Estrada de Ferro Patopolense

História do Peninha, publicada pela primeira vez em 1974.

Ao que me parece, esta história é inspirada em “O salário do medo”, filme Francês de Henri-Georges Clouzot que recebeu a Palma de Ouro do Festival de Cannes de 1953.

O filme conta a história de quatro homens desempregados de uma obscura cidadezinha da América do Sul, que aceitam uma missão perigosa: transportar uma carga altamente explosiva de nitroglicerina em caminhões sem nenhuma segurança, ao longo de estradas em péssimas condições. É um filme de tensão com toques de um humor negro especialmente mórbido.

Apesar da referência, a história em quadrinhos que vemos publicada é bem menos tétrica, é claro. Papai tem inclusive o cuidado de deixar claro que o Peninha (similarmente contratado para um trabalho parecido, mas por linha férrea e não caminhão) nunca esteve em nenhum perigo real, para não preocupar demais o jovem leitor.

Enfim, é o que dizem por aí, sobre doações à igreja e “bondades” similares: “quando a esmola é muita, até o santo desconfia”. O leitor atento deve desconfiar de que algo está errado quando o Peninha, demitido a patadas do Jornal A Patada pela enésima vez, é contratado um pouco fácil e efusivamente demais por uma empresa ferroviária para um trabalho que parece simples, mas que também tem um fundo de mistério. É como tudo na vida: se parece bom demais para ser verdade, provavelmente é mesmo.

Esta parece ser a única história de papai, e uma de somente duas histórias nacionais, onde o antagonista do Tio Patinhas Pão-Duro MacMônei aparece. Ele preferia usar o Patacôncio como inimigo, e chegou também a inventar outros inimigos escoceses, como Harpagão Mac Shato e Jerônimo Nheka. Todos eles bem menos “maus” que o MacMônei, que é um antagonista bem mais “da pesada”.

O nome da empresa ferroviária de Patópolis é inspirado em antigas estradas de ferro cafeeiras do Estado de São Paulo, que levavam o nome das cidades onde ficavam suas sedes: Companhia Ituana, Estrada de Ferro Sorocabana e Companhia Mogiana.

(E agradeço ao amigo Tiago Cardoso por me alertar de que esta história ainda não havia sido comentada. Se alguém souber de mais alguma que ele escreveu e eu não comentei, é só avisar.)

Uma opinião sobre “Estrada de Ferro Patopolense

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.