A Babá-Morcego

História do Morcego Vermelho, de 1976.

O nosso herói tem sido tão eficiente no combate ao crime em Patópolis que nem acontecem mais assaltos pelas ruas, o próprio Morcego mal tem tido o que fazer, e os bandidos estão se sentindo muito frustrados.

A sensação de segurança é tão grande, na verdade, que quando “Cara de Bebê” e “Cara de Babá” resolvem agir na tentativa de desmascarar o Morcego, o herói nem desconfia de que pode estar correndo perigo.

E a inocência dele, como sempre acontece em histórias Disney (aliada ao seu grande talento para trapalhadas) será sua própria proteção e salvação.

Hoje temos um novo vilão, o “João Ratão”, usado somente nesta história. Ele é similar ao Zé Ratinho, comparsa do Dr. Estigma, e seu nome lembra o de um dos personagens da História de Dona Baratinha, o Doutor João Ratão, o noivo guloso e afoito que tentou comer antes da hora e caiu na panela do feijão, desgraçando a si mesmo e à noiva.

Nesta história a função do João Ratão é ser o interlocutor do Cara de Babá enquanto o “bebê” está agindo, já que o diálogo entre os dois é parte integrante (e importante) da narração. É, em grande parte, por meio da conversa deles que o leitor fica sabendo dos detalhes do plano.

Papai poderia ter deixado o vilão grandão sozinho e usar balões de pensamento, por exemplo, mas aí a coisa toda não seria tão divertida.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Retrato Enfeitiçado

História do Tio Patinhas contra Maga Patalójika, de 1973.

É o seguinte: a revista está na coleção, e o estilo é dele (a forte influência de Barks dos primeiros anos e o uso de um tema da literatura mundial). Mas me parece que ele se esqueceu de anotá-la na lista de trabalho. Eu tenho 99% de certeza de que a história é dele, mas se alguém tiver 100% de certeza de que não é, por favor me avise.

Então: a inspiração vem de “O Retrato de Dorian Grey”, de 1891, escrito por Oscar Wilde. Na história original o retrato vai envelhecendo no lugar de seu dono, um aristocrata hedonista, amoral e tão moralmente corrupto quanto fisicamente jovem e belo, enquanto ele mesmo se mantém misteriosamente jovem e belo por muitas décadas.

Aqui, o quadro vai ficando “mais rico” à medida que uma maré de azar magicamente induzida pela Maga Patalójika vai fazendo o Tio Patinhas perder dinheiro e ficar “mais pobre”.

A solução é recrutar um velho inimigo da Maga, um obscuro tio dela com aparência de Leprechaun chamado Nicodemo que só aparece nesta história, para lançar um contrafeitiço. Um leprechaun parecido, de nome “O’Doom” (Nicodemus), é uma criação italiana e pode muito bem ter sido a inspiração para este da história de hoje.

O interessante é que esta é uma figura do folclore irlandês. O autor Oscar Wilde também era irlandês, e consta que a mãe dele, Lady Jane Wilde, era poetisa, nacionalista irlandesa e estudiosa do folclore da Ilha Esmeralda.

E isto também é uma sutileza muito característica do estilo de meu pai de compor histórias.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

A Invasão Dos Piratas

Este é o segundo episódio da História de Patópolis, de 1982.

O herói é um antepassado do Zé Carioca, que em 1789 chega à cidade no navio do “pirata do Caribe” El Borrón, antepassado do Mancha Negra.

O nome “Zé Cariboca” é uma brincadeira com o “Carioca” do Zé do presente: se carioca é como se chama uma pessoa do Rio de Janeiro, “cariboca” deve ser alguém que vem do Caribe. Mas logo no primeiro quadrinho temos um equívoco, talvez do letrista: onde o Prof. Ludovico fala “Carioca”, leia-se “Cariboca”, é claro.

A história, como todas as outras, gira em torno da então Vila de Patópolis e dos esforços de seus habitantes fundadores para consolidar o assentamento e fazer a cidade prosperar contra todas as adversidades. Além disso aqui, também, a “Pedra do Jogo da Velha” terá um papel central na trama: o Zé Cariboca, apaixonado por uma ancestral da Rosinha, a usa para afastar os piratas da Vila com promessas de que ela seria um mapa para tesouros de ouro e prata.

A localização exata de Patópolis, como sempre, não fica clara: papai seguia a linha criativa de Carl Barks, e considerava que ela fica em algum lugar no Hemisfério Norte, nos EUA. Mas o pessoal da Editora Abril queria que se passasse a impressão de a cidade fica no Brasil, para que o leitor brasileiro pudesse se identificar mais facilmente. O fato é que, pela localização do Caribe a meio caminho entre Brasil e EUA, os piratas teriam igual facilidade em atacar ambos. Em todo caso, as roupas dos antigos patopolenses, a arquitetura das casas e a aparência dos índios são, todas elas, típicas da parte Norte do planeta.

Interessante é a placa que aponta para “Patópolis a 1500 Km”. Ora, nós sabemos que o Zé carioca vem do Rio de Janeiro, e sabemos onde a cidade fica. Assim, de duas, uma: ou consideramos que Patópolis fica a 1500 Km de lá, ou que o Zé já estava “a meio caminho” de Patópolis ao passar pela placa. Assim sendo, a essa distância do Rio temos algumas referências interessantes: se formos para o Norte, estaremos passando por algum lugar ao Sul de Salvador, no litoral da Bahia.

Se formos para o Sul do Brasil, chegaremos em Tramandaí, no litoral do Rio Grande do Sul (já que Patópolis é sem dúvida uma cidade de praia). Mais interessantemente ainda, se voltarmos nossa atenção para o próprio mar, a 1500 Km do Rio na direção do mar aberto foi descoberto por geólogos um possível “continente submerso“. Seria Patópolis algum tipo de “Atlântida”? 😉 O certo é que o Zé precisou andar um bocado.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

As Lagartixas Raras

História do Urtigão, de 1975.

Ler mapas, decididamente, é uma arte. Entre uma demissão e outra do jornal “A Patada” Donald e Peninha arranjam outros empregos, com resultados frequentemente hilários.

Hoje eles irão se aventurar pela nobre arte e técnica da Agrimensura ou, pelo menos, tentar. O fato é que uma nova estrada está para ser aberta nos arredores de Patópolis e tudo indica que ela passará pelas terras do matuto Urtigão, de quem os dois patos da cidade morrem de medo, e não sem motivo.

Para a sorte dos primos, ele está de bom humor e os recebe de maneira hospitaleira. Mas eles tremem de pavor só em ver a espingarda do velho.

A desculpa que o Donald inventa é bastante tosca, afinal, o que pode haver de “raro” em uma lagartixa? Elas são bastante comuns no mundo todo, e muito úteis no controle de pestes silvestres e domésticas, como formigas, cupins, mariposas e baratas, insetos dos quais se alimentam.

Mas mesmo assim, uma breve busca na Internet nos revela alguns espécimes realmente exóticos, incluindo uma chamada “Draco Volans“, bichinho natural da Indonésia que lembra bastante as antigas lendas de enormes dragões que cospem fogo.

A graça da história fica por conta dos erros e mal-entendidos que vão se amontoando pelas páginas, para a diversão do leitor. O desfecho é tão surpreendente quanto hilário, mas o leitor atento, ao ver o mapa nas mãos do Peninha, já deveria ter desconfiado.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Maus Ventos O Levem

História do Pato Donald, de 1977.

Quando o Silva, o vizinho chato do Donald, está envolvido, tudo é motivo para uma briga das feias. Hoje o problema é uma árvore já adulta que o Donald plantou em seu quintal durante o mês de férias do Silva para dar sombra e fornecer um apoio onde amarrar uma rede.

Mas a maioria das árvores dá um pouco mais do que sombra: algumas dão frutos, é certo, e muitas outras soltam uma infinidade de folhas, que acabam levadas pelo vento até onde menos se espera. Quando há arvores por perto, folhas espalhadas são um fato da vida. O problema começa quando algumas pessoas não conseguem lidar com o problema de uma maneira sensata.

Já que simplesmente cortar a árvore seria anti-ecológico e os sobrinhos escoteiros do Donald não poderiam permitir uma atrocidade dessas, então também caberá a eles encontrar uma solução. Mas essa solução é só o modo de terminar a história, e de maneira inusitada, para a diversão do leitor. O verdadeiro tema da coisa toda é a briga entre os dois vizinhos.

E briga haverá. Em certos quadrinhos, a diversão é tentar identificar quem é que está xingando a quem de quê.

Em outros a graça vem do jogo de palavras contido na altercação entre os dois briguentos.

O título da história é uma inversão da expressão “bons ventos o levem”, que, nos tempos dos navios a vela, era mais uma maneira de se desejar uma boa viagem aos navegantes.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Os Sobreviventes

História do Peninha, de 1977.

Esta não é a primeira nem a última vez que papai retrata o Peninha como piloto de aviões de pequeno porte, em especial monomotores de cabine aberta e movidos a hélice. Creio, inclusive, que esta é uma característica que acompanha o personagem desde sempre, juntamente com a preferência do pato abilolado pela motocicleta como veículo terrestre.

A coisa toda também é levemente inspirada em histórias reais de acidentes aéreos, como por exemplo o famoso Milagre dos Andes (ou Tragédia dos Andes) acontecido cinco anos antes, em 1972. Este caso, que foi tão trágico quanto espetacular, serviu como inspiração para vários livros e filmes, aliás.

Pilotar a aeronave que seja durante um forte nevoeiro ou tempestade não é, para dizer o mínimo, uma coisa segura, ou mesmo sensata, de se fazer. É por causa de condições atmosféricas como estas que muitos acidentes aéreos acontecem, como o retratado nesta história.

E é também verdade que é preciso ter muita perícia como piloto para transformar o que poderia ser uma queda feia e mortal em um pouso forçado. O pato é abilolado, é desastrado, é atrapalhado, mas também tem seus talentos e habilidades.

Sem saber exatamente onde estão e perdidos em um matagal no meio de uma tempestade, os dois primos lutam contra o frio e a chuva na tentativa de sobreviver até que o tempo melhore e eles possam finalmente pedir ajuda ou tentar sair dali.

Mas, é claro, também nesta história nem tudo é o que parece ser. A chave para a solução da trama está na estimativa do Peninha sobre a localização do avião. Afinal, “a última vez”, como medida de tempo, é algo bastante relativo.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Patinho Feio… Pra Burro!

História da Companhia Teatral Peninha, de 1977.

Esta é a última história da CTP contra o Pato Donald em si escrita por papai, que não está vinculada a outras linhas criativas como as Sátiras do Peninha, por exemplo.

Como em outras desta série, o conflito aqui é entre os primos pelo direito da CTP de ensaiar ou se apresentar na casa do Donald. Ao mesmo tempo em que tenta negar aos bagunceiros o acesso à sua propriedade, o pato patopolense sempre acaba persuadido a fazer o grande favor (e arcar com os prejuízos) de ceder o espaço, mesmo que seja na base da barra forçada e da chantagem emocional.

Da segunda metade da trama em diante, a coisa toda lembra bastante as brincadeiras de teatrinho que eu fazia naquela mesma época com meu irmão, primos e amiguinhos, sempre que tinha a oportunidade. Essas brincadeiras aconteciam inclusive nas casas de parentes, como a de um irmão de minha mãe, quando íamos visitar.

O interessante é que a companheira de brincadeiras na casa deste meu tio era a filha de uma vizinha, uma menina magrinha que sempre inventava um pretexto para “visitar” a geladeira como se isso fizesse parte da peça, como papai retrata aqui.

Por mais incrível que pareça, portanto, esta é uma obra de ficção baseada em fatos reais. (hehehe) E a bronca acima, pelo jeito, é provavelmente a que papai gostaria de ter ralhado comigo, se não tivesse rido tanto de mais esta pequena “arte” da filha querida.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.