Maus Ventos O Levem

História do Pato Donald, de 1977.

Quando o Silva, o vizinho chato do Donald, está envolvido, tudo é motivo para uma briga das feias. Hoje o problema é uma árvore já adulta que o Donald plantou em seu quintal durante o mês de férias do Silva para dar sombra e fornecer um apoio onde amarrar uma rede.

Mas a maioria das árvores dá um pouco mais do que sombra: algumas dão frutos, é certo, e muitas outras soltam uma infinidade de folhas, que acabam levadas pelo vento até onde menos se espera. Quando há arvores por perto, folhas espalhadas são um fato da vida. O problema começa quando algumas pessoas não conseguem lidar com o problema de uma maneira sensata.

Já que simplesmente cortar a árvore seria anti-ecológico e os sobrinhos escoteiros do Donald não poderiam permitir uma atrocidade dessas, então também caberá a eles encontrar uma solução. Mas essa solução é só o modo de terminar a história, e de maneira inusitada, para a diversão do leitor. O verdadeiro tema da coisa toda é a briga entre os dois vizinhos.

E briga haverá. Em certos quadrinhos, a diversão é tentar identificar quem é que está xingando a quem de quê.

Em outros a graça vem do jogo de palavras contido na altercação entre os dois briguentos.

O título da história é uma inversão da expressão “bons ventos o levem”, que, nos tempos dos navios a vela, era mais uma maneira de se desejar uma boa viagem aos navegantes.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Dia Da Criança No Sítio Da Vovó

História da Vovó Donalda, de 1984.

Em mais um resgate das brincadeiras de infância de tempos que não voltam mais, temos hoje uma espécie de gincana organizada pela Vovó Donalda para seus netinhos. E como em outras histórias dessa turminha, enquanto as crianças do bem brincam, os Metralhinhas aprontam.

Essa é realmente uma sorte de quem teve espaço para brincar e correr livremente no sítio ou fazenda de amigos ou parentes, uma felicidade que papai conhecia bem e da qual tinha muitas saudades.

Assim, mais importante do que solucionar o problema do roubo das tortas, é mostrar brincadeiras como Pau de Sebo, Quebra Pote (Pinhata), Caça ao Porquinho (vídeo) e Cerca-Frango (semelhante à caça, mas com galinhas).

As duas últimas “brincadeiras” eram parte das atividades diárias de qualquer fazenda ou sítio, especialmente se seus moradores quisessem comer algo diferente de verduras, leite e ovos. Essa era também uma tarefa frequentemente dada às crianças, já que elas são mais ágeis e rápidas, e se cansam menos com a correria.

Enquanto os netinhos da vovó conseguem no fim pegar o porquinho, com um pouco de esforço, os Metralhinhas, uma vez descobertos e convidados a participar, se revelam bons cercadores de galinhas (por motivos óbvios, é claro, já que a quadrilha Metralha é composta por notórios ladrões dessas aves).

É também algo que papai fez muito, quando criança, para que minha avó pudesse cozinhar. E foi por esse exato motivo que, depois de adulto, ele passou a detestar qualquer alimento que contivesse o ingrediente.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Zorrinho Não É De Fritar Bolinho

História do Zorrinho, de 1982.

Hoje papai aborda o tema das brincadeiras infantis, que era um de seus favoritos, de um modo um pouco diferente. A pergunta que se faz é: existe brincadeira “de menino” e “de menina”? Ou: por que os meninos não podem brincar de casinha com as meninas? Que mal há nisso?

A verdade é que, e isso logo ficará muito claro, somente meninos muito maus, como os Metralhinhas, enxergam algum problema na situação. Outra verdade é que os meninos bonzinhos só não brincam mais frequentemente com as meninas por medo de serem ridicularizados pelos outros.

“Ser de fritar bolinho” é uma expressão popular que significa: não ser de nada; ser incapaz; ser fraco. Ela é usada aqui para mostrar, justamente, que um menino não é, necessariamente, “de fritar bolinho” só porque está brincando com as meninas.

As próprias meninas também não são “de fritar bolinho” só porque estão, bem… fritando bolinhos. Não há demérito algum em ser menina, em brincar de casinha, ou em ser um menino que brinca de casinha. Além disso, frigideiras podem ser usadas para um pouquinho mais do que simplesmente cozinhar, e as meninas logo vão mostrar que também sabem brigar tão bem quanto os meninos, quando necessário.

Nada, nesta história, é exclusividade só dos meninos ou das meninas. Todos são iguais, na hora da brincadeira e também na hora da briga, para o azar dos maus.

Nesta revista temos novamente a aparição de uma história promocional de papai para as Meias Lupo, chamada “O Bicho Saltador”, que chegou a aparecer bastante nas revistas Edição Extra da época.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Vale-Tudo Em Vale Seco

História do Tio Patinhas, de 1980.

No universo Disney é comum que os membros mais velhos das famílias contem histórias aos mais jovens, especialmente sobre antepassados ou lembranças de suas aventuras da juventude.

Mas o que aconteceria se os membros de diferentes famílias tivessem a mesma história para contar? Afinal, Patópolis é uma cidade relativamente pequena, todo mundo lá se conhece, e alguns personagens já estão dando seus pulinhos pela região há algumas décadas.

O interessante, e essa é a principal sacada de papai, é que toda história tem pelo menos dois lados, dependendo de quem a conta. Na maioria das vezes a versão que fica é a dos mocinhos, ou a dos vencedores.

Também é verdade que, ao contar uma história sobre si mesma, a maioria das pessoas tenta “adaptar” os fatos para aparecer bem na fita. Ninguém vai se acusar de um crime, por exemplo, nem reconhecer que fez algo de que não deveria se orgulhar. Além disso, se alguém já desconfiava de que o Vovô Metralha vai inventando as histórias sobre os antepassados à medida que as vai contando, agora não vai mais ter dúvidas. E, ao que parece, o Patinhas também também não é lá muito santo, nesse quesito.

Hoje temos o relato de um assalto, no qual um jovem “vovô” Metralha, aqui sob seu antigo nome de “Grande Metralha”, tenta roubar uma valiosa carga de água potável que um jovem Patinhas está transportando pelo meio do deserto.

E esta é a segunda grande sacada de papai para esta história, pois o fato é que, durante a corrida do ouro nos EUA e Canadá, nem sempre eram os mineiros que ficavam ricos. Na realidade, a maior parte do ouro extraído ia mesmo parar nas mãos de comerciantes de todos os tipos.

Muita gente que chegou a essas áreas para minerar logo percebeu que valia mais a pena suprir as necessidades dos outros aventureiros do que se esfalfar de sol a sol por alguns gramas do metal precioso. Esse parece ter sido o caso também do Patinhas. Afinal, os mineiros também eram gente e precisavam comer, beber, se vestir, ter boas ferramentas, descansar e se divertir.

Por último, uma curiosidade: eu sei que os personagens Disney são na verdade eternos, mas os dois personagens principais estão muito bem conservados para os seus mais de 100 anos de idade, não? Vai ver, Patópolis tem um toque de “Terra do Nunca”, também.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Supermorcego Vermelho

História do Morcego vermelho, de 1983.

Papai gostava de distribuir os superamendoins do Superpateta entre os outros personagens Disney. Todos os anos ele criava uma história ou duas nesse sentido, cada uma com um “premiado” diferente.

Hoje chegou a vez do Morcego Vermelho que, diga-se de passagem, sempre se sentiu frustradíssimo por não ter poderes especiais como os outros heróis de Patópolis. O interessante, como sempre, é a solução que papai encontra para fazer o pato engolir um superamendoim sem sequer entender o que está acontecendo, nem ver com quem trombou logo antes de virar super.

Mas, apesar de tudo, se o Superpateta ainda consegue prender um bandido de vez em quando com o uso de seus poderes, a única coisa que o Morcego vai conseguir fazer com eles é mais confusão ainda. Em todo caso, há quem goste.

Interessante, também, é a maneira como a segunda página da história vai ditar muito do que vai acontecer, e também o final da trama. Afinal, a mulher gorducha de lenço na cabeça combinando com a saia e com o cachorro e o papagaio não é uma dona de casa qualquer. O leitor atento que perceber com quem ela se parece já terá metade do final da história resolvido.

E não, desta vez a coisa não vai terminar bem para o Morcego, decididamente. Talvez seja mesmo melhor para ele não ter superpoderes, no fim das contas.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Em Briga De Cão E Gato… Não Entra Pato!

História do Pato Donald, de 1981.

Esse encantamento de certos brasileiros com raças de cães grandes e ferozes não é recente. Isso se dá por vários motivos, desde uma real necessidade por segurança, e até pelo Ego inflado de gente que projeta no cão toda a sua frustração e covardia diante da vida, e usa o animal para ameaçar e agredir os vizinhos.

A história (da carochinha, na maioria das vezes) que donos e criadores contam sobre essas feras também é sempre a mesma: eles seriam na verdade até dóceis, muito adaptáveis e amigos de criancinhas. O que os tornaria violentos seria alguma falha no treinamento das feras. O problema é que eu nunca vi um dono de cachorro bravo que seja capaz de reconhecer que não faz ideia de como se treina um cão. Já que contratar um profissional é coisa cara, pessoas comuns se valem de manuais e dicas da internet, e se expõem a riscos.

Muitas dessas raças, como o “queridinho” Pit Bull ou o Rottweiler (originalmente criadas para caçar ursos e outros animais selvagens) são banidas em vários lugares do mundo por serem cães perigosos demais para ter em casa. Nessa lista, ailás, está incluído o próprio Cão de Fila, do qual trata esta história.

É uma raça criada no Brasil desde os tempos coloniais pelo cruzamento de outras raças grandes e perigosas, como Mastiffs e Buldogues, e usado para caçar onças e escravos fugidos. Sim, houve um tempo em que gente era caçada como se fosse bicho, por aqui, e isso não pode ser esquecido (para que não aconteça de novo, de preferência).

Outra parte do folclore do Cão Fila no Brasil foi uma série de enigmáticas pichações que começaram a aparecer nos anos 1970 em tudo quanto era lugar no Estado de São Paulo: “Cão Fila Km 26“. Só isso, sem mais nenhuma informação.

Por ser a época da ditadura militar muita gente pensou que poderia haver muita coisa por trás das mensagens, e a notícia (e também as pichações, feitas por todo tipo de gaiato) começou a se espalhar pelo país todo, virando uma verdadeira “febre”. Dizem os pichadores atuais que isso foi o começo do “pixo” no Brasil, e eu diria que foi também precursor dos memes, muitos anos antes da Internet.

Mas hoje a provocação é com o Ronrom que, diga-se de passagem, estava quieto no canto dele quando o Silva chegou com o monstro canino em um caminhão. Papai deixa claro que a intenção do vizinho chato é essa mesma: ao colocar a vida do Ronrom em risco, ele está também intimidando ao Donald e a seus sobrinhos.

Gente, isso não se faz. Mas enfim, pessoas que precisam usar um cão feroz para se afirmar e causar medo (que elas confundem com respeito) nos outros não é realmente gente.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Escalando A Duras Penas

História do Peninha, de 1980.

Com a participação especial dos Escoteiros Mirins, esta história é precursora de “A Montanha Enfeitiçada”, já comentada aqui e que seria lançada dois anos depois. A expressão “a duras penas” tem a ver com as dificuldades pelas quais as pessoas passam. Mas, no caso da Família Pato, ela assume todo um novo significado, em um pequeno jogo de palavras.

Hoje não há magia envolvida, mas coisas misteriosas estão acontecendo no Pico do Quá-Quá-Quá. Intrépidos, os sobrinhos do Donald resolvem ir lá investigar, juntamente com o tio e o jornalista abilolado. O pico tem esse nome, aliás, por causa de uns pássaros que lá vivem. Treinados por um ermitão local, eles são muito atrevidos e atacam a todos os que tentam escalar a montanha. E os pássaros têm o nome que têm por causa de seu canto, que parece uma rizada de zombaria.

A aventura é toda sobre a escalada e o enfrentamento com os pássaros, até a heroica chegada ao cume. Mas será que eles são, mesmo, os primeiros a chegar lá, como o Donald leu no jornal naquela manhã? A história é uma advertência para que as pessoas não acreditem logo de cara em tudo o que leem no jornal (e, em nossos dias, também na Internet).

Afinal de contas, o conceito de “fake news” é na verdade bem “old news”. É sempre interessante continuar pesquisando mais um pouquinho, nem que seja para confirmar as informações. E lembrem-se: se algo parecer bom demais para ser verdade, provavelmente é mesmo.

Interessantes são duas cenas, dois quadrinhos que serão reconhecidos por qualquer pessoa que já leu com atenção o Manual do Escoteiro Mirim.

A primeira vem da página 189, onde está a ilustração para o verbete intitulado “Se Você Vai à Montanha”, e a segunda está na página 193, acompanhando o verbete chamado “Vocês Estão Servidos?”, que apresenta três receitas de refrescos que os leitores podem preparar. Um deles, inclusive, contém leite.

Não são inserções do desenhista. Isto certamente já fazia parte do rafe, em mais um “aceno” de papai ao Manual e aos Escoteiros. Ele participou como colaborador da preparação da primeira publicação do Manual no Brasil, provavelmente traduzindo e fazendo pesquisas adicionais, mas nunca recebeu os créditos por isso. Na verdade nem ele, e nem outros que possam ter também participado. Esta é uma maneira que ele encontrou de “reivindicar” sua participação na publicação.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon.