O Gênio Da Garrafa

História dos Irmãos Metralha, de 1980.

Poderia haver alguma utilidade ou valor em coisas que se acha em um lixão? Mesmo que esse “lixo” seja uma antiga garrafa com um gênio dentro? Ou será que neste caso o “lixo” é o próprio gênio?

Há quem diga que “o lixo de uma pessoa é o tesouro de outra” e muita gente hoje em dia (designers e artistas plásticos inclusos) está tentando transformar lixo em luxo em nome da sustentabilidade, seja por reciclagem, reuso ou reaproveitamento de materiais do dia a dia como móveis quebrados, embalagens de alimentos, restos de tecidos e sacolas plásticas, por exemplo.

Mas alguns tipos de lixo, como veremos nesta história, não estão no lixão por engano e realmente não servem para nada. A primeira pista disso é que o personagem principal hoje é o Azarado, de quem também não se pode esperar nada de útil.

Já a aparência “ametralhada” do gênio em questão também dá pistas de sobre como os seus poderes funcionam e como ele consegue materializar as coisas que os Metralhas pedem.

Isto pode ser interpretado também como uma reflexão sobre processos criativos em geral, já que só quem cria “tudo de nada”, se formos acreditar nos preceitos das principais religiões, é Deus. A nós, meras criaturas, por melhores artistas ou artesãos que possamos ser, cabe somente “reaproveitar” os materiais que encontramos na natureza à nossa volta, por mais nobres e valiosos que eles sejam, para conseguirmos materializar as ideias que brotam de nossas mentes.

O nome do gênio, Salam-Inhu, é mais uma criativa alfinetada de papai na cultura árabe, já que “Salam” significa “Paz” no idioma deles, mas o sufixo cria uma contradição em termos ao nos lembrar o alimento “salaminho” que leva, significativamente, carne de porco em sua composição. Isso faz com que os muçulmanos o rejeitem como algo impuro (o que, aliás, é mais uma pista sobre as características deste gênio em especial).

De resto, todas as regras da magia sobre gênios da garrafa tradicionais se aplicam, como o limite de três desejos e os pedidos atendidos ao pé da letra.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Anúncios

Carnaval Em Patópolis

História de Carnaval, de 1982.

Esta deve ser uma das mais criativas histórias de papai sobre o tema. Ela consegue reunir, em 15 páginas, tantos personagens diferentes que nem é lá muito fácil saber quem é o personagem principal da trama.

A história começa como uma competição entre Patinhas e Patacôncio para ver quem organiza a festa de Carnaval mais bem sucedida. A ideia é ver qual salão vai lotar, e qual dos organizadores vai ficar com o seu salão vazio.

Assim, como jogada de marketing, o Peninha (sempre bom publicitário) sugere trazer do Rio de Janeiro o Zé Carioca, contratado como carnavalesco. O Zé, por sua vez, tem a ideia de organizar um concurso de fantasias de alto luxo (como as que aconteciam no Teatro Municipal da Cidade Maravilhosa em seu auge), com a “milionária carioca” Rosinha fantasiada de Rainha de Manoa e usando jóias de verdade (como também já aconteceu em muitas festas de Carnaval organizadas por e para gente muito rica), para chamar a atenção.

Isso, é claro, vai atrair não apenas o público em geral mas também ladrões como o Mancha Negra. Portanto, será preciso chamar o Mickey e o Pateta para fazer a segurança da festa. Além disso, ao ver sua festa dar com os costados na praia, o Patacôncio fica furioso e resolve entrar de penetra para tentar estragar o evento do rival. O que começa como uma festa de carnaval e uma competição entre dois magnatas logo vira uma história policial para ninguém botar defeito.

E é aí que papai começa a brincar com as percepções do leitor: como o baile é a fantasia, qualquer pessoa pode estar fantasiada de qualquer coisa. O leitor sabe das intenções do Mancha. Assim, quando o Coronel Cintra entra duas vezes, uma sem e outra com convite, e ainda por cima começa a se comportar de um modo totalmente bipolar, o Mickey e o Pateta tiram as próprias conclusões, e o leitor vai na deles.

Preste atenção na cena abaixo, caro leitor: você tem certeza de que todos são o que parecem ser? Que o “Coronel” está com más intenções é óbvio. Mas o que fazem ali os Metralhas com essa calma toda? E por que o Pateta estaria com essa cara de quem comeu e não gostou?

De pista em pista, tudo será revelado, o bandido preso e a confusão desfeita. Mas, até lá, as risadas também serão muitas.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Unidos, Perderemos!

História dos Irmãos Metralha contra o Sr. X e seu bando, de 1985.

Este é mais um daqueles casos em que o editor achou por bem mudar o nome da história na hora de publicar. Composta originalmente em janeiro de 1984 para os Irmãos Metralha com o nome “O Roubo Do Século”, ela voltou à mesa de papai para ser reformulada em fevereiro (quando passou para o domínio do Sr. X) e maio do mesmo ano, sendo então finalmente comprada.

Além disso, papai aparentemente se confundiu ao registrar o número final de páginas na lista de trabalho. São 12, não 9. Por tudo isso, o pessoal do Inducks provavelmente resolveu não arriscar e deixou a história sem autoria. (Ainda está em tempo, rapazes, podem creditar). Mas como também não há nenhuma história no Inducks com o nome de “O Roubo Do Século”, só restam duas alternativas: ou “O Roubo” nunca foi publicada e se perdeu entre os papéis, ou é mesmo esta aqui. (E a presença da revista na coleção é outra pista importante, é claro.)

Mais evidências são o uso que o Sr. X faz, por duas vezes, da expressão “roubo do século” (uma logo no primeiro quadrinho e a outra na página 6) e a menção às “Jóias da Coroa do Império da Bobilônia” como sendo o alvo do tal roubo. Este era um jogo de palavras bastante comum (misturando “bobo” com “babilônia”) no “estilo Said” de se fazer quadrinhos.

A trama bem costurada também é típica do estilo de papai, a começar pelo fato de que os dois bandos rivais têm a mesma ideia maligna ao mesmo tempo. Como sempre nada está ali por acaso, muito menos a infestação de pernilongos no esconderijo.

E acontece que o plano do Sr. X é tão sofisticado que conta até com um spray que é usado para descobrir focos de alarmes e outro de gás do sono para enfrentar a polícia. Mas o leitor atento já vai perceber que o plano não vai dar certo ao ver que há três latas de spray sobre a mesa, contando com o inseticida. A partir daí, não será difícil adivinhar o que vai acontecer.

Na verdade o leitor vai se divertir tanto, mas tanto, com as trapalhadas dos dois bandos de ladrões pés de chinelo cheios de si que talvez nem perceba que o Sr. X finalmente conseguiu pelo menos parte do que queria. Ele pode ainda não ter sido reconhecido como o “rei” do crime, mas foi finalmente preso, junto com sua quadrilha, por *tentativa de roubo*. Já é alguma coisa, para quem começou a carreira sem nem ao menos conseguir realmente cometer um crime, e muitas vezes até mesmo inadvertidamente ajudando a polícia.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

A Fazenda Modelo

História dos Irmãos Metralha, de 1981.

Uma “fazenda modelo”, por definição, é uma instalação agrícola cuja estrutura e métodos servem de exemplo (ou modelo) para outras. Há fazendas desse tipo que prestam serviços, como o de locação para festas e eventos, outras são centros de acolhimento de animais abandonados e outras ainda praticam várias formas de agricultura experimental.

A fazenda onde meu avô, pai de papai, trabalhou como engenheiro agrônomo em Tietê/SP e onde meu pai passou parte da infância era uma dessas fazendas experimentais nas quais árvores frutíferas de todos os lugares do mundo eram aclimatadas para cultivo em grande escala no Brasil.

Já a fazenda do Tio Patinhas, que será atacada hoje pelos Metralhas, é uma fazenda experimental em um sentido mais tecnológico: em mais uma “profecia futurista” de papai, todo o trabalho, do plantio à colheita, e incluindo os cuidados com os animais e a ordenha do leite, é feito por máquinas e robôs autônomos de tipos variados. As fazendas atuais, aliás, já estão quase lá, com muitas de suas atividades feitas por grandes máquinas.

Dentre essas máquinas todas o destaque vai para o robô gigante de nome Ciclópton, que serve de segurança do local. Assim, enquanto as outras são programadas apenas para trabalhar, mas não para se defenderem ou reagirem se forem atacadas, o robô de um olho só faz o “trabalho sujo” de montar guarda e lidar com ladrões.

Papai deixa claro que a referência é à mitologia grega e à lenda de Ulisses: durante a Odisseia, a épica viagem de volta para casa depois da guerra de Troia, o herói e sua tripulação vão dar com os costados em uma ilha habitada por gigantes devoradores de homens de um olho só chamados Ciclopes. Para não servirem eles também de comida de gigante, os marinheiros primeiro cegam o gigante, ferindo seu único olho, e depois se agarram aos carneiros criados pelo monstro para conseguirem sair da caverna onde estão presos.

Assim, o plano é usar disfarces de ovelha para tentar entrar na fazenda, na esperança de conseguir enganar o robô. Mas é só esperança, mesmo: é óbvio que o plano vai dar espetacularmente errado, para a diversão do leitor.

Esta história contém também uma das piadas recorrentes mais engraçadas que eu já vi nas histórias de meu pai: cada pessoa que tenta contar as ovelhas cai no sono imediatamente. Primeiro o Donald, e depois o Tio Patinhas. E se acordam e tentam contar as ovelhas de novo, caem no sono outra vez, todas as vezes. Isso, é claro, não é somente mais uma piada engraçada, mas terá uma função decisiva no desfecho da trama.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

A Nova Metralhópolis

História da Família Metralha, de 1981.

Esta é a segunda história sobre o tema. A primeira foi publicada em 1974, mas não tenho a revista na coleção. Em todo caso, papai faz aqui um resumo dela para o leitor: os Metralhas se mudaram para a antiga Metralhópolis para escapar da polícia, mas acabaram se dando mal por causa da mania do Vovô de roubar e depois esquecer. Já vimos que isso também foi usado em histórias como “Campistas Vigaristas”, entre outras.

A cidade de Metralhópolis não deixa de ser um conceito interessante. Afinal de contas, se existe Patópolis, que é a cidade dos patos, Gansópolis, para os gansos, e até mesmo uma Ratópolis na “região metropolitana” de Patópolis, é natural que outros grupos resolvam formar suas próprias comunidades.

Para tentar resolver o problema dos roubos em família, a nova regra da cidade é que não haja dinheiro entre eles, para que os “cidadãos” não se sintam tentados. A ideia é boa, não há como negar.

Mas o caldo começa a entornar quando surgem notas no valor de “quinhentos” (não fica clara a moeda, que tanto pode ser cruzeiros ou patacas patopolenses) rolando no chão. Em alguns quadrinhos aparece inclusive uma mão que disfarçadamente as joga entre os membros do bando. Portanto, não é coincidência. Este é o “Pomo da Discórdia” que dá início à queda de Nova Metralhópolis. (Em tempo: os deuses parecem ter um senso de humor dos infernos, especialmente quando se trata de avacalhar com os mortais, mas essa é outra história.)

Proposto o problema, papai começa a colocar pistas estratégicas da solução para o leitor atento. O interessante é que elas são tão óbvias que passam completamente despercebidas. Além disso, é preciso ter acompanhado toda a trajetória dos personagens e conhecer a família muito bem para matar a charada de primeira. Essa é para fãs de verdade.

Por fim, papai escancara para o leitor na forma da dedução do Sherlock Metralha, que aqui é usado como o “suspeito óbvio demais” dos grandes contos policiais, aquele que serve para desviar a atenção do leitor do verdadeiro culpado.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Criança Sofre!

História do Professor Pardal, de 1980.

Muita gente sonha em voltar aos tempos de infância e ser criança de novo para poder fazer todas as coisas de que gostava e rever seus entes queridos que podem já não estar entre nós.

Mas pouca gente se lembra de que, mesmo que a idade adulta não seja fácil, a vida de uma criança pode ser também bastante complicada. O principal problema de ser criança é a falta de autonomia que faz com que elas estejam sempre sob a supervisão e submetidas à autoridade dos adultos, que sempre acham que sabem o que é melhor para elas (e frequentemente com toda a razão) e podem não acreditar no que elas têm a dizer, mesmo que seja verdade.

Em todo caso, mais do que uma oportunidade para filosofar sobre as dores e as delícias de ser criança, papai viu aqui uma chance de proporcionar à Nani Metralha (criada no exterior em 1977 com o nome original de Nanny Beagle para uma história só e publicada no Brasil em 1979) mais uma aventura antes que ela caísse na mais completa obscuridade.

Essa personagem é um misto de babá com avó e tia velhinha, uma cuidadora super protetora e condescendente que trata os jovens Metralhas como se fossem anjinhos, mesmo sabendo de suas traquinagens. Como bem sabemos, mimar uma criança, fazer todas as suas vontades e fazer vista grossa para todos os seus erros é a receita certa para criar um adulto de valores completamente distorcidos.

Assim, temos pelo menos uma explicação possível para o mau caráter dos Irmãos Metralha e de como eles chegaram a ser os bandidos que são.

O resto são variações sobre o tema da história original, com algumas coisas fielmente adotadas, como a máquina do tempo que mais parece um cofre e a boa fé do Pardal, que se deixa levar na lábia dos Metralhas na esperança de poder regenerá-los, e outras diferentes, como a volta à infância propriamente dita e não à adolescência.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Uma Idéia De Gênio

História dos Irmãos Metralha, de 1982.

Bem, se tem gênio no título, geralmente é porque tem gênio na garrafa, também. Até aí, tudo bem. O problema é que, além do gênio e da ilha deserta vai haver o Metralha 1313, só para adicionar mais uma pitada de caos à confusão.

Como já vimos em outras histórias de papai sobre o tema, conseguir bons resultados ao fazer pedidos a gênios da garrafa não é tão fácil como parece. Na verdade, isso chega a ser uma arte. Mais ainda, é realmente preciso ser mesmo um “gênio”, uma pessoa muito inteligente, para conseguir arrancar algo que preste de um gênio da garrafa.

O Gênio de hoje é até bem generoso: ao ver cinco “candidatos a amo” em volta de sua garrafa na areia, concede um pedido a cada um. Parece bom, mas como evitar fazer pedidos conflitantes naquele estilo dos “dois náufragos, o gênio, três pedidos e a linguiça”? (Só para lembrar: o primeiro está com fome, e pede uma linguiça. O segundo fica com raiva, e manda a linguiça ficar grudada no nariz do primeiro. No final, eles têm de usar o terceiro pedido para tirar a linguiça do nariz do rapaz e acabam ficando a ver navios.) É aí que o Metralha Intelectual vai colocar toda a sua inteligência para funcionar, e chegar ao que parece ser o pedido perfeito. É essa a “ideia de gênio” de que fala o título.

Mas não vamos nos esquecer de que a família que é também uma quadrilha só está onde foi parar porque roubou um iate do banqueiro Patacôncio. Eles são bandidos, são ladrões, são vilões, trapaceiros, desleais até com os próprios parentes e não merecem que nada de bom aconteça com eles, decididamente.

Assim, papai usará o 1313 como o elemento curinga que, com sua ideia de “jênio” (com “J” mesmo, para enfatizar a burrada) colocará tudo a perder e servirá o castigo de bandeja aos primos. É a famosa “ideia de Jerico“.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.