Polícia Desmontada

História do Peninha, de 1974.

Com o Peninha, é tudo “des”: ele é da polícia “desmontada”, é o espírito que “desanda”, ele é desmiolado, desajustado, desastrado, desengonçado… Mas certamente nunca desonesto.

Já o Ronrom tem um problema de “ideia fixa”: depois de escutar a palavra “peixe”, ele não consegue pensar em mais nada e fará qualquer coisa para por as garras em um peixinho. (E hoje ele até conseguirá, ainda que brevemente). Mas ele não será exatamente o vilão da história, apesar de fazer suas traquinagens e causar uma enorme confusão. Há vilões piores em ação.

Que a polícia montada de Patópolis se parece muito com a do Canadá eu já falei. Papai voltaria ao tema no ano seguinte com “Patrulheiros e Escoteiros”, já comentada aqui. As duas histórias têm em comum o tema da proteção das florestas e a recomendação de que não se deve julgar mal aos outros sem antes nos certificarmos muito bem do que está realmente acontecendo.

peninha-desmontada1

 

Mas enfim, o Ronrom é apenas um gato e, apesar da boa vontade, não é um bom detetive. Quem conhece os personagens, e especialmente a risada do Peninha, logo vai entender onde é que o Ronrom errou em suas deduções. Em todo caso, o castigo por suas traquinagens virá “a cavalo” (pelo menos figuradamente) na piada recorrente desta história, na qual ele terá a cauda queimada repetidas vezes.

peninha-desmontada

Mas nem tudo será dor para o gato, pelo menos nesta história. Bem ou mal, ele estava tentando ajudar, e será recompensado pelo esforço.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Gato E Sapato

História do Ronrom, de 1974.

“Fazer de gato e sapato” é uma antiga gíria que significa “maltratar e abusar” de alguém. Papai aqui usa a expressão como um trocadilho para brincar com o Ronrom e fazer a conexão do animal de estimação do Donald com o resto da história.

A situação apresentada no início da trama, com o Donald oferecendo um almoço em sua casa para os colegas de A Patada (que são também sua namorada, primo e sobrinhos), é algo que papai fez algumas vezes com os seus colegas da Editora Abril, especialmente por ocasião das Festas Juninas. Uma fogueira era acesa no quintal, e eram servidos churrasco e as demais comidas e bebidas típicas.

É possível que a inserção da “piada interna”, já que o leitor não teria como adivinhar o que se passava na residência do autor (mas qualquer um na redação saberia imediatamente do que se tratava), tenha sido uma maneira encontrada por papai para agradecer aos colegas pela presença e “imortalizar” a festa.

Mas o que não acontecia, é claro, era essa intromissão do chefe de redação (que aliás também costumava participar das festas lá em casa) com antipáticas ordens para interromper tudo e ir trabalhar. Essa é certamente uma vantagem do quadrinista sobre o jornalista: enquanto o primeiro é geralmente um freelancer que pode fazer os próprios horários, o segundo raramente tem um horário fixo, trabalhando ao sabor das notícias que se apresentam.

ronrom-sapato

Mandados ir cobrir a “FIP”, Feira Industrial de Patópolis, a Família Pato resolve não abandonar o espírito do feriado patopolense e pelo menos tentar se divertir um pouco enquanto trabalha. Um sinal daqueles tempos é o “trabalho infantil” dos sobrinhos do Donald, coisa comum na época, mas impensável de se mostrar com tanta naturalidade hoje em dia.

ronrom-sapato1

E o elemento surpresa que entra para fazer bagunça e adicionar graça à coisa toda é o gato Ronrom, é claro. Sempre ávido por comer peixes, coisa que ele adora mas não ganha de seu dono, o felino resolve bancar o “repórter” também, com resultados hilários e um final feliz onde todos saem ganhando, apesar de tudo.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

 

Bruxedos E Trapalhadas

História da Madame Min, de 1974.

Uma coisa interessante na qual nem todo mundo repara é que o Ronrom, o gato do Donald que tem por passatempo seguir o Peninha sempre que ele vai pescar, e o Mefistófeles, o feroz familiar da Madame Min, são quase idênticos.

Peninha bruxedos

E é basicamente neste fato que papai se baseou para criar esta história. Mas o caso de identidade trocada, aqui, não será exatamente entre os gatos (seria óbvio demais). A bruxa conhece muito bem o seu bichano, e não iria se confundir assim tão facilmente.

Mais do que o Ronrom, a “vítima” da história é o Peninha, que passa a trama toda se dando mal de várias maneiras diferentes. E já que tanto o Mefistófeles quanto o Ronrom gostam de peixe, essa será a “linha” que vai costurar a coisa toda, da primeira página ao último quadrinho.

Peninha bruxedos1

A diferença entre os gatos, aliás, é que o animal da bruxa pelo menos ganha o seu peixinho de vez em quando. Já o Donald só dá leite ao seu, o que faz com que ele esteja sempre disposto a se encrencar para ver se consegue algo mais substancioso para comer.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Bruxópolis

História do Peninha, de 1974.

Em Bruxópolis, a cidade das bruxas, é aquela época do ano de novo: está acontecendo um Congresso de Bruxas e Bruxedos, e bruxas do mundo todo estão reunidas para o evento. E há bruxas de todos os tipos. Algumas são jovens e belas, outras são velhas senhoras, e muitas nem parecem humanas.

Enquanto isso, o Peninha está viajando em sua motocicleta e tentando encontrar o Rio da Pesca, por motivos óbvios. E como sempre acontece quando ele vai pescar, o Ronrom o está seguindo.

O Peninha não é um personagem que se veja às voltas com bruxas frequentemente, a não ser quando a Maga e a Min atacam a Caixa Forte de seu Tio Patinhas. Esta, então, é mais uma daquelas misturas insólitas e engraçadas de personagens de “universos” diferentes que era uma das marcas registradas de papai.

Peninha Bruxopolis

A confusão causada pelo encontro é das maiores e, apesar de não gostar nadinha do Peninha, o Ronrom é um gato que honra seus bigodes e não deixará o pato abilolado em apuros… sozinho.

Peninha Bruxopolis1

E depois de tudo, quando o leitor já se divertiu a valer com as peripécias e desventuras dos dois “trouxas” no meio dos bruxos e já se esqueceu até do motivo que levou nossos amigos até ali, papai joga o proverbial “balde de água fria” e nos lembra a todos que tudo aquilo não passa de uma história de pescador.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Hotel Bom Pra Cachorro

História do Peninha, de 1980.

O pato abilolado ataca novamente com mais um empreendimento maluco, um hotel para cachorros, desta vez. O raciocínio por trás da coisa toda é até bem lógico, afinal, com a vida das pessoas cada vez mais corrida, muita gente precisa ter onde deixar o animal de estimação de vez em quando.

Mas o real problema, como sempre, é a execução da ideia. E a execução, também como sempre, se dá de modo totalmente amador e improvisado na casa do Pato Donald, que é a vítima predileta do Peninha para esse tipo de maluquice.

Peninha hotel

O objetivo do argumentista, hoje, é criar a maior confusão possível. Esse é o tipo de história que, quanto mais caótica, mais engraçada fica. E para potencializar a confusão e o tamanho da encrenca que vai acabar sobrando para o Donald que, afinal, é o dono da casa, papai faz questão até mesmo de “dar” uma cachorrinha para a Margarida, uma mini poodle de nome Fifi e que aparece somente nesta história.

A única coisa que nenhum dos personagens levou em conta (e que papai coloca como pivô da discórdia e da bagunça) é o fato que a casa do Donald é território do Ronrom! E, em território de gato, cachorro nenhum pode se dar bem por muito tempo. Tentando resolver – a seu modo, é claro – o impasse para seu dono enquanto ele não está, o Ronrom terá um papel crucial em ajudar a armar a confusão, e também, muito contra a vontade, na solução da coisa toda.

Peninha hotel1

A expressão “bom pra cachorro” significa algo que é muito bom, bom demais, talvez com a palavra “cachorro” usada em substituição a outra palavra menos publicável e mais usada em ambientes menos distintos. O problema é que, com o passar do tempo, tudo quanto é nome de filme, pet shop, e até mesmo pet hotéis para o “público canino” acabaram usando este clichê “engraçadinho” mas nada original.

De qualquer maneira, como todo clichê, virou uma “expressão consagrada”. Além disso, aqui nesta história, há também a sugestão de que nem tudo o que é bom “para cachorro”, é bom para outras espécies de animais, ou mesmo para seres humanos.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Ataque De Surpresa

História do Peninha, de 1973.

Fiscal de preços, pesquisador de mercado… o Peninha arranja um bico diferente a cada dia. E a cada novo sub-emprego a confusão aumenta, especialmente quando o tal “mercado” a ser fiscalizado é o mercado de peixes de Patópolis, é claro, pois é aí que o Ronrom aparece literalmente do nada na esperança de conseguir pegar alguma coisa.

Peninha Surpresa

O problema começa, é claro, quando é essa “alguma coisa” que pega o Ronrom.

Peninha Surpresa1

A palavra “surpresa” é usada nesta história como um acrônimo para o nome do órgão controlador de preços de Patópolis, a Superintendência Regional de Preços dos Serviços Autônomos. A ideia é sugerir que os ficais sempre agem “de surpresa” surpreendendo os peixeiros desonestos, mas neste nosso caso, vão sobrar surpresas para todos os envolvidos, e para o leitor também.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Hoje tenho o prazer de lançar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda no site do Clube de Autores.

O Aquário Dos Patos

História do Peninha, de 1974.

A confusão hoje tem a ver com um aquário, e com o Ronrom, como não poderia deixar de ser sempre que tem peixe na parada.

É uma comédia de erros na qual ninguém se entende direito. Com isso, o aquário e seu ocupante vão passando pelas mais diversas situações, uma mais hilária que a outra, com vários “plot twists” no caminho. Caminho, aliás, é o que não falta nesta história, já que o pesado objeto passa a maior parte do tempo nas costas do Peninha, ou do Donald.

Peninha aquario

O interessante é que até o peixe tem o que dizer, ou melhor, pensar, sobre tudo o que está acontecendo. Papai inclusive teve o cuidado de dar “voz” e personalidade ao peixe, que desse modo não fica reduzido à posição de mero objeto dentro de uma caixa de vidro cheia de água, como a maioria das pessoas os vê, mas é alçado à condição de personagem. Isso, inclusive, pode fazer o leitor pensar um pouco sobre a estadia de seu peixinho de estimação no aquário, se o ambiente criado para ele é apropriado, etc.

Peninha aquario1

Aristeu (ou Aristides) era um nome comum para peixes de estimação na época. Papai gostava de aquários, e sempre tivemos pelo menos um na casa em Campinas. O primeiro ficava na sala de estar, embutido na parede, mas depois teve de ser retirado. Daí ele passou por outros cantos da casa, até ser alojado definitivamente no quarto de meu irmão, que assumiu os cuidados com os peixes.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix