Um Dia, Um Gato…

História do Zé Carioca, de 1979.

O conceito do “gato que imita passarinho” é antigo, e já foi assunto para muitas piadas. Há quem diga que é lenda urbana, que gato nenhum consegue realmente imitar um pássaro, enquanto outras pessoas associam as vocalizações dos felinos quando avistam um pássaro próximo (mas obviamente inacessível) com alguma espécie de imitação ou chamado para a improvável presa.

Os muitos sons que os gatos produzem já foram exaustivamente estudados pelos mais diversos cientistas e especialistas em animais, mas ainda assim muita coisa sobre eles permanece um mistério.

A história de hoje se baseia em uma antiga piada sobre uma pessoa que leva seu gato a um show de calouros com a alegação de que o bicho saberia imitar passarinhos. Quando o animal não consegue cantar a pessoa é expulsa do palco sob gargalhadas, antes que possa demonstrar o “outro” talento do animal que se parece com o comportamento de um pássaro.

A graça da piada se baseia no fato de que a maioria das pessoas associa “imitar passarinho” com a reprodução do canto do pássaro em questão, mas a verdade é que aves têm mais características que podem ser imitadas, além dos sons que produzem.

O gato preto de miado diferente apelidado de “Duzentão” (por ser o ducentésimo gato adotado pelo Afonsinho) e levado na coleira em uma noite de lua cheia logo levantará as suspeitas do leitor atento, ainda mais quando coisas esquisitas começam a acontecer em sua presença. Parece que ele sabe fazer bem mais do que simplesmente “imitar passarinho”.

Mas tudo isso não quer dizer que os gatos em geral, e especialmente os pretos, ao que parece, não consigam produzir sons realmente admiráveis, como este gato no link que sabe latir como um cachorro.

Em todo caso, “saber falar mais de um idioma” não é privilégio dos gatos. Certos pássaros também vocalizam sons inusitados que imitam palavras humanas, cantam, sabem contar, rir, chorar e até mesmo “devolvem a gentileza”, imitando gatos e cachorros.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Estúpido E O Comprido

História do Morcego Vermelho, de 1977.

Vender “proteção” (na verdade, extorquir dinheiro mediante ameaça, em troca de não causar danos a pessoas e suas propriedades) é um método antigo de máfias e criminosos em geral para “levantar um dinheiro fácil” pela exploração de comerciantes de rua ou pessoas em situação de vulnerabilidade social.

Este é um crime que pode ser praticado em muitos níveis, do mais grosseiro ao mais sofisticado (desde a simples abordagem violenta até o uso de “fachadas” como a da agência de seguros desta história), e que é muito difícil de combater, já que raramente há provas materiais que possam incriminar o agressor.

Geralmente é a palavra da vítima contra a do bandido dissimulado, que fará de tudo para se colocar em posição de superioridade e desacreditar o extorquido, inclusive com o uso de técnicas de tortura psicológica como o “gaslighting“, por exemplo.

A tarefa dos heróis, hoje, será enfrentar os dois vilões e virar o jogo com inteligência e habilidade, evitando se enredar nas manipulações deles.

Já os bandidos em si guardam uma grande semelhança com personagens clássicos como “o Gordo e o Magro” em uma versão “do mal”. O título desta estória também é uma referência à novela “Estúpido Cupido“, a última novela em preto e branco exibida pela Rede Globo de Televisão em 1976-77.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Os Sobreviventes

História do Peninha, de 1977.

Esta não é a primeira nem a última vez que papai retrata o Peninha como piloto de aviões de pequeno porte, em especial monomotores de cabine aberta e movidos a hélice. Creio, inclusive, que esta é uma característica que acompanha o personagem desde sempre, juntamente com a preferência do pato abilolado pela motocicleta como veículo terrestre.

A coisa toda também é levemente inspirada em histórias reais de acidentes aéreos, como por exemplo o famoso Milagre dos Andes (ou Tragédia dos Andes) acontecido cinco anos antes, em 1972. Este caso, que foi tão trágico quanto espetacular, serviu como inspiração para vários livros e filmes, aliás.

Pilotar a aeronave que seja durante um forte nevoeiro ou tempestade não é, para dizer o mínimo, uma coisa segura, ou mesmo sensata, de se fazer. É por causa de condições atmosféricas como estas que muitos acidentes aéreos acontecem, como o retratado nesta história.

E é também verdade que é preciso ter muita perícia como piloto para transformar o que poderia ser uma queda feia e mortal em um pouso forçado. O pato é abilolado, é desastrado, é atrapalhado, mas também tem seus talentos e habilidades.

Sem saber exatamente onde estão e perdidos em um matagal no meio de uma tempestade, os dois primos lutam contra o frio e a chuva na tentativa de sobreviver até que o tempo melhore e eles possam finalmente pedir ajuda ou tentar sair dali.

Mas, é claro, também nesta história nem tudo é o que parece ser. A chave para a solução da trama está na estimativa do Peninha sobre a localização do avião. Afinal, “a última vez”, como medida de tempo, é algo bastante relativo.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Patinho Feio… Pra Burro!

História da Companhia Teatral Peninha, de 1977.

Esta é a última história da CTP contra o Pato Donald em si escrita por papai, que não está vinculada a outras linhas criativas como as Sátiras do Peninha, por exemplo.

Como em outras desta série, o conflito aqui é entre os primos pelo direito da CTP de ensaiar ou se apresentar na casa do Donald. Ao mesmo tempo em que tenta negar aos bagunceiros o acesso à sua propriedade, o pato patopolense sempre acaba persuadido a fazer o grande favor (e arcar com os prejuízos) de ceder o espaço, mesmo que seja na base da barra forçada e da chantagem emocional.

Da segunda metade da trama em diante, a coisa toda lembra bastante as brincadeiras de teatrinho que eu fazia naquela mesma época com meu irmão, primos e amiguinhos, sempre que tinha a oportunidade. Essas brincadeiras aconteciam inclusive nas casas de parentes, como a de um irmão de minha mãe, quando íamos visitar.

O interessante é que a companheira de brincadeiras na casa deste meu tio era a filha de uma vizinha, uma menina magrinha que sempre inventava um pretexto para “visitar” a geladeira como se isso fizesse parte da peça, como papai retrata aqui.

Por mais incrível que pareça, portanto, esta é uma obra de ficção baseada em fatos reais. (hehehe) E a bronca acima, pelo jeito, é provavelmente a que papai gostaria de ter ralhado comigo, se não tivesse rido tanto de mais esta pequena “arte” da filha querida.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Beto Bom de Bola

História da Patrícia, de Ely Barbosa, composta em janeiro de 1988 e publicada pela Editora Abril na revista Patrícia 17 em maio do mesmo ano.

Consta, na lista de trabalho, que esta história foi devolvida para reformulação por duas vezes, até chegar a ficar do agrado do editor. Ela mistura o tema das brincadeiras infantis de outrora, que papai gostava de trabalhar com a Turma da Patrícia, com lembranças da infância do próprio autor e uma referência à cultura popular.

Para começar temos essa “modernidade” na promoção de uma ideia de igualdade na qual não existe brincadeira “de menino” ou “de menina”: o time de futebol que a turminha reúne para jogar (com bola de meia, em outra referência às antigas brincadeiras) com uma turminha rival é composto por meninos e meninas, lado a lado, e conta inclusive com um sapo no gol.

E é nesse ponto que entra a lembrança de infância de papai. Ao escalar o sapo Urucubaca para o gol, com o comentário de que “ele é baixinho, mas pula que é uma beleza”, ele está lembrando da própria trajetória pelos gramados: enquanto jogava no futebol infantil, foi um ótimo goleiro. Mas quando foi preciso fazer a transição para o gol de tamanho oficial, faltaram-lhe alguns centímetros de altura que nem mesmo a agilidade nos pulos conseguiu compensar.

Já o título da história é uma referência à música popular brasileira, e a um episódio polêmico que ocorreu no III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record em 1967: ao defender sua canção intitulada justamente “Beto Bom de Bola“, composta em homenagem ao jogador Roberto Hermont Arantes, o compositor Sérgio Ricardo foi vaiado pelo público e, irritado, quebrou seu violão no palco.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Navio-Fantasma

História do Donald e do Peninha, de 1977.

Enviados pelo Tio Patinhas a uma localidade no litoral para um trabalho, os dois primos se vêm às voltas com o que parece ser um caso de aparição de fantasmas, completo com uma misteriosa caravela que aparece e desaparece aparentemente do nada.

Como sempre fazia quando compunha esse tipo de história, papai faz o mistério e o suspense aumentarem a cada quadrinho que se adiciona aos demais, mas também deixa pistas para que o leitor possa tirar suas próprias conclusões, com uma série de silhuetas escuras à espreita pelos cantos (mesmo que nosso amigo leitor precise, talvez, de uma lente de aumento para perceber do que se trata).

Quem serão essas pessoas, e quais serão as intenções delas? Também como sempre, nada nem ninguém é o que parece ser, e é melhor que o leitor atento desconfie de tudo e de todos, porque tudo é muito misterioso e muito suspeito. Na verdade, nem mesmo a função dos repórteres de A Patada na trama é o que parece ser.

Uma pista bastante óbvia do que pode realmente estar acontecendo é a ausência do pato muquirana do escritório, quando o Donald finalmente consegue encontrar um telefone fixo para tentar falar com o tio. (Pois é, houve um tempo em que nem se sonhava com telefones celulares, e esse tipo de desencontro era algo muito comum.) Se o Patinhas não está onde deveria estar, então onde está ele?

É preciso não esquecer que, na literatura de mistério policial na qual esta história se insere e à qual faz homenagem, nada acontece por acaso e o vilão é geralmente o personagem que menos levanta suspeitas.

Papai tira sua inspiração não apenas das tramas clássicas de estilo policial, de suspense, de terror e de mistério, mas também das histórias de piratas e ilhas do tesouro, completas com mapas antigos e grandes pedras em forma de caveira.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Ladrão Misterioso

História do Pena Kid, de 1977.

Enquanto faz o Peninha escrever mais uma hilária história do Vingador do Oeste, papai hoje leva suas aulas sobre como (não) fazer histórias em quadrinhos às últimas consequências.

Como eu já disse em outras postagens, começar a escrever uma história sem antes ter decidido como ela vai terminar pode levar a um fluxo mais livre de ideias e a mais criatividade, mas pode também fazer com que o redator se perca em seus pensamentos e não consiga terminar a história de maneira coerente.

Outro elemento desta história é uma leve autocrítica de papai sobre a própria criação. Todo autor de histórias em série, e com a produção intensa demandada por um regime de trabalho como o dele, com o tempo desenvolve certos temas fixos sobre os quais fazer variações e “muletas” nas quais se apoiar quando as ideias originais ameaçam rarear.

Era preciso escrever um grande número de páginas por mês, e nem sempre as ideias vinham facilmente. Assim, a “muleta” de papai era “o ladrão”: quando ele não sabia mais o que fazer, acabava colocando um ladrão na história para tentar dar uma chacoalhada nas coisas.

Assim criava-se uma distração e a trama podia seguir um rumo bem definido: era preciso resolver o roubo e prender o ladrão. Pronto, problema solucionado e história terminada. (Mas é óbvio que nem isso o Peninha consegue fazer, o que só adiciona graça ao meta quadrinho.)

O problema é que às vezes ele exagerava um pouco, e a turma da redação “estrilava”. Ele estava ciente disso. Fazer graça de si mesmo era uma maneira de se “penitenciar”. E de colocar mais algumas páginas sobre a mesa e dindin na conta no fim do mês, é claro.

Interessante é a invenção de um cachorro farejador para o Pena Kid, chamado “Tim-Rim-Rim”, uma brincadeira com o famoso “cão-ator” Rin-Tin-Tin, popular nos EUA nos anos 1920 e 1930. Um de seus sucessores (houve vários “Rin Tin Tin” ao longo dos anos) fez sucesso no Brasil nos anos 1950 com filmes de faroeste.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.