Senhor X E Seu Plano Infalível

O Sr. X e seu bando vão visitar os Irmãos Metralha, nesta história de 1983.

No primeiro quadrinho um dos Metralhas está lendo um gibi do Peninha, enquanto outros dois (um deles o 176-761) estão jogando palitinho. Este é, ou era, um jogo tradicional dos bares do cariocas, usado para ajudar a decidir que pagaria a próxima cerveja. Era também conhecido como “porrinha“, “purrinha” ou “purinha”.

Suas regras são enganadoramente simples, e o jogo demanda, sim, uma boa dose de cálculo e pensamento estratégico. A palavra “marraio” indica que o jogador está pedindo para si o direito de jogar por último, e é usado em outros tipos de jogos populares, inclusive os infantis, como o de bolinhas de gude. “Lona” significa “nada”, uma mão vazia.

Esta é mais uma daquelas histórias em que todos os personagens principais são vilões. O Tio Patinhas está na história só para fazer uma ponta e ser assaltado. Mas como “não há honra entre ladrões”, é claro que qualquer plano traçado pelas duas quadrilhas, mesmo aparentemente unidas, não pode dar certo.

SrX Metralhas

Eu digo “aparentemente”, porque na verdade os dois bandos estão planejando usar um ao outro para distrair o Patinhas e poder fugir com a grana. Num primeiro momento o Sr. X parece estar um passo à frente dos Metralhas, mas como era de se esperar, no final acabam todos presos. O tal plano, afinal, não era tão “infalível” assim…

SrX Patinhas

E o mais divertido de tudo é que o primeiro e o último quadrinhos da história são bastante parecidos. Termina como começa, incluindo o jogo de palitinho.

 

Assalto Cheio De História

História do Sr. X, o Rei do Crime, e seu bando, de 1986.

Este é mais um encontro de personagens de mundos diferentes, desta vez com os Sete Anões da história da Branca de Neve. Além disso, é também um diálogo contínuo com o leitor.

O Sr. X está ficando sofisticado: pendura uma câmera fotográfica no pescoço do X-8 e o manda fazer um levantamento aerofotogramétrico da estrada de ferro que atravessa a Floresta Negra. E usa até um projetor, para exibir a foto. O objetivo é assaltar um trem que supostamente transporta carregamentos de diamantes por ali.

Os três capangas, X-1, X-2 e X-3, passam a história inteira reclamando que estão com fome, e isto terá importância para o desfecho da trama. Enquanto isso, papai vai “plantando” sutis pistas sobre que trem de diamantes poderia ser esse, começando, é claro, pela menção à Floresta Negra, onde o leitor atento (e fã de Disney) sabe que se passa parte da história da Branca de Neve.

Chegando à floresta, os bandidos estranham o tamanho da ferrovia, que nas fotos parecia maior (mais uma pista). Floresta Negra, ferrovia pequena… Então, descobre-se que o tal trem é quase um brinquedo, e que quem o está conduzindo são os Sete Anões. Mas até aí, nosso esperto leitor já sabia disso.

Sr X trem

Determinados a roubar os diamantes dos anões, o bando continua com o plano, forçando os anões a levá-los até a mina, onde carregam o trem de pedras preciosas e começam a viagem de volta. Mas os próprios diamantes são mágicos, e a coisa toda não é assim tão simples.

Quando a lenha para a caldeira do trem a vapor acaba e os capangas vão à floresta pegar mais e voltam comendo lindas maçãs bem vermelhinhas, nosso leitor já percebe que os nossos vilões vão se ferrar. É aí que se revela a presença da Bruxa Má. As maçãs, é claro, são envenenadas, e todos comeram delas, inclusive o corvo X-8.

Sr X bruxa

O caldo engrossa quando os ladrões acordam do sono mágico, sob a mira das armas dos Sete Anões, prestes a serem expulsos da floresta. Decerto receberam o clássico beijo de amor, mas… de quem???

Esta foi a última história de papai para o Sr. X e seus capangas, e ele certamente quis dar um “fim digno” aos personagens que criou, com o chefe do bando desparecendo correndo pela floresta afora com a Bruxa (agora já não tão) Má em seu encalço.