Dia dos Namorados

História do Gordo, de Ely Barbosa, publicada pela Editora Abril na revista do personagem número 22 em junho de 1988.

Houve um tempo em que “namoro” era algo mais ou menos como ter um “amigo predileto”, ou uma “amiga querida” com quem se podia ensaiar os primeiros passos dos relacionamentos mais sérios que viriam naturalmente em idades mais adultas. Assim, não era nada de mais ver crianças “namorando” entre si, desde que tudo acontecesse de uma maneira inocente o suficiente.

Esses “primeiros passos” de relacionamentos mais românticos geralmente tomavam a forma de “paixonites” infantis nas quais as crianças iam expressando livremente seus interesses e não viam motivos para retribuir as atenções de quem não lhes atraía, nem mesmo por educação.

Situações como a da história, na qual o Gordo gosta da Lena, que não sente nada de mais por ele, mas ignora a Fofa, que não faz segredo de que gosta dele, eram comuns entre a criançada.

E o Dia dos Namorados certamente ajuda, ao permitir que as pessoas expressem o seu afeto por meio da troca de presentes, mas também introduz um elemento de competição, onde quem tem dinheiro para dar um presente maior ou mais luxuoso tem melhores chances de “marcar pontos” e causar uma boa impressão.

Este será o conflito e o dilema do Gordo ao tentar impressionar a Lena somente com o conteúdo de um cofrinho de porquinho, ou seja, um punhado de moedinhas. É aí que entra o Tio Bembém, o maluco-beleza, que ensinará ao Gordo sobre a importância dos presentes com “valor sentimental”.

O problema é que o que tem valor sentimental para uma pessoa pode não ser tão valioso assim para outra, o que fará com que esta história termine de maneira tão desastrada para o personagem quanto engraçada para o leitor.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Anúncios

A Descoberta Do Garcia

História do Zorro, escrita em 1972 e publicada em 1975.

Curiosamente, esta foi a primeira de todas a ser escrita, mas foi a penúltima a ser publicada. As histórias de papai para o Zorro foram publicadas de 1973 a 1976.

E ele já começou “causando” (e talvez seja por isso mesmo que ela ficou na gaveta por tanto tempo): uma das características do Sargento Garcia é que ele convive com o Dom Diego o tempo todo, e nunca desconfia de que está na verdade servindo de informante do próprio herói mascarado.

Que ele é um pouco lento de pensamento, todo mundo sabe. Talvez ele até mesmo seja um pouco burro, como o Capitão Monastério vive dizendo. Mas na verdade ninguém é assim tão idiota que não consiga desconfiar do óbvio de vez em quando. Será mesmo que o Garcia é realmente assim tão tapado?

E afinal, quem é mais burro? O Sargento, com seu QI limitado, ou o Comandante, do alto de sua prepotência e abuso de poder?

Já o Zorro hoje será tomado por um sentimento misto de pena pelo sargento boboca e de arrogância ou superioridade em relação aos soldados de Los Angeles que, aliado a um excesso de autoconfiança, quase será a sua ruína logo de saída.

No futuro ele aprenderá a ser mais cuidadoso. Já a solução encontrada pelo Dom Diego para afastar de si as suspeitas só funciona, mesmo, em histórias em quadrinhos. Mas, como é justamente disso que se trata, está valendo.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

A Nova Investida Dos Metralhas

História dos Metralhas, de 1975.

Esta é outra daquelas preciosidades que foram inexplicavelmente publicadas uma vez só. O plano é roubar a Caixa Forte do Patinhas (o que mais poderia ser?) mas os vilões acabam se atrapalhando tanto que vão presos (obviamente, como não poderia deixar de ser) quase sem dar trabalho à polícia e sem nem ao menos conseguir chegar perto de seu alvo.

O desencontro entre as duas partes do bando, uma chefiada pelo Intelectual, que já está esperando perto da fortaleza, e a do Vovô, que está levando a dinamite e o detonador até lá, é algo que acontecia bastante nos tempos antes da invenção do telefone celular.

E, para aumentar a confusão, temos um agravante: hoje o Vovô, que já está meio gagá e às vezes (na maior parte do tempo, na verdade) se comporta como uma criança, está com uma hilária fixação por máquinas de chiclete.

Ele começa comprando os doces com uma moeda, como qualquer pessoa, mas ao receber somente duas bolinhas se frustra e começa a roubar, em um crescente de “violência”. A primeira máquina libera as guloseimas após levar uma mera chacoalhada, mas à medida em que elas vão ficando mais “teimosas” (há várias, espalhadas pelas esquinas das redondezas) o Vovô também vai “sofisticando” os seus métodos. Só que isso não quer dizer, é claro, que os resultados serão os esperados.

Papai tinha uma teoria de que, quanto mais velha uma pessoa vai se tornando, mais “criança” ela vai ficando. A coisa começa com pequenos esquecimentos e manias bobas, depois a pessoa vai ficando frágil, em seguida pode perder o controle sobre certas funções corporais, etc. Se ficar velha o suficiente, corre o risco de ficar tão dependente como um bebê. (O que não é, exatamente, um prospecto lá muito desejável, mas assim é a vida.)

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Horóscopo

Piada da Patrícia, composta em agosto de 1987 e publicada na revista da personagem número 9 em fevereiro de 1988.

