O Ladrão Misterioso

História do Pena Kid, de 1977.

Enquanto faz o Peninha escrever mais uma hilária história do Vingador do Oeste, papai hoje leva suas aulas sobre como (não) fazer histórias em quadrinhos às últimas consequências.

Como eu já disse em outras postagens, começar a escrever uma história sem antes ter decidido como ela vai terminar pode levar a um fluxo mais livre de ideias e a mais criatividade, mas pode também fazer com que o redator se perca em seus pensamentos e não consiga terminar a história de maneira coerente.

Outro elemento desta história é uma leve autocrítica de papai sobre a própria criação. Todo autor de histórias em série, e com a produção intensa demandada por um regime de trabalho como o dele, com o tempo desenvolve certos temas fixos sobre os quais fazer variações e “muletas” nas quais se apoiar quando as ideias originais ameaçam rarear.

Era preciso escrever um grande número de páginas por mês, e nem sempre as ideias vinham facilmente. Assim, a “muleta” de papai era “o ladrão”: quando ele não sabia mais o que fazer, acabava colocando um ladrão na história para tentar dar uma chacoalhada nas coisas.

Assim criava-se uma distração e a trama podia seguir um rumo bem definido: era preciso resolver o roubo e prender o ladrão. Pronto, problema solucionado e história terminada. (Mas é óbvio que nem isso o Peninha consegue fazer, o que só adiciona graça ao meta quadrinho.)

O problema é que às vezes ele exagerava um pouco, e a turma da redação “estrilava”. Ele estava ciente disso. Fazer graça de si mesmo era uma maneira de se “penitenciar”. E de colocar mais algumas páginas sobre a mesa e dindin na conta no fim do mês, é claro.

Interessante é a invenção de um cachorro farejador para o Pena Kid, chamado “Tim-Rim-Rim”, uma brincadeira com o famoso “cão-ator” Rin-Tin-Tin, popular nos EUA nos anos 1920 e 1930. Um de seus sucessores (houve vários “Rin Tin Tin” ao longo dos anos) fez sucesso no Brasil nos anos 1950 com filmes de faroeste.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Pena Kid, O Bandidão

História do Pena Kid, de 1976.

Todo herói dos quadrinhos que se preze tem seu dia de bandido, e com o Vingador do Oeste não poderia ser diferente. Mas não é só o herói que vai ficar malvadão: todos os habitantes de Pacífica City terão suas personalidades invertidas.

O interessante é que papai nos oferece duas explicações para o fato. Uma advinda da redação de A Patada, e outra contida na história que “o Peninha” está escrevendo, que está mais de acordo com as soluções apresentadas em filmes e HQs: na maioria dos casos mais clássicos ou é fingimento do herói como parte de um plano para infiltrar uma quadrilha de bandidos, ou ele é coagido a agir assim por chantagem e para proteger alguma pessoa inocente que é refém dos vilões, ou é vítima de algum elixir ou raio de controle da mente.

Mas a verdade é que inversões de personalidade em massa, como a que vemos hoje, são bem mais raras de acontecer. Afinal, se o mocinho pode, às vezes, ter um bom motivo para ficar temporariamente mau, os bandidos quase nunca se convertem em bons.

Papai, como sempre, vai distribuindo pistas pelas páginas na esperança de que o leitor atento vá saber identificá-las e solucionar o mistério da inversão de papéis.

Não que isso realmente importe, aqui. Mais importante do que o roteiro da história do Pena Kid em si é mostrar como uma história em quadrinhos é feita ou, mais exatamente, satirizar alguns métodos de criação de quadrinhos, e especialmente os mais espontâneos (quando o escritor inicia uma história sem ter decidido como ela vai terminar e se guia pela livre associação de ideias – o que pode levar a soluções forçadas), ou os que se apoiam demais em clichês e se tornam previsíveis.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

No Território Dos Pés-Chatos

História do Pena Kid, de 1975.

Esta história, na verdade, é menos sobre o que acontece entre o Vingador do Oeste e os índios Pés Chatos (ênfase em “chatos”) do que sobre o “processo criativo” do Peninha na redação de A Patada e como os palpites do Tio Patinhas influenciam na coisa toda.

É também uma crítica aos clichês dos filmes de faroeste “macarrônicos“, produções italianas e espanholas de baixo custo e muitas improvisações que tomaram as telas dos cinemas nos anos 1960, na onda dos grandes Westerns Norte Americanos dos anos 1950.

Assim, além dos panos de fundo mal disfarçados e cidades construídas somente de fachadas, outros elementos que não podiam faltar eram o conflito com os índios, as cenas de luta corpo a corpo das quais o herói sempre começava perdendo mas no final saía vencedor (mesmo que para isso fosse preciso dar uma forçada no roteiro), a presença e o salvamento de uma mocinha em apuros (idem), a ocasional cena melodramática (ibidem) e outras coisas do gênero.

E tudo isso, é claro, era feito na intenção de manter feliz ao público que assistia esses filmes. Os produtores temiam que, se os espectadores saíssem descontentes dos cinemas, eles fossem acabar perdendo dinheiro. Era algo mais ou menos parecido com o que acontece hoje em dia com as novelas de televisão, que vão avançando às vezes de maneira meio errática, mas sempre de acordo com os gostos dos telespectadores.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Pena Kid Ataca Novamente

História do Pena Kid, de 1974.

Depois das três histórias de apresentação, a saber: “Quadrinhos e Adivinhos”, “Uma Missão Espinhosa” e “Pena Kid e Xaxam”, esta pode ser considerada a primeira aventura propriamente dita do Vingador do Oeste como personagem do Peninha.

Aqui papai começa a trabalhar todos os clichês dos velhos filmes de faroeste, como a cidade cenográfica feita só de fachadas de madeira apoiadas em varas, o forasteiro que chega à cidade (chamada Buracodebala City) e é confundido com um bandido, e acima de tudo os tiroteios intermináveis nos quais ninguém fere ninguém, só os bandidos ficam sem balas no final (as da arma do mocinho não acabam nunca) e o herói sempre vence, apesar de ser só um contra um bando de foras-da-lei.

pk-ataca

O detalhe interessante é que nesta história o Alazão de Pau não apenas pensa as suas falas (como na maioria das histórias seguintes), mas realmente as pronuncia em voz alta, para o espanto de todos. Já que ele é um objeto mágico, feito de um tronco dado ao herói por um velho índio, ele realmente deveria poder fazer muitas coisas.

É uma pena que, ao longo do tempo (e frequentemente por sugestão de chefes e colegas), o Alazão tenha gradativamente perdido suas capacidades mágicas até se tornar um mero cavalo de verdade. Um final melancólico para o que começou como a exaltação mágica de um brinquedo querido, uma ode à felicidade das brincadeiras de infância.

Aqui também vemos a continuação da tradição dos palpites do Tio Patinhas, que seria um elo de ligação entre as várias histórias até o personagem ser “desligado” da redação de A Patada na história chamada “A Conquista do Oeste”, e o começo das “indiretas” e piadas internas dirigidas aos colegas e chefes na redação da Editora Abril que papai distribuiria pelas páginas de muitas de suas histórias, especialmente as do Pena Kid e as do Morcego Vermelho ao longo dos anos.

pk-ataca1

E hoje pela primeira vez, o mocinho vem cantando uma versão mais tradicional de “Oh, Suzana”, no quadrinho de abertura da história. Se, como eu calculei em meu comentário sobre “O Norte Contra o Sul”, Pacífica City fica no Arizona, e se (como diz a música) o Pena Kid vem do Alabama (a quase um continente inteiro de distância, olhem no mapa), então Buracodebala City provavelmente ficaria em algum ponto entre esses dois estados, no sul dos EUA.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

O Norte Contra o Sul

História do Pena Kid, de 1976.

Esta é uma brincadeira com a Guerra Civil nos EUA. Pode ser considerada também um manifesto pacifista, ou uma sátira que tenta demonstrar a inutilidade de todas as guerras. “Norte Contra Sul” é também o nome de um livro, de autoria de ninguém menos do que Julio Verne.

A premissa é bastante logica: se a história se passa no Velho Oeste, em algum momento a cidade de Pacífica City deve ter se visto envolvida no conflito. Esta é a primeira desvantagem das guerras em geral: se os governantes decidem que o país está em guerra, todos os habitantes serão envolvidos, queiram ou não. Em tempos de paz é muito fácil ser pacifista, mas isso pode não ser tão simples em épocas de conflito.

Outro problema é que lado tomar, já que não há alternativa. E esta é outra das desvantagens de uma guerra: é obrigatoriamente preciso tomar um partido, mesmo que isso signifique ter de ver seus amigos ou entes queridos do outro lado. Aqui, enquanto os personagens decidem de que lado ficar, vemos as caricaturas de alguns membros da redação. Um deles, inclusive, chega a ser preso só por achar os uniformes azuis mais bonitos do que os cinza.

pk-nxs1

Em seguida, juntamente com a suposta localização de Pacífica City no mapa, vemos um importante detalhe geológico. A cidade fica às margens do “Rio Colorido”, em uma alusão ao “Rio Colorado“, que corta cinco estados na região mais desértica dos EUA. Desses, só o Arizona ficou do lado dos sulistas. Se Pacífica City realmente existisse no mundo real, eu arriscaria então dizer que ela ficaria em algum lugar às margens do Lago Powell, entre Utah e Arizona. Mas os mapas antigos podiam ser bastante imprecisos e isso, em época de guerra, também pode ser um grande problema.

pk-nxs2

Por fim, meu “mui modesto” (sqn) papai também deixou uma anotação no alto da primeira página. Mas enfim, ele era realmente um gênio, e tinha todo o direito de mandar a modéstia às favas de vez em quando.

pk-nxs

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

O Vale Dos Desaparecidos

História do Pena Kid, de 1975.

As histórias do Pena Kid buscam divertir não apenas pelo humor da comédia do absurdo, mas também pela sátira dos clichês dos filmes de faroeste. Me parece, inclusive, que os quadrinhos e o cinema, que surgiram mais ou menos na mesma época, eram uma inspiração um para o outro, “emprestando” clichês de lado a lado.

O título da história vem de um seriado com temática de faroeste dos EUA dos anos 1940. Ele é tão antigo, na verdade, que naquele tempo era exibido nos cinemas.

Um exemplo de clichê dos filmes e quadrinhos clássicos que tem sido usado até hoje, com poucas variações, é o do medalhão. Em tempos muito anteriores aos exames de DNA, uma joia de família ou outro objeto pessoal passado de uma geração a outra poderia ser uma das poucas evidências que se poderia usar para tentar identificar um suposto parente, com todas as desvantagens que isso acarretava. O problema é que isso foi tão explorado nos melodramas como solução rápida e fácil, que rapidamente ficou cansativo.

pk-vale

Quanto à interpretação por papai do nome do vale em questão a situação começa bem prosaica, como apenas mais uma desculpa do Peninha para cochilar durante o expediente, e vai ficando cada vez mais elaborada à medida que a insatisfação do Tio Patinhas com a condução do roteiro vai aumentando. Mas isso não quer dizer que as sucessivas soluções encontradas pelo Peninha para os desaparecimentos não vão ser menos clichê (e absurdas) do que o resto.

pk-vale1

As sucessivas reviravoltas ilógicas introduzidas por papai vão deixando a história cada vez mais caótica. A mensagem que ele tenta passar é a de que se, por um lado, um pouco de confusão é algo bom, uma situação absurda demais pode transformar até o mais sério dos filmes de faroeste em uma comédia. Um delicado equilíbrio é necessário para fazer a história “funcionar”, mesmo em situações declaradamente satíricas. Já o uso do “Peninha Quadrinista” dava a ele uma liberdade de brincar com os elementos das histórias em quadrinhos que ele não tinha com outros personagens mais tradicionais.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

 

O Roubo Da Diligência

História do Pena Kid, de 1975.

A proposta é fazer uma grande sátira dos antigos filmes de faroeste, apontando de maneira bem humorada todos os clichês do gênero.

São aquelas cenas que “não podem faltar” em um filme de bangue-bangue, por mais batidas que sejam, desde a cena da emboscada dos bandidos, na primeira página, passando pelos mal disfarçados panos de fundo que imitam paisagens do “oeste selvagem”, o mocinho amarrado em uma estaca pelos índios que dançam à sua volta e até os truques baratos de câmera e de edição que foram os precursores dos atuais efeitos especiais.

pk-diligencia

Como sempre o Peninha escreve e desenha e o Tio Patinhas dá palpites, que o quadrinista de A Patada vai tentando adaptar à história para satisfazer o tio e chefe, desde que isso não o obrigue a redesenhar a história toda, para poupar trabalho (primeira lição ao quadrinista iniciante: nunca tenha medo de rasgar tudo e começar novamente desde que, é claro, o resultado inicial esteja realmente ruim. Pois é, criar dá trabalho).

Isso, aliás, se relaciona com a história que comentei ontem, do Zé Carioca, que foi originalmente publicada na mesma revista que esta: tem a ver com a presença dos personagens principais na trama desde o início, para evitar que personagens “caiam de paraquedas” no meio da ação e confundam o leitor (e esta é a segunda lição de hoje ao quadrinista iniciante, além, é claro, de fugir dos clichês como o Diabo foge da Cruz 😉 ).

pk-diligencia1

Se a Min estava na história desde o primeiro quadrinho, mesmo que na forma de um siri ou caranguejo (mas ainda reconhecível para o leitor atento), onde é que está o Pena Kid na diligência do Banqueiro Patatinhas no primeiro quadrinho? E será que o leitor, atento ou não, terá alguma chance de identificar o personagem desde o início? E essa solução é mesmo válida, ou só vale para uma sátira?

pk-diligencia2

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Se você gosta do que lê aqui, por favor considere comprar os livros. Se não puder (ou já tiver a sua cópia), e assim mesmo ainda quiser ajudar, considere fazer uma doação de qualquer valor à vaquinha deste blog. Obrigada.