A Volta Do Dr. Tempo

História do Superpateta, de 1975.

Enquanto, aqui na região Sudeste do Brasil, a previsão do tempo está anunciando uma forte frente fria que irá derrubar bastante as temperaturas deste nosso inverno neste final de semana, em países como Grécia, Israel e Irã (entre outros no Mediterrâneo e no Oriente Médio), que ficam no hemisfério norte e estão agora no verão, há previsões de fortíssimas ondas de calor para os próximos dias.

Aqui no Brasil é comum, também, que haja seca em alguns lugares e enchentes em outros, tudo na mesma época do ano. O clima de nosso planeta é um sistema caótico por definição, e desde tempos imemoriais tem sido fonte de angústia e até mesmo de temor para os seres humanos, sempre expostos aos seus efeitos.

Tanto, que nossos sentimentos de impotência frente os caprichos das intempéries já deu origem a sistemas de crenças (quem nunca ouviu falar no “Deus do Trovão“?), ciências (como a meteorologia), e até mesmo práticas mágicas e supersticiosas (como a Dança da Chuva).

Poder controlar o clima é um sonho antigo da humanidade que nunca foi realmente realizado, apesar de práticas como a “semeadura de nuvens” como controverso esforço para fazer chover, por exemplo. Ao que parece, o que o ser humano está “conseguindo”, na verdade, é tornar as condições climáticas de nosso planeta ainda mais caóticas.

É de tudo isso que vem o baixinho Doutor Tempo, um vilão criado no exterior para ser inimigo do Superpateta, e alegremente adotado por papai para mais esta história. Com sua arma de raios congelantes, ele costuma tocar o terror nos céus de Patópolis, congelando o Super em pleno ar e fazendo nevar no verão, entre outras coisas.

A história de hoje nos mostra mais um épico embate entre herói e vilão, devidamente “semeado” com liberais pitadas de piadinhas sobre tempo e temperatura.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Anúncios

A Feiticeira Eletrônica

História da Maga Patalójika, de 1975.

Apresentando “Bruxax”, o bruxo robô computadorizado, este é mais um engraçado exercício em tecnofobia. Mas o fato é que, apesar de tudo, o tema desta história também é bastante profético. (E sim, apesar de ainda não estar creditado no Inducks, esta história é de papai.)

Dizem os atuais futuristas que, em 20 anos, mais ou menos, metade das profissões que temos hoje já serão exercidas por robôs e que 95% dos carros nas ruas serão autônomos. Ninguém mais precisará levantar caixas pesadas em almoxarifados, fazer tarefas perigosas em indústrias, tirar carteira de motorista, ou mesmo ter um carro particular em casa. Quem viver, verá.

Mas a verdade é que, já agora, neste exato momento, muitos sites especializados em direito, por exemplo, contam com robôs para responder perguntas simples (ou vocês achavam mesmo que há um advogado de plantão o tempo todo do outro lado da telinha só esperando alguém acessar a caixa de diálogo “fale com um advogado”?).

A própria Internet é a maior biblioteca de todos os tempos, com milhões de conteúdos sobre todos os assuntos que qualquer pessoa pode consultar a qualquer momento, sem nem mesmo sair de casa. Se bem que papai colocou na biblioteca cheia de traças da Maga alguns volumes interessantes, como um tomo sobre Kabala.

E para profissionais de muitas profissões que se baseiam na consulta constante a livros, como tradutores, escritores, médicos, os já citados advogados, professores, historiadores, etc. etc., hoje em dia já é mais fácil e rápido encontrar esses conteúdos auxiliares online. Isso, enquanto os próprios conteúdos ainda não são capazes de fazer o trabalho por si sós, tornando os profissionais humanos redundantes.

Os trabalhos que sobrarão para os humanos, em 30 anos, serão as artes e as humanidades, para os quais as máquinas não terão “alma” e sensibilidade suficientes. A própria bruxaria, no exemplo desta história, apesar de contar com uma biblioteca virtual armazenada em um grande computador e fornos elétricos e alambiques industriais no lugar do velho caldeirão, ainda terá um elemento muito humano, apesar do que possa parecer.

Mas tudo isso vem com um preço, é claro, e dos bem monetários, que o velho laboratório cheio de traças e aranhas pelo menos não tinha.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Dia Da Criança No Sítio Da Vovó

História da Vovó Donalda, de 1984.

Em mais um resgate das brincadeiras de infância de tempos que não voltam mais, temos hoje uma espécie de gincana organizada pela Vovó Donalda para seus netinhos. E como em outras histórias dessa turminha, enquanto as crianças do bem brincam, os Metralhinhas aprontam.

Essa é realmente uma sorte de quem teve espaço para brincar e correr livremente no sítio ou fazenda de amigos ou parentes, uma felicidade que papai conhecia bem e da qual tinha muitas saudades.

Assim, mais importante do que solucionar o problema do roubo das tortas, é mostrar brincadeiras como Pau de Sebo, Quebra Pote (Pinhata), Caça ao Porquinho (vídeo) e Cerca-Frango (semelhante à caça, mas com galinhas).

As duas últimas “brincadeiras” eram parte das atividades diárias de qualquer fazenda ou sítio, especialmente se seus moradores quisessem comer algo diferente de verduras, leite e ovos. Essa era também uma tarefa frequentemente dada às crianças, já que elas são mais ágeis e rápidas, e se cansam menos com a correria.

Enquanto os netinhos da vovó conseguem no fim pegar o porquinho, com um pouco de esforço, os Metralhinhas, uma vez descobertos e convidados a participar, se revelam bons cercadores de galinhas (por motivos óbvios, é claro, já que a quadrilha Metralha é composta por notórios ladrões dessas aves).

É também algo que papai fez muito, quando criança, para que minha avó pudesse cozinhar. E foi por esse exato motivo que, depois de adulto, ele passou a detestar qualquer alimento que contivesse o ingrediente.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Um Dia De Gênio

História do Zé Carioca, de 1983.

O que você faria se pudesse ser o gênio da garrafa por um dia? Esta é a pergunta que papai busca responder para o Zé, com resultados hilários. Outra premissa básica desta história é o velho ditado: “cuidado com o que você pede, pois é isso mesmo o que você vai receber”.

Interessante é que, ao pedir para trocar de lugar com o gênio, o Zé estará realizando um desejo dos dois. Essa “troca de favores” é algo que se tornou a linha que “costura” as três histórias nas quais este gênio amigo aparece.

De resto, o Zé verá que ser gênio da garrafa (mesmo que seja por um só dia) não é assim tão fácil como parece e que ele também estará sujeito às leis da magia, mesmo que as desconheça, e à punição por desobedecê-las. Afinal de contas, essas leis já foram burladas uma vez (por uma boa causa, é claro) e resultados permanentes já foram conseguidos. Já está de bom tamanho. 

(A lei da magia específica, aliás, é algo que já havia sido usado na história chamada “Nas Malhas da Magia”, das bruxas.) Isso, aliado ao caráter malandro do papagaio e à incapacidade de resistir à oportunidade de “zoar” os amigos, será a receita certa para uma bela confusão.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Torneio De Aeromodelos

História da Turma do Gordo, de Ely Barbosa, escrita em março de 1988 e publicada na revista do personagem em agosto do mesmo ano.

Esta é mais uma variação sobre o tema do torneio de aeromodelos, semelhante à história homônima do Professor Pardal de 1973. Ela, aliás, continua na mesma linha de outras histórias com o tema “torneio”, como “O Arqueiro Arteiro”, também do Gordo e sua turma, e histórias Disney como “O Torneio de Aeromodelos”, “A Corrida de Vassouras” e “A Grande Corrida de Tartarugas”, todas já comentadas aqui.

Hoje papai focará menos no concurso em si e nas trapaças dos competidores do mal, mas que ainda assim são elementos importantes da trama, e mais no resgate dos diferentes tipos de aeromodelos com os quais as crianças podem brincar.

  

Assim, desde o aviãozinho extremamente simples e sem motor nenhum e até o modelo controlado remotamente por ondas de rádio, e passando pelos arcaicos brinquedos com “motor” de elástico para mover a hélice (que é o modelo com o qual papai costumava brincar quando criança), todas as tecnologias desse brinquedo estarão representadas.

  

E por falar em tecnologia, teremos também um pequeno toque de ficção científica, com o aviãozinho computadorizado do Dunha, que lembra bastante o do Professor Pardal. E se, por um lado, na Disney ele não poderia ganhar o torneio por ser “avançado demais” em comparação com os outros, hoje a coisa vai ser bem diferente.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Um Dia, Um Gato…

História do Zé Carioca, de 1979.

O conceito do “gato que imita passarinho” é antigo, e já foi assunto para muitas piadas. Há quem diga que é lenda urbana, que gato nenhum consegue realmente imitar um pássaro, enquanto outras pessoas associam as vocalizações dos felinos quando avistam um pássaro próximo (mas obviamente inacessível) com alguma espécie de imitação ou chamado para a improvável presa.

Os muitos sons que os gatos produzem já foram exaustivamente estudados pelos mais diversos cientistas e especialistas em animais, mas ainda assim muita coisa sobre eles permanece um mistério.

A história de hoje se baseia em uma antiga piada sobre uma pessoa que leva seu gato a um show de calouros com a alegação de que o bicho saberia imitar passarinhos. Quando o animal não consegue cantar a pessoa é expulsa do palco sob gargalhadas, antes que possa demonstrar o “outro” talento do animal que se parece com o comportamento de um pássaro.

A graça da piada se baseia no fato de que a maioria das pessoas associa “imitar passarinho” com a reprodução do canto do pássaro em questão, mas a verdade é que aves têm mais características que podem ser imitadas, além dos sons que produzem.

O gato preto de miado diferente apelidado de “Duzentão” (por ser o ducentésimo gato adotado pelo Afonsinho) e levado na coleira em uma noite de lua cheia logo levantará as suspeitas do leitor atento, ainda mais quando coisas esquisitas começam a acontecer em sua presença. Parece que ele sabe fazer bem mais do que simplesmente “imitar passarinho”.

Mas tudo isso não quer dizer que os gatos em geral, e especialmente os pretos, ao que parece, não consigam produzir sons realmente admiráveis, como este gato no link que sabe latir como um cachorro.

Em todo caso, “saber falar mais de um idioma” não é privilégio dos gatos. Certos pássaros também vocalizam sons inusitados que imitam palavras humanas, cantam, sabem contar, rir, chorar e até mesmo “devolvem a gentileza”, imitando gatos e cachorros.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Estúpido E O Comprido

História do Morcego Vermelho, de 1977.

Vender “proteção” (na verdade, extorquir dinheiro mediante ameaça, em troca de não causar danos a pessoas e suas propriedades) é um método antigo de máfias e criminosos em geral para “levantar um dinheiro fácil” pela exploração de comerciantes de rua ou pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Este é um crime que pode ser praticado em muitos níveis, do mais grosseiro ao mais sofisticado (desde a simples abordagem violenta até o uso de “fachadas” como a da agência de seguros desta história), e que é muito difícil de combater, já que raramente há provas materiais que possam incriminar o agressor.

Geralmente é a palavra da vítima contra a do bandido dissimulado, que fará de tudo para se colocar em posição de superioridade e desacreditar o extorquido, inclusive com o uso de técnicas de tortura psicológica como o “gaslighting“, por exemplo.

A tarefa dos heróis, hoje, será enfrentar os dois vilões e virar o jogo com inteligência e habilidade, evitando se enredar nas manipulações deles.

Já os bandidos em si guardam uma grande semelhança com personagens clássicos como “o Gordo e o Magro” em uma versão “do mal”. O título desta estória também é uma referência à novela “Estúpido Cupido“, a última novela em preto e branco exibida pela Rede Globo de Televisão em 1976-77.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.