A pergunta na qual a piada se baseia é a seguinte: se a astrologia trata de prever o destino de cada um, e os horóscopos são popularmente vistos como uma forma de “ler a sorte” das pessoas, o que um horóscopo de jornal teria a dizer para alguém que é perfeitamente azarado, como o Sapo Urucubaca?

Outro ponto importante é que, como em outros oráculos igualmente antigos (como o de Delfos, por exemplo), na maioria das vezes é preciso que se faça alguma interpretação da previsão que se apresenta. Assim, papai explora todas as possibilidades do que poderia ser considerado um “acidente aéreo”, para maior azar do sapo.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

As Lagartixas Raras

História do Urtigão, de 1975.

Ler mapas, decididamente, é uma arte. Entre uma demissão e outra do jornal “A Patada” Donald e Peninha arranjam outros empregos, com resultados frequentemente hilários.

Hoje eles irão se aventurar pela nobre arte e técnica da Agrimensura ou, pelo menos, tentar. O fato é que uma nova estrada está para ser aberta nos arredores de Patópolis e tudo indica que ela passará pelas terras do matuto Urtigão, de quem os dois patos da cidade morrem de medo, e não sem motivo.

Para a sorte dos primos, ele está de bom humor e os recebe de maneira hospitaleira. Mas eles tremem de pavor só em ver a espingarda do velho.

A desculpa que o Donald inventa é bastante tosca, afinal, o que pode haver de “raro” em uma lagartixa? Elas são bastante comuns no mundo todo, e muito úteis no controle de pestes silvestres e domésticas, como formigas, cupins, mariposas e baratas, insetos dos quais se alimentam.

Mas mesmo assim, uma breve busca na Internet nos revela alguns espécimes realmente exóticos, incluindo uma chamada “Draco Volans“, bichinho natural da Indonésia que lembra bastante as antigas lendas de enormes dragões que cospem fogo.

A graça da história fica por conta dos erros e mal-entendidos que vão se amontoando pelas páginas, para a diversão do leitor. O desfecho é tão surpreendente quanto hilário, mas o leitor atento, ao ver o mapa nas mãos do Peninha, já deveria ter desconfiado.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Roubo Do Ursinho

História do Superpateta, de 1979.

Esta é mais uma variação sobre o tema do cientista maluco com o canhão de raios de controle mental, como trabalhado nas já comentadas aventuras do Falcon e do Capitão Valente. Desta vez o vilão é o Professor Gavião em colaboração com os Metralhas, o que adiciona também o elemento da falta de honra entre ladrões.

Eles realmente têm todos o mesmo objetivo, que vai além da mera colaboração para o roubo: tapear o outro lado para não ter de dividir o produto do crime também faz parte, inclusive com a arrogância de se achar esperto por sua deslealdade.

A particularidade do raio maligno da vez é a indução de um sentimento de profundo tédio (para não dizer de depressão) em suas vítimas, o que faz com que elas percam o interesse em bens materiais e se sintam “cansadas de tudo”. Assim, entregam o que os vilões demandam e também perdem a vontade até mesmo de dar queixa na polícia.

Como sempre o plano parece infalível, o crime perfeito, mas a sua implementação terá uma falha pequena e aparentemente inconsequente que acabará levando o herói até o esconderijo do bando e à prisão dos bandidos.

Papai só anotou o nome da história na lista de trabalho na data da republicação, em 1983. Por isso, ao que tudo indica, ela ainda não está creditada no Inducks. Mas é dele sim, podem confiar.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Feitiço Caprichado

História do Professor Pardal, de 1974.

Um velho ditado diz que “situações desesperadoras exigem ações desesperadas”. E nessas horas, ao que parece, vale tudo: até mesmo recorrer aos serviços de uma bruxa. E é exatamente o que fará o Professor Gavião, após ser expulso do laboratório do inventor do bem pela enésima vez.

Isso, aliás, é algo muito comum aqui mesmo no Brasil. Muito mais gente do que pode parecer (e não, não tem nada a ver com pobreza ou ignorância), ao primeiro sinal de que alguém não vai fazer suas vontades, ou à menor frustração, corre se consultar com uma cartomante (especialmente aquelas que fazem “trabalhos”) ou encomendar feitiços “cabeludos” a algum feiticeiro ou milagreiro de aluguel.

Mas é claro que, em uma história em quadrinhos Disney, ainda que magias e poderes mágicos possam ser tratados como algo real, nenhum mal pode realmente acontecer aos bons, e nenhum crime poderá ficar impune.

O detalhe que porá os planos do Gavião a perder é uma pequena falha de comunicação, aliada à vontade da Madame Min de “caprichar” para impressionar o comparsa cientista. Na parte da magia, mais um ditado se aplica: “cuidado com o que você pede, você pode conseguir exatamente isso”. E na ciência, como sabemos, “um computador não faz o que você quer, mas sim o que você manda. Nesta história, a bruxa será o veículo de um pouco de cada uma das duas coisas. 

Interessante é a pressuposição de que não se pode simplesmente criar dinheiro por meio de magia, mas que ele precisa ser ganho (ou atraído) de algum modo (de preferência honesto), e que até mesmo bruxas superpoderosas precisam dele de vez em quando. Que poder é esse que tem o dinheiro que o torna “imune” às forças ocultas? Ou será que é a dificuldade que nós, simples mortais, temos em ganhá-lo que nos dá essa impressão? É algo para se pensar.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.