Penameu E Glorieta

História do Peninha, publicada pela primeira vez em 1985.

Mais do que uma brincadeira com o tema de Romeu e Julieta, de Shakespeare, esta é uma história sobre identidades trocadas. Para começar, o nome do personagem principal é “Pena”. Somente Pena. Mas, do jeito que ele fala quando perguntam, todo mundo entende “Penameu”.

Peninha Glorieta

O nome da cidade de Verona é mantido, por uma questão de se deixar claro sobre o que é a sátira, mas até os sobrenomes das famílias rivais são trocados: os Capuleto viram “Capeletti”, e os Montecchio são os “Macarroni”. A intenção, além de romancear os nomes, é também fazer uma brincadeira com a cultura e a gastronomia da Itália.

Mas o “Pena, Meu” não é integrante de nenhuma das duas famílias. Ele é simplesmente um forasteiro que chega à cidade e de repente se vê no meio da bagunça. Por uma série de coincidências, é “adotado” pelos Macarroni, e é nessa condição que ele acaba indo parar no baile dos Capeletti.

De qualquer maneira, como no Ato II, Cena II da peça, ele não é “nem um, nem outro”, e isso é uma referência à fala do próprio Romeu. Outras referências e citações estão espalhadas ao longo das páginas, algumas de Shakespeare, outras de outros poetas e até mesmo de contos de fadas, como por exemplo uma menção à fábula de Rapunzel, uma brincadeira com a cena do balcão e menções ao rouxinol e à cotovia.

Peninha Glorieta1

Apesar das gargalhadas que a paródia de papai provoca, é preciso lembrar que a peça original é uma tragédia, que no espaço de 5 dias narra um mal fadado romance entre um rapaz de 17 anos de idade e uma menina de 13, e termina com cinco mortos. Por isso é óbvio que esta história também não poderá ter um final feliz, ainda que não termine em morte, coisa que não “cabe” em uma história Disney.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

O Grande Conquista… Dor

História do Pato Donald, de 1972.

Este é um exemplo de mudança do nome da história pelo editor. O título original era, simplesmente, “O Conquistador”. O Inducks, inclusive, colocou um ponto de interrogação na autoria, mas o fato de ser a única história nacional na revista e de estar aqui na coleção é mais do que prova, para mim, de que ela é mesmo de papai.

O “Green-eyed monster”, ou “Monstro dos olhos verdes” é um personagem de Carl Barks, que foi a principal influência de papai no primeiro ano ou dois de produção de quadrinhos Disney. Já a inspiração do Mestre veio muito certamente de Shakespeare, mais exatamente da peça chamada “Otelo, o Mouro de Veneza“.

PD conquistador

A citação exata onde o “monstro” aparece é a seguinte: “Meu Senhor, livrai-me do ciúme! É um monstro de olhos verdes, que escarnece do próprio pasto que o alimenta. Felizardo é o enganado que cônscio, não ama a sua infiel! Mas que torturas infernais padece o homem que, amando, duvida, e, suspeitando, adora.” O temperamento do Donald em seu relacionamento com o Gastão, e na verdade todo esse triângulo amoroso com a Margarida, é claramente inspirado nessa peça.

PD conquistador1

Em 1975, na história intitulada “A volta da companhia teatral Peninha” e já comentada aqui, papai usaria mais uma fase de Otelo interpretada pelo Donald: “A ira me agita! A indignação me sufoca! A fúria me atormenta”.

O drama de Shakespeare é uma tragédia clássica, que termina, literalmente, “em morte e facada”, bem ao estilo de “Romeu e Julieta”, aliás. O final da história de papai tem alguma violência, digamos assim, mas não deixa de ser bastante cômico.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Serenata Ao Luar

História do Zé Carioca, de 1976.

Os homens brasileiros, decididamente, já foram mais românticos. Nos anos 1970 a tradição de se fazer serenatas ao luar sob a janela da namorada já estava se perdendo à sombra dos arranha-céus, mas ainda persistia em algumas cidades menores e na imaginação de papai, que era grande fã desse gênero musical.

A canção que ele aparentemente cita no primeiro quadrinho deve ser tão antiga que não chegou à era da internet. Eu acredito que deve ser uma letra real, porque ele conhecia várias dessas canções, e poderia citar qualquer uma delas. Não precisaria inventar. Mas outras sobreviveram e chegaram até nós, também antigas, como esta, de Vicente Celestino.

O Zé, que até trabalhou hoje para poder comprar flores para a sua namorada, não sabe cantar nem tocar violão, mas está disposto a tudo para agradá-la. O Nestor, como sempre um bom amigo, também não sabe tocar, mas está disposto a ajudar. O resultado é tão romântico quanto hilário.

ZC serenata

(A partir daqui temos um SPOILER sério, mas não dá para comentar esta história sem ele. Esteja avisado.)

 

 

 

No fim o namoro do Zé nunca esteve em risco, e o rapaz sob a janela da Rosinha era um colega de um curso de teatro. Eles estavam apenas ensaiando. O interessante é que a cena da suposta peça de teatro, que tem por nome justamente o título desta história, é uma adaptação de Shakespeare. Mais precisamente, da cena do balcão de Romeu e Julieta, transposta para a tradição brasileira da serenata.

ZC serenata1

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

O Feitiço Da Vila

História do Zé Carioca, publicada em 1984.

O título da história é inspirado numa canção de Noel Rosa, composta em 1934 para homenagear seu bairro, Vila Isabel, e as três bruxas (na verdade Maga Patalójika, Min e Bruxa Vanda) são inspiradas nas três bruxas de Macbeth, peça teatral de William Shakespeare, considerada “amaldiçoada”, e cujo nome não deve ser dito em voz alta.

Na peça, as três bruxas abrem a trama com uma profecia: “Salve, Macbeth! Salve, Barão de Glamis! Salve, Macbeth! Salve Barão de Cawdor! Salve, Macbeth! Ainda serás rei!”

Nesta história não é diferente: “Salve, Zé Carioca, o ser mais feliz da terra. Que nunca precisou trabalhar pra viver. E que um dia será milionário!”

Elas invertem as personalidades de todos os amigos do Zé para se divertirem, o enchem de dinheiro e presentes, e ele estava até gostando da ideia, até o momento em que percebeu que a personalidade da Rosinha também havia sido invertida.

É aí que as bruxas acabam descobrindo que o nosso herói dá mais valor ao amor da Rosinha do que a todo o dinheiro do mundo.

No final, a história vale também como reflexão filosófica: o que é mais importante neste mundo? O dinheiro ou o amor?