Restaurando O Restaurante

História do Professor Pardal, de 1973.

O inventor maluco de Patópolis tem uma namorada, quem diria! É uma passarinha parecida com ele, criada no exterior em 1966 por Vic Lockman e Tony Strobl e… esquecida até 1973, quando papai a resgatou e adotou para esta história.

Esta é, portanto, a primeira aparição dela em histórias nacionais. Depois disso ainda seria usada quase uma dúzia de vezes ao longo dos anos, por papai e vários outros argumentistas brasileiros, mas nunca mais no exterior. Assim, se a Ermengarda conseguiu “se salvar” de ser uma personagem de uma historia só, o crédito é todo de meu pai.

A trama é de ficção científica, e gira em torno de um velho restaurante herdado de uma velha tia. E “velho” aqui, é o que realmente dá o tom ao local: a começar do garçom, e certamente passando pelo cozinheiro e chegando até à cozinha (embora não se veja esta parte do restaurante), tudo ali é velho, antiquado e demorado. A “missão” do Pardal é modernizar o lugar com alguma engenhoca.

Como eu já disse antes, papai tinha um perfeito pavor de restaurantes demorados. Se ele entrava em algum estabelecimento comercial para comer, ele esperava ser atendido e servido logo, já que estava geralmente com fome. A ideia de ter um prato preparado na hora especialmente para ele por um “Chef” renomado, ainda que compreensivelmente chique, era algo que não o atraía. Essa noção feria seu senso de praticidade.

Desse modo, temos aqui mais um dos lampejos futuristas dele, cuja imaginação estava sempre uns 30 anos à frente: uma “máquina de cozinhar” na qual fosse preciso apenas colocar os ingredientes e esperar um pouquinho (e certamente bem menos do que o tempo gasto pelo cozinheiro) para receber um prato prontinho, cheio de comida apetitosa e quentinha. O que parecia algo impossível naquele tempo, hoje em dia já é uma realidade, ainda que um pouco cara.

Outra “piada” que já virou lugar comum nos dias de hoje, mas que há meros 40 anos também parecia impossível, é o “telefone sem fio” do primeiro quadrinho.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon.

O Comprido, O Gordo E O Tapado

História dos Irmãos Metralha, de 1981.

Esta história é inspirada em um antigo conto de fadas chamado “O Tesouro dos Três Irmãos” (que pode ser lido no link). Como o conto não é exatamente conhecido do grande público, papai se deu liberdade para ser mais ou menos fiel a ele, mas sempre com as modificações de praxe por conta das características dos personagens.

Uma das modificações que papai fez ao conto original foi fazer os poderes dos objetos desaparecerem depois de algum tempo, para que os Metralhas não possam se beneficiar deles para sempre, já que não merecem.

Além disso, essa é uma característica da magia em histórias Disney: com raras exceções, os usuários de poderes e objetos mágicos não devem se beneficiar indefinidamente deles. E se, no final, o feitiço puder ser virado contra o feiticeiro, tanto melhor.

Os Metralhas da vez não têm números, mas são antepassados dos atuais. Assim sendo, há também um Azarado entre eles, associado com o irmão Tapado. E, como sempre, o Azarado atual passa a história toda torcendo pelo sucesso de seu antepassado.

Será mesmo que desta vez o Azarado vai se dar bem? Quem ler, verá.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

A Volta De Sherlock Metralha

Esta história dos Irmãos Metralha, de 1976 é, nada mais, nada menos, o que o “embate do século”, ou um confronto de dois gênios: o “Gênio do Bem”, representado pelo Xerloque Metralha, e o “Gênio do Mal”, na pessoa do Metralha Intelectual.

A questão é que o Metralha regenerado e seu primo bandido se conhecem tão bem, mas tão bem, que cada um dos dois é capaz de adivinhar o que o outro vai fazer. Eles sabem prever, inclusive, quando o outro mudará de planos para tentar despistar. Assim, não adianta o que os Metralhas façam, o Xerloque está sempre um passo à frente.

O plano de hoje é tentar roubar um quadro famoso e valioso, chamado “A Irmã Elisa”, que é, obviamente, uma paródia da Mona Lisa, de Leonardo Da Vinci. O método é um dos mais comuns quando se fala em roubo de arte: dar um jeito de burlar a segurança, e depois trocar a tela original por uma cópia.

Esse tipo de desonestidade é mais comum do que parece, e o mundo da arte sempre esteve cheio de falsários talentosos. O mais famoso da atualidade parece ser Wolfgang Beltracchi, que já esteve preso por produzir obras ao estilo de grandes mestres como Picasso, Gauguin e Monet. Hoje regenerado, ele continua brincando com os estilos de pintores famosos em seus quadros, desta vez assinados com seu próprio nome.

Outro falsário regenerado, Edward Hopper, além de tudo dá aulas de pintura no estilo dos grandes mestres. Uma seleção de videoaulas pode ser vista aqui.

E por falar em “regenerado”, o Xerloque Metralha e seu ajudante, o Doutor Metralha, conseguem atrapalhar o plano dos outros Metralhas com o mesmo método da falsificação e juram que já não são mais bandidos. Mas será que é mesmo verdade?

Por fim, temos hoje uma piada e homenagem interna: a julgar pelos exemplares de revistas do personagem “Satanésio” na banca de jornais, o sonolento jornaleiro desta história é uma caricatura do quadrinista Ruy Perotti, que na época era chefe de papai na Editora Abril.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Quem Tem Medo Do Bicho-Papão?

História do Morcego Vermelho, de 1978.

Como toda boa trama de terror (e de “terrir” também), esta história começa com uma paz enganadora. O nosso herói conseguiu vencer e mandar para a cadeia todos os bandidos de Patópolis. Isso é uma coisa boa, é claro, mas também deixa o personagem principal sem ter muito o que fazer.

Mas como esta não é uma história do Pena Kid, quando a paz for quebrada, será em grande estilo. (Eu disse “grande”?) É que “grande”, na verdade, é só o estilo, mesmo. O vilão da vez até que é bem pequeno.

Para o leitor atento vai ficar claro de imediato que não é nenhuma alucinação. Resta tentar adivinhar, então, quem, ou o que, é esse “Bicho Papão”. Pelo tamanho, poderia ser o bruxinho Peralta transformado, ou até mesmo um produto de sua maleta de monstrinhos. Mas qual interesse ele teria no Morcego Vermelho? Ou talvez seja alguma criação robótica de algum dos gênios do mal que o Morcego prendeu? Uma coisa é certa: seres sobrenaturais, como monstros, seres mitológicos e assombrações não existem. Ou será que existem?

Quando a “pulga atrás da orelha” do leitor já está coçando bastante, papai começa a jogar mais pistas nas páginas. A insistência do bicho em sugerir que o herói abandone a carreira é a principal delas. E o fato de na verdade serem três os monstrinhos lembra bastante as histórias do Zorrinho. Só que os sobrinhos do Donald podem ser um pouco levados de vez em quando, mas não cometeriam uma agressão dessas. Assim, quem eles poderiam ser?

A resposta, é claro, será revelada na última página, depois de uma intensa troca de sopapos entre os bons e os maus. Lembrem-se: foram os monstrinhos quem começaram a agressão, e para valer. Mas tenho a impressão de que esta história não seria aceita para publicação nos dias de hoje no formato em que está, justamente por causa da identidade dos vilões.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Que 10-Leal

História dos Irmãos Metralha, composta em 1978 e publicada em 1980.

O Tio (aqui chamado por papai de Primo) 10-Leal foi criado no exterior em 1967 e usado por lá em uma história só. Após 11 anos papai o descobriu e o adotou para mais uma.

Adotar personagens era prática frequente no processo criativo de meu pai. Para ele não havia personagem tão “fraco” ou “insignificante” que não merecesse pelo menos mais uma história, e alguns ele inclusive alçou ao estrelato, como o Metralha Azarado 1313, a principal de suas vítimas na família Metralha.

Semelhante ao 10-Leal (cuja alcunha soa como a palavra “desleal”) e igualmente usado em pouquíssimas histórias é o Primo Dedo-Duro 123. Juntar os dois nesta história é uma maneira de dar a ambos um castigo merecido e definitivo antes de devolvê-los ao esquecimento.

Ao contrário da Tia Ana, que é realmente honesta, esses dois são apenas pilantras que colaboram (ou fingem que colaboram) com a polícia para chantagear seus primos. Não existe, aliás, coisa pior do que ter falsos amigos dentro da própria família, diga-se de passagem.

É por isso que, mais do que ser preso, e mais do que levar uma surra dos primos, o real castigo do 10-Leal será ter de engolir o próprio apito “de chamar o guarda”.

Já o “Presídio da Rua Frei Caneca”, citado por um dos Irmãos como sendo onde os dois Metralhas trapaceiros teriam “morado” por algum tempo, existiu realmente e ficava no Rio de Janeiro. Era o mais antigo do país, construído ainda no tempo do Império, tendo sido demolido com uma implosão em 2010. No tempo em que esta história foi publicada, se encontrava em pleno funcionamento.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Vassoura Ao Molho Pardo

História das bruxas, escrita e publicada em 1974.

Esta é mais uma daquelas histórias geniais que foram, sabe-se lá por quê, publicadas no Brasil uma única vez. Isso é uma pena, mais gente deveria ter a oportunidade de ler esta pequena joia.

A trama se baseia, todinha, desde o início e até o final, em sutilezas. Toda a discussão entre as bruxas na segunda página é cuidadosamente composta para fazer com que as duas percam a aposta. Pois é, isso é possível.

O plano é muito bem bolado, como todos os planos de papai para seus bandidos, e o uso liberal de magia certamente é uma vantagem para eles. Mas, como sempre, haverá uma falha fundamental. Falha essa que, hoje, tem mais a ver com o fato de que não existe honra entre ladrões – e bruxas, também – (não vamos nos esquecer que todos os personagens principais são vilões) do que com qualquer outro fator.

A referência a “molho pardo”, como eu já mencionei neste blog, se dá porque este era o prato mais repugnante que papai conhecia. É a punição suprema às bruxas.

Já os Metralhas, desta vez, vão ficar sem uma punição mais séria porque eles afinal foram, para todos os efeitos, sequestrados e usados pelas bruxas para um plano que nem era deles.

Aviso aos navegantes:

Não, este blog não lida com autocríticas. Muito pelo contrário, e isto é intencional, como vocês já devem ter percebido. Já existe gente de alma pequena o suficiente para tentar criticar, colocar para baixo e esquecer, algumas vezes intencionalmente, o trabalho de um artista genial (e de seus colegas desenhistas e outros argumentistas, tão geniais quanto), como se não bastasse o fato de que eram todos anônimos no início por força de contrato.

Então poupem os pomposos e arrogantes dedinhos de digitar abobrinhas rebuscadas. Eu sei o que eu estou fazendo, e as reações positivas dos fãs da Disney em geral nas redes sociais certamente não me deixam esquecer de que este blog é, sim, necessário e que estamos, todos nós, fãs de quadrinhos, no caminho certo.

Os cães ladram e a caravana passa. Tenho dito.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

O Primo Meio-Quilo

História dos Irmãos Metralha, de 1977.

E temos aqui mais um adotado: criado no ano anterior por Mark Evanier e Pete Alvarado, o Metralha Meio Quilo é um baixinho muito chato que se acha esperto e quer se arvorar a líder do bando, especialmente quando o Intelectual e o Vovô não estão por perto. Mas não podemos nos esquecer, como sempre, de que toda maldade é burra.

Não que ele não tenha seus momentos de lucidez (seus planos de roubo são certamente melhores do que os planos de seus primos mais altos), mas o Patinhas, como sempre, é mais esperto (e infinitamente mais sutil) ao lidar com possíveis ameaças. Ele não ficou quaquilionário à toa, e sabe, como ninguém, se fazer de bobo à espera da hora certa de agir.

O interessante é como alguns símbolos (e ideias preconcebidas) parecem ser universais: desde sua história de criação, feita no exterior, o personagem leva nos lábios um charuto. Isso, é claro, não é coincidência. O símbolo fálico relacionado a certas crenças comuns sobre homens de baixa estatura é uma referência mais “adulta” que papai conhecia e também usou, de diversas maneiras, em seus personagens baixinhos.

Isso demonstra, aliás, que havia uma preocupação quase universal dos autores Disney da época em fazer quadrinhos a princípio infantis, mas que pudessem ser lidos de maneiras diferentes por pessoas de idades diferentes.

E novamente, se não fosse pelas quatro histórias que papai fez para o Meio Quilo ao longo de quase uma década, ele teria sido mais um “personagem de uma história só”. Ao que parece, criar personagens é mais fácil do que encontrar maneiras de usá-los mais de uma vez.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon