acordado – Inédita

História do Zé Carioca, composta em 06 de agosto de 1993 e nunca publicada.

Ela é inspirada em uma história do Urtigão de 1993. Esse fato está inclusive anotado na margem da primeira página. Isso, por algum tempo, me levou a crer que ela também seria de papai. Mas agora penso que talvez não seja, não tenho certeza.

Em todo caso a noção do tição mágico é interessante, e parece ter algo a ver com as tradições da festa de São João no Brasil. Isso “casa” bem com o estilo de papai, sempre interessado em folclore e magia popular.

Ele gostou tanto da ideia que resolveu aproveitá-la para outros personagens, como já havia feito no passado com outros objetos mágicos, começando com os superamendoins e chegando até o Ídolo de Jade, por exemplo.

Interessante é o “método Zé Carioca” de fazer uma feijoada, em um caldeirão que parece coisa de bruxa, como se fosse uma poção ou uma sopa. Apesar de pouco realista, esse estilo de “cozinhar” faz uma boa imagem nas páginas impressas. Esta é, também, a penúltima história de papai e a última onde aparece toda a turma.

As bruxas são desconhecidas, um bando de quatro, talvez até meia dúzia delas, sem nomes, nunca vistas antes nem depois em histórias Disney. Papai talvez usasse bruxas mais conhecidas. Mas assim mesmo as “leis da magia” tradicionais se aplicam. Mesmo tendo feito a mágica e tendo direito ao atendimento do desejo, a turma da Vila Xurupita vai ficar sem ele, pois esse é um método “anti ético” de se conseguir as coisas.

A pista dada ao leitor de que as coisas não vão sair como eles gostariam aparece no final da página 09 e no início da última. Mas isso leva também à inutilização do tição como ferramenta das bruxas malvadas, colocando um ponto final na “carreira” do objeto mágico. No fim, não fica nem para a turma do bem, nem para a do mal.

TA01 TA02 TA03 TA04 TA05 TA06 TA07 TA08 TA09 TA10

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Zé Carioca e os 7 Anões Maus – Inédita

História do Zé Carioca, composta em 31 de julho de 1993.

Naqueles tempos, a ordem era “atualizar” o Zé. Colocaram nele um boné, calçados esportivos nos pés, jeans, camisetas coloridas, propuseram que ele falasse mais em gíria… e pediram a papai para continuar na mesma linha.

E ele tentou, sinceramente, fazendo o que podia, apesar de já estar fora do Brasil há muitos anos e não estar mais atualizado com coisas como gírias, por exemplo, que vivem mudando. As notas nas margens desta história evidenciam essa dificuldade. (A gíria “bái”, aliás, na página 9, do inglês “Bye” de Goodbye, é uma gíria mais da criançada israelense do que qualquer outra coisa).

Aqui temos, também, a última e derradeira aparição da Anacozeca em histórias de papai. Eles não levam uma surra, exatamente, como em histórias anteriores desta série, e até (pensam que) conseguem cobrar o Zé, mas acabam se dando mal, como sempre. Hoje temos também a renovada revelação de Rocha Vaz como chefe da turma de cobradores. Isso era algo que papai inventou inspirado em filmes de espionagem, mas de que depois meio que se arrependeu. Em todo caso ele nunca parou, realmente, de usar essa ideia.

A história em si é mais um daqueles cross-overs de personagens de “universos” diferentes. Hoje o tema é magia, e o primeiro quadrinho, à primeira vista, faz com que pareça que o Zé virou algum tipo de aprendiz de feiticeiro, mexendo um grande caldeirão.

Na verdade é bem o contrário: são os feiticeiros (ou, mais acertadamente, ladrões de livros de magia) que se tornam “aprendizes de Zé Carioca”, com todas as hilárias consequências disso.

Por fim, a aparição do Mago Mandrago, como sempre acontece nas histórias dos 7 Anões Maus, vem restaurar a ordem natural das coisas. O Mago pode não ser uma figura lá muito simpática, nem exatamente bondosa, mas ele certamente é justo, e isto basta.

Papai o usou para devolver a trama ao início, como gostava de fazer. Desse modo os personagens voltam à estaca zero, na mesma situação em que estavam no primeiro quadrinho, já que a ética das histórias de magia impede que os personagens ganhem algo permanente ou definitivo por meios “desleais” para com os outros pobres mortais.

ZC7AM01 ZC7AM02 ZC7AM03 ZC7AM04 ZC7AM05 ZC7AM06 ZC7AM07 ZC7AM08 ZC7AM09 ZC7AM10 ZC7AM11

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Invasores e Cobradores – Inédita

História do Zé Carioca, composta em 19 de julho de 1993 e nunca comprada ou publicada.

Ela na verdade se parece um pouco com a história chamada “Os Invasores”, de 1984, já comentada aqui, que foi a última história deste tipo escrita por papai e publicada oficialmente.

Mais uma vez, depois de muito conspirar, os perigosos alienígenas transmorfos resolvem colocar em prática seu plano maligno de invadir a Terra. Novamente, eles vão pousar justamente na Vila Xurupita. E de novo, se deparam com o Zé e o Nestor, e tomam a aparência e o lugar deles. Além disso, como sempre, eles não têm a menor capacidade de entender a cultura e os costumes, e se acham superiores a todas essas coisas “primitivas”.

Para complicar, papai reabre a “Escola de Heróis” e ainda por cima convoca os cobradores da Anacozeca, só para chatear. Como se não bastasse, ao que parece, está todo mundo sem dinheiro na Vila, porque a cada vez que os terráqueos avistam notas “dando sopa” é um deus-nos-acuda. E como se tudo isso não fosse o suficiente para criar a maior confusão e fazer o leitor rir, papai usa liberalmente uma cacofonia de palavras e onomatopeias de sons terminados em “um”, como “fium”, “zum” e outros, que só adicionam à confusão e à graça da coisa toda.

ZCInvasores03

É uma espécie de “apanhado” e “concentrado” final das outras histórias da série, a tentativa de invasão definitiva, a invasão para acabar com todas as invasões. Interessante é a similaridade das cenas onde o invasor disfarçado de Zé enfrenta os Anacozecos. É só pena que voa.

IC01 IC02 IC03 IC04 IC05 IC06 IC07 IC08

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Minha Vida Tá No Gibi! – Inédita

História do Zé Carioca, escrita em 26 de maio de 1993, e nunca comprada pela Abril.

Lápis na mão direita, esquadro no papel sob a mão esquerda, a borracha do lado, ao alcance da mão… Eu conheço bem a imagem no “splash pannel”. Era papai em ação.

Esta é a primeira de três “histórias-testamento”, por assim dizer, que ele escreveu nesta série de inéditas, talvez já pressentindo que não teria mais muitas chances de trabalhar com os personagens Disney. A condição de freelancer era bastante incômoda para ele. A ideia de que a qualquer momento as encomendas poderiam cessar o contrariava bastante. Assim, ele acabou colocando nessa última série muitas das coisas que ele sempre quis ver em suas histórias, mas nunca pode fazer antes.

O jogo de palavras “tá no gibi, não tá no gibi”, usado em pelo menos duas das histórias desta série, é uma referência a uma antiga gravação dos Originais do Samba cujo refrão é: “Herói sou eu, irmão / Herói sou eu, aqui / Dou um duro danado / E não saio no gibi”. A canção é uma brincadeira com os heróis dos quadrinhos e também uma ode ao homem comum, que trabalha muito, mas nem sempre recebe o reconhecimento merecido.

Em algumas das margens temos algumas anotações de papai ao desenhista, onde ele pedia que os quadrinhos que representavam as memórias do Zé fossem desenhados “sem cores”, para tornar mais clara a distinção entre “passado” e “presente”.

A história toda é uma homenagem aos amigos e colegas Carlos Herrero, Roberto Fukue e Júlio de Andrade Filho, além de ser uma retrospectiva dos momentos marcantes da “vida” do personagem. Assim, temos referências a histórias anteriores, como “A Infância Do Zé Carioca”, já comentada aqui, à cena na qual o Zé conhece a Rosinha, e até uma menção à Anacozeca.

O final da história é uma maneira que papai encontrou de “castigar a si mesmo” por ter revelado um dia que o próprio Rocha Vaz era o chefão da Anacozeca, coisa da qual ele se arrependeu depois. O problema é que talvez pegue um pouco mal pro Júlio… Peço desculpas desde já.

VG01 VG02 VG03 VG04 VG05 VG06 VG07 VG08

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

A Luta Do Século

Mais um dos planos mirabolantes do Zé Carioca, esta história publicada pela primeira vez em 1979.

Esta aventura começa com uma discussão entre o Pedrão Feijoada e o Tião Montanha, um personagem que aparece em apenas duas histórias e cuja principal função é ser alto e forte. A discussão entre eles é por algum motivo irrelevante, do tipo “é-não-é, foi-não-foi”, mas atrai um bando de curiosos, desejosos de ver a briga pelo potencial “espetáculo” que ela proporcionaria.

É aí que o Zé Carioca tem mais uma de suas ideias “geniais” para tentar ganhar uma graninha com pouco esforço. A ideia de promover uma luta de boxe entre os dois amigos até que não é ruim, afinal, muitas carreiras nos esportes de lutas muito provavelmente começaram assim. Os próprios esportes de lutas muito provavelmente começaram assim. Há quem goste de assistir a esse tipo de selvageria coisa, e esteja disposto a pagar pelo “privilégio”.

ZC curiosos

O Morro do Cantagalo, citado pelo Tião Montanha como sendo o lugar onde ele mora, faz parte do complexo do Pavão-Pavãozinho, no Rio De Janeiro. Isso só vem a reforçar a minha teoria que o “Morro do Papagaio”, onde fica a Vila Xurupita e a casa do Zé Carioca, seja uma alusão ao Morro do Pavão, na entrada do qual ficava o bar que papai frequentava quando ia às reuniões na redação do Pasquim, para conversar com as pessoas e recolher ideias para suas histórias.

ZC Tiao

A nota interessante vai para a faixa que anuncia a luta, com seu humor sutil. A história já seria engraçada o bastante sem ela, mas os detalhes certamente fazem toda a diferença, na maioria das vezes

ZC Faixa

Interessante também a importância dada ao figurino do Zé ao longo da história. Nos primeiros quadrinhos ele está vestido com uma simples calça azul e blusa branca de gola olímpica e mangas compridas, mas no dia da luta se veste “à altura da ocasião”. Essa abordagem do personagem, aliás, é quase “clarividente” e está bastante alinhada com o que o Paulo Maffia andou descrevendo para a nova fase das histórias do Zé, na qual os argumentistas e desenhistas poderão representá-lo com qualquer uma de suas aparências, de acordo com a ocasião.

ZC Roupa