A Fazenda Modelo

História dos Irmãos Metralha, de 1981.

Uma “fazenda modelo”, por definição, é uma instalação agrícola cuja estrutura e métodos servem de exemplo (ou modelo) para outras. Há fazendas desse tipo que prestam serviços, como o de locação para festas e eventos, outras são centros de acolhimento de animais abandonados e outras ainda praticam várias formas de agricultura experimental.

A fazenda onde meu avô, pai de papai, trabalhou como engenheiro agrônomo em Tietê/SP e onde meu pai passou parte da infância era uma dessas fazendas experimentais nas quais árvores frutíferas de todos os lugares do mundo eram aclimatadas para cultivo em grande escala no Brasil.

Já a fazenda do Tio Patinhas, que será atacada hoje pelos Metralhas, é uma fazenda experimental em um sentido mais tecnológico: em mais uma “profecia futurista” de papai, todo o trabalho, do plantio à colheita, e incluindo os cuidados com os animais e a ordenha do leite, é feito por máquinas e robôs autônomos de tipos variados. As fazendas atuais, aliás, já estão quase lá, com muitas de suas atividades feitas por grandes máquinas.

Dentre essas máquinas todas o destaque vai para o robô gigante de nome Ciclópton, que serve de segurança do local. Assim, enquanto as outras são programadas apenas para trabalhar, mas não para se defenderem ou reagirem se forem atacadas, o robô de um olho só faz o “trabalho sujo” de montar guarda e lidar com ladrões.

Papai deixa claro que a referência é à mitologia grega e à lenda de Ulisses: durante a Odisseia, a épica viagem de volta para casa depois da guerra de Troia, o herói e sua tripulação vão dar com os costados em uma ilha habitada por gigantes devoradores de homens de um olho só chamados Ciclopes. Para não servirem eles também de comida de gigante, os marinheiros primeiro cegam o gigante, ferindo seu único olho, e depois se agarram aos carneiros criados pelo monstro para conseguirem sair da caverna onde estão presos.

Assim, o plano é usar disfarces de ovelha para tentar entrar na fazenda, na esperança de conseguir enganar o robô. Mas é só esperança, mesmo: é óbvio que o plano vai dar espetacularmente errado, para a diversão do leitor.

Esta história contém também uma das piadas recorrentes mais engraçadas que eu já vi nas histórias de meu pai: cada pessoa que tenta contar as ovelhas cai no sono imediatamente. Primeiro o Donald, e depois o Tio Patinhas. E se acordam e tentam contar as ovelhas de novo, caem no sono outra vez, todas as vezes. Isso, é claro, não é somente mais uma piada engraçada, mas terá uma função decisiva no desfecho da trama.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Anúncios

A Feiticeira Eletrônica

História da Maga Patalójika, de 1975.

Apresentando “Bruxax”, o bruxo robô computadorizado, este é mais um engraçado exercício em tecnofobia. Mas o fato é que, apesar de tudo, o tema desta história também é bastante profético. (E sim, apesar de ainda não estar creditado no Inducks, esta história é de papai.)

Dizem os atuais futuristas que, em 20 anos, mais ou menos, metade das profissões que temos hoje já serão exercidas por robôs e que 95% dos carros nas ruas serão autônomos. Ninguém mais precisará levantar caixas pesadas em almoxarifados, fazer tarefas perigosas em indústrias, tirar carteira de motorista, ou mesmo ter um carro particular em casa. Quem viver, verá.

Mas a verdade é que, já agora, neste exato momento, muitos sites especializados em direito, por exemplo, contam com robôs para responder perguntas simples (ou vocês achavam mesmo que há um advogado de plantão o tempo todo do outro lado da telinha só esperando alguém acessar a caixa de diálogo “fale com um advogado”?).

A própria Internet é a maior biblioteca de todos os tempos, com milhões de conteúdos sobre todos os assuntos que qualquer pessoa pode consultar a qualquer momento, sem nem mesmo sair de casa. Se bem que papai colocou na biblioteca cheia de traças da Maga alguns volumes interessantes, como um tomo sobre Kabala.

E para profissionais de muitas profissões que se baseiam na consulta constante a livros, como tradutores, escritores, médicos, os já citados advogados, professores, historiadores, etc. etc., hoje em dia já é mais fácil e rápido encontrar esses conteúdos auxiliares online. Isso, enquanto os próprios conteúdos ainda não são capazes de fazer o trabalho por si sós, tornando os profissionais humanos redundantes.

Os trabalhos que sobrarão para os humanos, em 30 anos, serão as artes e as humanidades, para os quais as máquinas não terão “alma” e sensibilidade suficientes. A própria bruxaria, no exemplo desta história, apesar de contar com uma biblioteca virtual armazenada em um grande computador e fornos elétricos e alambiques industriais no lugar do velho caldeirão, ainda terá um elemento muito humano, apesar do que possa parecer.

Mas tudo isso vem com um preço, é claro, e dos bem monetários, que o velho laboratório cheio de traças e aranhas pelo menos não tinha.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Planeta Dos Autômatos

História do Professor Pardal, de 1975.

Esta história é um resumo de todos os anseios de papai no que diz respeito à existência de vida em outros planetas, à possibilidade de que nossa civilização se encontre com civilizações alienígenas no futuro e às consequências desse encontro.

Ao contrário das visões apocalípticas de muitos, que temem que esses seres sejam hostis e que possam querer nos aniquilar para tomar nosso lugar sobre a Terra, ele acreditava que esse contato poderia ser amigável e trazer grandes avanços tecnológicos a todos os envolvidos.

Para que isso acontecesse, ainda segundo suas teorias, bastaria que a humanidade alcançasse um nível suficiente de capacidade tecnológica que viesse a nos permitir encontrar com eles já no espaço, ou descobri-los antes que eles nos descubram. Essa teoria, aliás, é a base que rege séries de TV de ficção científica como Star Trek, por exemplo.

Isso, mais aliás ainda, difere bastante da tecnofobia exibida em outras histórias de ficção científica criadas por ele, nas quais não há alienígenas envolvidos. O porquê de haver essa confiança tão grande na suposta tecnologia alienígena e tão pequena na tecnologia humana é um paradoxo que eu não sei explicar. Muito provavelmente, é algo que tem mais a ver com os clichês dos quadrinhos do que realmente com as ideias pessoais de meu pai.

Representando a humanidade como um todo, ao fazer o “test drive” de uma nova e revolucionária tecnologia para foguetes, o Professor Pardal acaba encontrando uma civilização de pequenos robôs muito parecidos com o lampadinha. Eles a princípio são hostis, e têm a intenção de invadir o nosso planeta.

Já que, para evitar essa catástrofe, uma guerra está fora de questão, somente a cooperação tecnológica poderá resolver o problema. A grande sacada de papai é a de que, se os seres são artificiais, criados por um inventor alienígena (e nesse ponto temos também um “aceno” às teorias de “Eram os Deuses Astronautas” de Erich Von Daniken), por quê o planeta deles também não pode ser?

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Tenebroso Dr. Plástico

História do Morcego Vermelho, de 1975.

Eu tenho a impressão de que a Glória só não sabe que o Morcego Vermelho e o Peninha são a mesma pessoa porque não quer. Ela bem que desconfiou durante um tempo, mas, certamente por amor ao Peninha e para não correr o risco de revelar tudo por engano, ela simplesmente nem pensa no assunto.

Afinal de contas, uma moça esperta como ela logo entenderia por quê há um (prodigioso, para aqueles tempos) telefone sem fio tocando dentro da cesta de piquenique do Peninha durante um feriado, apesar das desculpas esfarrapadas do pato.

mov-plastico

De resto, o vilão da vez se chama “Plasto, o homem de plástico” (em uma referência ao tempo em que o tema de abertura do programa Fantástico, da TV Globo, tinha letra), e é mais um dos robôs maléficos do Dr. Estigma, uma espécia de “primo” do homem elástico, ou um “parente distante” do monstro de piche. Outros robôs de papai, em histórias semelhantes, são “o invencível Mancha Negra”, ou mesmo as cópias que o Professor Gavião fez de si mesmo em “Fica Assim de Gavião”.

mov-plastico1

O método para vencer o robô também será parecido: já que não se pode lutar diretamente contra ele, que atira bolas de plástico pegajoso contra seus oponentes para imobilizá-los, o jeito será ser mais inteligente e procurar um caminho menos direto.

Esse tipo de arma não letal, aliás, é algo que já está em uso hoje em dia por forças policiais de todo o mundo. Eu já disse que a imaginação de papai estava uns 30 anos à frente de seu tempo? 😉

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

…Fica Assim De Gavião!

História do Professor Pardal, de 1973.

A inspiração para o título vem da letra de um antigo samba de Pedrinho Rodrigues, chamado “Ninguém Tasca (o Gavião)”. Mas as semelhanças com a canção (muito machista, por sinal) param por aí. A brincadeira, aqui, será bem mais literal e vai girar em torno do grande número de robôs com a aparência do Professor Gavião que vão circular por Patópolis. (Se um elefante incomoda muita gente…)

Outras noções interessantes que podemos ver são coisas como uma “entressafra” de superamendoins (o que impedirá o Pateta de se transformar e salvar a cidade, no que seria uma solução fácil demais), uma alusão à Cornucópia da Fartura (reza a lenda que quanto mais se tira coisas dela, mais ela produz) na máquina multiplicadora de robôs, e o comportamento limitado e repetitivo característico dos robôs de papai que seria usado novamente pouco tempo depois em “O Invencível Mancha Negra”, já comentada aqui.

pardal-gaviao

Por fim temos, como em “A Guerra dos Mundos”, outra referência bastante usada por papai, um “monstro” que contém em si a chave para sua própria destruição. Essa é realmente uma solução útil para se lidar com um problema dessas proporções sem precisar recorrer à obviedade de um super herói.

pardal-gaviao1

De todas as referências, para mim a mais original é a da falta de superamendoins. Aqui descobrimos um ponto fraco do Superpateta que é tão óbvio quanto surpreendente. Papai já deixou o Super sem seus amendoins mágicos de muitas maneiras diferentes, mas uma entressafra é coisa que pouca gente imagina, na quase absoluta segurança alimentar deste nosso (quase primeiro) mundo pós-moderno.

pardal-gaviao2

Se formos pensar em termos de amendoins comuns, no estado de São Paulo temos duas safras anuais. Uma de janeiro a fevereiro, e outra de junho a julho. Assim, é preciso ser realmente muito “pateta” para ficar completamente sem eles. Mas talvez os pés de superamendoins sejam diferentes, e produzam uma vez só por ano (ou nem isso, ou não seriam assim tão raros e especiais).

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

O Invencível Mancha Negra

História do Mickey, de 1974.

Este é mais um ótimo mistério policial para o leitor resolver. O Mancha está foragido da cadeia mais uma vez (não devemos nos esquecer de que ele é um mestre em fugas), e todas as joalherias de Patópolis estão em alerta. Afinal, ele é também um notório ladrão de joias.

Uma delas chega inclusive a instalar um sistema anti roubos que tem aquele “jeitão” de ser coisa inventada pelo Professor Pardal, apesar de não se tocar no nome dele em nenhum momento. O problema é que ele será de pouco uso em uma sala cheia de convidados que não foram treinados para lidar com ele em uma situação de assalto.

A primeira e principal pista que papai deixa para o leitor é a sequência abaixo, onde o vilão não parece estar para muita conversa, repetindo sempre a mesma frase:

mk-invencivel

Em seguida, temos mais uma pista quando o Coronel Cintra se lembra de que o Mancha estava “pensando em se regenerar”, e até mesmo fazendo um curso por correspondência. O problema é que ele não se lembra qual era, exatamente, a disciplina do tal curso.

Quando finalmente o bandido atravessa uma porta de metal como se ela fosse um biombo de papel, o que só serve para deixar a pulga atrás da orelha do leitor atento ainda mais agitada, o Mickey resolve armar uma emboscada para capturá-lo. A isca da vez será o Diamante Estrela do Sul, que existe de verdade e foi descoberto no Brasil. “Estrela” (de alguma coisa ou algum lugar) é um nome comum para diamantes no mundo todo, e uma tradição que papai continuou em muitas de suas histórias onde eles aparecem.

Por fim, não será apenas o Mancha que vai se surpreender com a reação da polícia no momento do segundo assalto. Isso certamente causará muitas risadas no leitor, logo antes da explicação lógica e solução do mistério.

mk-invencivel1

E depois ainda tem gente que diz que papai não tinha muito jeito para fazer histórias do Mickey…

E assim chegamos ao final de mais um ano. Desejo a todos os que acompanham este blog um Feliz Ano Novo e um 2017 de Paz e Prosperidade.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

A Cidade Aérea

História do Superpateta, de 1975.

Esta história parece ser uma versão anterior de outra, dos agentes secretos 00-ZÉro e Pata Hari, já comentada aqui, na qual eles perseguem a Bronka nas estrelas.

A estação espacial que vemos nas páginas da história de hoje se parece bastante com a dos agentes secretos, caracterizada por seu formato circular. Estas estações representadas por papai, e também a do filme “2001: Uma Odisseia no Espaço”, são todas inspiradas nos designs de Werner Von Braun (o cientista alemão que durante a Segunda Guerra trabalhou para os Nazistas, mas depois foi “adotado” pelos EUA para o programa espacial da NASA) que aparecem na série de filmes da Disney chamada “O Homem no Espaço”.

sp-cidade

O roteiro é bastante simples: trata-se de mais um plano maligno do Professor Gavião para derrotar o Superpateta. Ele quase consegue, como sempre, mas é desmascarado no último minuto, também como sempre.

Mais interessante do que a história em si são as projeções futuristas de papai, baseadas naquele “futurismo retrô” dos anos 1970, com especial atenção aos carros dirigidos “por ninguém”. Antes uma completa ficção, eles estão prestes a se tornar realidade nos próximos anos.

sp-cidade1

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon