A Cozinheira Extraterrestre

História da Turma do Lambe Lambe, de Daniel Azulay, escrita em janeiro de 1983 e publicada pela Editora Abril na revista da turma em maio do mesmo ano.

Esta é uma criação conjunta, a quatro mãos, de meu pai e de minha mãe. Eu me lembro bem de que ela ditou a ele a maior parte da história, enquanto ele rascunhava e dava os seus toques pessoais na trama. São definitivamente dele as cenas da abdução da galinha Xicória, dignas do filme Contatos Imediatos. Já a parte da culinária é 100% coisa de minha mãe.

Na vida de qualquer família, decidir o que cozinhar para as refeições muitas vezes envolve alguma negociação, para que o cardápio saia ao gosto de todos os envolvidos. Em casa não era diferente, especialmente no que tocava algumas verduras e legumes.

Por exemplo: mamãe adora quiabos. Eu não os como. Ela gosta de jiló, já eu não posso nem ver em um prato. A mesma coisa acontece com berinjelas: para ela, um patê de berinjela bem temperado é uma iguaria. Eu não vejo graça nenhuma na coisa.

Meu pai não comia frango de jeito nenhum. Eu nunca tive problemas com pratos à base do ingrediente. Já para minha mãe uma galinhada com jiló é um prato perfeitamente aceitável que eu não comeria por causa do jiló e meu pai recusaria por causa do frango. E por aí vai.

A ideia para esta história surgiu de uma conversa entre minha mãe e eu, em uma das vezes em que ela gentilmente tentou me convencer a experimentar algum prato feito à base de quiabo ou jiló. Foi daí que surgiu a ideia de um “ensopado de jiló com quiabo” como algo possivelmente repugnante.

Vai daí, ela e papai passaram a tentar imaginar quem, de bom grado, comeria uma coisa dessas. E deu em uma das mais divertidas histórias que eu já vi da Turma do Lambe Lambe.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Anúncios

O Planeta Dos Autômatos

História do Professor Pardal, de 1975.

Esta história é um resumo de todos os anseios de papai no que diz respeito à existência de vida em outros planetas, à possibilidade de que nossa civilização se encontre com civilizações alienígenas no futuro e às consequências desse encontro.

Ao contrário das visões apocalípticas de muitos, que temem que esses seres sejam hostis e que possam querer nos aniquilar para tomar nosso lugar sobre a Terra, ele acreditava que esse contato poderia ser amigável e trazer grandes avanços tecnológicos a todos os envolvidos.

Para que isso acontecesse, ainda segundo suas teorias, bastaria que a humanidade alcançasse um nível suficiente de capacidade tecnológica que viesse a nos permitir encontrar com eles já no espaço, ou descobri-los antes que eles nos descubram. Essa teoria, aliás, é a base que rege séries de TV de ficção científica como Star Trek, por exemplo.

Isso, mais aliás ainda, difere bastante da tecnofobia exibida em outras histórias de ficção científica criadas por ele, nas quais não há alienígenas envolvidos. O porquê de haver essa confiança tão grande na suposta tecnologia alienígena e tão pequena na tecnologia humana é um paradoxo que eu não sei explicar. Muito provavelmente, é algo que tem mais a ver com os clichês dos quadrinhos do que realmente com as ideias pessoais de meu pai.

Representando a humanidade como um todo, ao fazer o “test drive” de uma nova e revolucionária tecnologia para foguetes, o Professor Pardal acaba encontrando uma civilização de pequenos robôs muito parecidos com o lampadinha. Eles a princípio são hostis, e têm a intenção de invadir o nosso planeta.

Já que, para evitar essa catástrofe, uma guerra está fora de questão, somente a cooperação tecnológica poderá resolver o problema. A grande sacada de papai é a de que, se os seres são artificiais, criados por um inventor alienígena (e nesse ponto temos também um “aceno” às teorias de “Eram os Deuses Astronautas” de Erich Von Daniken), por quê o planeta deles também não pode ser?

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Dia Dos Invasores

História do Zé Carioca, de 1979.

Esta é a primeira da série de quatro histórias dos invasores transmorfos Alfabeta e Gamadelta. Apesar de (ainda) não estar creditada, ela é de papai sim, assim como as outras três.

A primeira missão deles é apenas de reconhecimento, mas todas as características principais dos vilões já são apresentadas aqui. Assim, temos as armas de raios, a capacidade de flutuar, os rádios transmissores e (principalmente) o total desconhecimento (e desprezo, já que eles planejam a dominação total, de qualquer maneira) da cultura e modo de vida dos terráqueos.

O leitor já de saída vai se surpreender com as diminutas proporções da nave em comparação com o ambiente terrestre à sua volta. O aparelho que vemos sendo usado para raptar o Biquinho em “Uma Invasão de Dar Pena”, já comentada, parece até grande, por comparação.

Inversamente oposta a  seu tamanho, aliás, é a capacidade das duas nuvenzinhas de causar confusão. O resto da coisa toda é uma comédia de erros das mais peculiares, com os alienígenas assumindo as formas do Zé e do Nestor enquanto eles (convenientemente) dormem o dia todo e aprontando todas pelo Rio de Janeiro afora, para quem quiser ver.

E apesar de tudo, ninguém desconfia que na verdade isso é uma invasão alienígena. Será que eles já estão entre nós, e nem percebemos? Tão absortos que estamos em nossos próprios afazeres, muitas vezes nos esquecemos de parar um pouco de vez em quando e ver que coisas realmente extraordinárias podem estar acontecendo bem na frente de nossos olhos cansados.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Um Monte de Abobrinhas

História da Patrícia, de Ely Barbosa, escrita entre setembro e outubro de 1987 e publicada pela Editora Abril na revista “Patrícia” número 12, do mesmo ano.

Na lista de trabalho consta que foi mamãe quem deu a ideia. “Abobrinhas”, naquela época, era a ubíqua gíria da criançada (e também de gente que nem era mais tão criança assim) para “bobagem”, ou “besteira”. Não me lembro exatamente como surgiu mas, de repente, era só isso que se ouvia em todos os lugares, do pátio da escola aos programas de TV.

Está certo que a Patrícia é “meio desligada” e frequentemente esquece quais são, exatamente, as instruções que recebe de sua mãe, causando a maior confusão, mas hoje as coisas saem um pouco do normal. “Normal”, para a personagem, é sair para comprar três quilos de abobrinha, e voltar com 10 quilos de mandioquinha, por exemplo. Mas isto aqui já é um pouquinho demais:

patricia-abobrinha

É só mais tarde na história que vemos a causa das abobrinhas todas: um ser estranho e sua máquina de raios dominadores da mente.

patricia-abobrinha1

Mas, ao que parece, o “desligamento” da menina tem um lado bom: toda essa falta de memória de curto prazo advém da incapacidade que ela tem de se concentrar por muito tempo, e isso a torna menos influenciável por esse tipo de plano maléfico.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Contatos Imediatos No Terceiro Degrau

História do Zé Carioca, de 1978.

Esta é a última história escrita por papai para os alienígenas liderados pelo Rei B-A-H. Depois desta aventura o antipático líder partirá com sua nave e tripulação, com a intenção de nunca mais voltar.

zc-degrau

Hoje eles nem precisarão tomar a forma dos terráqueos mas, em compensação, haverá um contato imediato para ninguém botar defeito. A inspiração vem, é claro do filme “Contatos Imediatos”, de 1977.

zc-degrau1

Além disso, temos também a revelação de onde fica o planeta dos transmorfos (se bem que ela não ajuda muito), e a solução do “conflito” pelos cogumelos. Para os alienígenas eles são tão importantes, que nem imaginam que por aqui os cogumelos não têm valor material nenhum.

zc-degrau2

Há também uma referência mais ou menos “profética” aos “Homens de Preto”, se bem que o filme de 1997 já é baseado nos relatos que acompanham as histórias de avistamentos desde os anos 1940. Mas aqui são os próprios alienígenas que se encarregam de ocultar os traços de sua passagem pela Vila Xurupita, inclusive “apagando” as memórias da turma.

Por último, um alerta sobre o consumo de cogumelos: alguns tipos deles são, sim, comestíveis, e muito nutritivos, mas outros são tóxicos, alucinógenos e até mesmo muito venenosos. O consumo de cogumelos recolhidos diretamente da natureza pode ser terrivelmente perigoso, especialmente se você não sabe diferenciar os muitos tipos que existem. (Crianças, não façam isso em casa). Muito mais seguro, para quem quiser experimentar, é comprar as bandejinhas vendidas nos supermercados.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Um Tremendo Furo

História do Peninha, de 1977.

A palavra “furo”, como quase todas elas, tem mais de um significado. Tudo depende do contexto, é claro. Em jornalismo, um “furo” é uma notícia inédita e exclusiva, aquela que ninguém mais tem para dar. Já em outros contextos ela pode significar um rasgo, buraco ou orifício, uma depressão que atravessa de um lado a outro de um objeto. Hoje, papai brincará com todas estas acepções da palavra.

peninha-furo1

Além disso, para engrossar um pouco mais esse caldo, ele usará a noção dos sonhos proféticos que “emprestou” ao Peninha. Por ser totalmente “lado direito” do cérebro, o pato abilolado tem também, na visão de papai, uma intuição bastante desenvolvida expressada em sincronicidades e sonhos no mínimo curiosos que acabam se manifestando na realidade desperta. Esse, aliás, é um talento que ele próprio tinha e que associou também a outros dos seus personagens prediletos, como o Zé Carioca.

peninha-furo

A minha teoria quanto a esse assunto é a de que, em uma noite bem dormida, as pessoas que se lembram dos seus sonhos com facilidade (todo mundo sonha, mas nem todos se lembram deles ao acordar) imaginarão quase todos os desfechos possíveis para algum problema ou preocupação que esteja ocupando suas mentes. Isso acontece por causa da capacidade analítica do cérebro humano, que nunca para de funcionar, mesmo quando adormecido.

Assim, quando um dos desfechos imaginados acaba se realizando a pessoa pode se convencer de que previu os acontecimentos antecipadamente, e na maioria dos casos foi isso mesmo o que aconteceu, mas não por causa de algum fenômeno sobrenatural. A coisa só se complica quando aparecem, nos sonhos, informações das quais a pessoa não poderia ter conhecimento por vias normais. Mas esse é assunto para um outro dia.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

A Máquina Misteriosa

História da Patrícia, de Ely Barbosa, publicada na revista Patrícia em Quadrinhos pela Editora Abril em 1987.

A trama conta com algumas sugestões de minha mãe e tem várias referências a piadas internas da família, como chamar uma máquina inútil de “desentortador de bananas”, ou a definição de UFO como “Urubu Fora de Órbita”.

O comportamento do Terremoto, chutando canelas a torto e a direito, é algo que meu irmão fez, quando pequenininho. Durante uma peça de teatro infantil, ele subiu no palco e deu um chute na canela do ator que interpretava o pirata malvado. E se não me engano, o formato dos alienígenas da história também vem dos desenhos dele.

patricia-maquina

De resto, a história se parece com muitas que papai fez sobre o tema dos contatos imediatos. Ela me lembra um pouco inclusive “Uma Invasão de dar Pena”, na qual o Biquinho põe os Alienígenas Transmorfos para correr.

A diferença é que a intenção frustrada dos visitantes do espaço, desta vez, não é a invasão da Terra e aniquilação de seus habitantes, mas o bem mais benévolo intercâmbio científico. Junte-se a isso o fato de que ninguém acredita na palavra de crianças pequenas, e temos a receita certa para que, como sempre, a existência desses seres continue sendo uma incógnita.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon