A Gincana A Fantasia

História do Zorrinho, de 1983.

Semelhante à “Grande Gincana de Patópolis” de 1975, mas transportada para o universo das crianças e de suas antigas brincadeiras, esta também é uma corrida que será sabotada por membros da família Metralha. Mais exatamente, os Metralhinhas.

Os métodos desleais deles serão, aliás, mais ou menos os mesmos, incluindo as tachinhas espalhadas pelo caminho para estourar pneus, mas com uma trama bem mais simples, sem mapas nem grandes mistérios para o leitor resolver.

O tema adicional das fantasias serve, é claro, para criar um conveniente pretexto para a presença dos sobrinhos do Donald com sua fantasia predileta de Zorro. Mas hoje, em lugar dos cavalinhos de madeira com cabeça de meia, eles se locomoverão em bicicletas.

Seu objetivo, como na maioria das histórias do tipo compostas por papai, será defender as sobrinhas da Margarida das trapaças dos meninos malvados, sem revelar que eles são três e fazendo parecer que são apenas um patinho.

Interessante vai ser a reação dos Metralhinhas ao ver o Zorrinho levar a melhor. Eles são tão arrogantes em suas traquinagens desleais que até se esquecem de que o que estão fazendo é errado.

Muitas pessoas são assim até mesmo depois de adultas, não é mesmo? Adoram apontar o dedo para os erros dos outros, enquanto convenientemente se esquecem de seus próprios. E é desse modo que elas muitas vezes acabam denunciando a si mesmas, pela hipocrisia de seus atos.

Não se esqueçam, crianças: toda maldade é burra.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Anúncios

O Clube Dos Garotos

História da turma das crianças, de 1983.

Note-se, para começar, que o clubinho se chama “Dos Garotos”, mas inclui também as meninas com muita naturalidade. “Garotos” aqui, é sinônimo de “crianças”, de “garotada”. É a mesma lógica, aliás, das pessoas que usam a palavra “menino” para significar crianças de ambos os sexos.

O problema aqui, diga-se de passagem, passará longe do velho clichê do “menina não entra” do Clube do Bolinha nas histórias em quadrinhos da Luluzinha. A “guerra” aqui, não será a fútil “guerra dos sexos”, mas uma muito mais séria batalha do bem contra o mal.

Formar clubinhos é mais um dos aspectos das brincadeiras de crianças de outros tempos que papai gostava de abordar em suas histórias. Já vimos, por exemplo, o “Clube dos Peraltas”, que foi uma espécie de “antítese” do de hoje, no qual os Metralhinhas, os Manchinhas e os Bruxinhos disputam para ver quem vai mandar.

E hoje também veremos a questão da desunião e falta de harmonia nas brincadeiras infantis. Uma das coisas mais complexas que uma criança tinha de aprender, logo cedo, era como negociar as brincadeiras com outras crianças. Nem sempre todos queriam brincar da mesma coisa, e algumas crianças podiam ser bem teimosas na hora de defender suas próprias escolhas.

Significativamente, é justamente quando a criançada do bem não consegue decidir qual será o objetivo do clube que elas abrem a brecha para o ataque dos Metralhinhas, que vêm para “tomar o poder” no clubinho, assumindo a presidência na marra e tentando forçar as outras crianças a fazer suas vontades.

O desafio, hoje, será arranjar um jeito de expulsar os indesejáveis sem precisar partir para uma briga violenta.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Pena Rubra, O Viking

Este é o primeiro capítulo original da História de Patópolis, publicado pela primeira vez em 1982.

A coisa toda se baseia nas teorias que pregam que o continente americano teria sido descoberto pelos vikings por volta do ano 1000, uns 500 anos antes da chegada de Cristóvão Colombo.

O antepassado viking do Peninha tem muita coisa em comum com o pato moderno, a começar pelas frequentes demissões do jornal onde trabalha sob a batuta do antepassado viking do Tio Patinhas. Boa parte da graça da história tem a ver com esse paralelo, combinado com uma dose generosa de piadas “de viking”.

Mas não podemos nos esquecer de que esta é a história de como Patópolis se iniciou, e a coisa toda é bem mais complexa do que parece ser. Sempre brincando, papai apresenta ao leitor conceitos sérios, como a revolução cultural e tecnológica que resulta do contato entre os índios e os vikings.

Não parece, de tão acostumados que já estamos com ela, mas a escrita é uma tecnologia. Ela nos permite pensar de modo simbólico, e esse exercício mental dá a quem sabe ler e escrever uma marcada superioridade intelectual sobre quem não sabe. Essa era uma tecnologia “avançada” que os vikings tinham, na forma de Runas, e que os índios da América do Norte ainda não tinham.

Desse modo, o desenvolvimento da “Pedra do Jogo da Velha” pelo antepassado do Peninha acaba sendo uma verdadeira revelação e um acontecimento com o mesmo efeito devastador que a primeira Revolução Industrial da era moderna teve sobre os meios de produção e as relações de trabalho na Europa do século XIX.

Por fim, temos o mapa da viagem de Pena Rubra até o continente americano e ao local onde teoricamente fica Patópolis… no Hemisfério Norte, inequivocamente! (Papai faz inclusive a “gracinha” de trazer o barco até quase o Brasil, quase, só para depois levá-lo para o norte de novo.)

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Vizinhos Do Barulho

História do Pato Donald e seus sobrinhos, de 1976.

Esta história foi escrita quase um ano antes de “Campistas Vigaristas”, outra história sobre o tema, e se passa no exato mesmo camping.

Como eu já disse quando comentei a história dos Metralhas, o “Acampamento das Pedras” existe de verdade, e fica na região de Itu/SP. Que eu me lembre, nossa família chegou a acampar algumas vezes em alguns desses lugares, e uma vez até mesmo no Rio de Janeiro, e todos eles eram muito seguros e pacatos (à exceção da aventura no Rio, que terminou em tempestade tropical com direito até a tromba d’água no mar, mas essa é outra história).

Tenho a impressão que esta modalidade de turismo estava na moda naquele tempo, por ser barata e oferecer uma aventura de baixo risco para famílias, e que muitos dos nossos amigos também visitaram este acampamento e voltaram com histórias para contar, que meu pai ouvia ávidamente e depois aproveitava em suas criações.

Portanto, não sei dizer se realmente houve alguma confusão por lá enquanto estivemos acampados, ou se foi algo que aconteceu com algum amigo de papai, ou se foi simplesmente uma maneira que ele encontrou de “fazer uma propaganda engraçada” do lugar onde passou um final de semana agradável com a família.

Mas, se é que isso pode ser alguma indicação, quem for dar uma olhada nas tarifas do referido camping vai notar que o preço por pessoa para casais e famílias é a metade do que é praticado para grupos compostos apenas por rapazes. De resto, o local é bonito e bem organizado, e vale pelo menos uma visita para passar a tarde.

Hoje os bagunceiros no acampamento são o Donald e o Silva, que tiveram a mesma ideia como solução para se afastarem um do outro e conseguir parar de brigar, com uma pequena “ajuda” dos membros de uma banda de Rock formada por valentões.

Além disso, como papai gostava de fazer nas histórias dos brigões, parte da diversão (dele, principalmente) era induzir o leitor a tentar descobrir quem estava xingando a quem de quê.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Zorrinho Ataca Novamente

História do Zorrinho, de 1975.

Esta pode ser considerada uma segunda história de criação da identidade secreta dos sobrinhos do Donald, com os personagens ainda em um estado bem inicial. Ainda não temos o “grito de guerra” inspirado nos três mosqueteiros, nem a importunação dos Metralhinhas às meninas Lalá, Lelé e Lili.

Mas isso não quer dizer que os vilõezinhos não vão aprontar aos montes, antes de serem finalmente pegos e punidos. Hoje a “peraltagem” é entrar e sair dos lugares sem pagar, o que em alguns momentos coloca os meninos bonzinhos em situação delicada enquanto eles tentam não perder os bandidinhos de vista.

Uma coisa que eu acho interessante é que o dinheiro de Patópolis teoricamente se chama “pataca patopolense” mas, na maioria das histórias onde é mencionado algum valor específico, a moeda é a brasileira. Neste caso, Cruzeiros.

Uma das piadas, bastante sutil, fica por conta da cédula que o Zorrinho usa para pagar a entrada de um brinquedo que custa 3 Cruzeiros. Talvez seja preciso virar a revista de cabeça para baixo e olhar com a ajuda de uma lente de aumento, mas pode-se ver nitidamente que é uma nota de 3 Cruzeiros, coisa que não existia na época.

Isso se explica pelo fato de que a história não pode parar para o Zorrinho receber o troco, e uma nota é mais reconhecível para o leitor do que três moedinhas, que ficariam pequenas demais no desenho. Em todo caso, não sei se isso é coisa de papai, ou uma inserção do desenhista Primaggio Mantovi.

Voltando ao desenvolvimento do personagem Zorrinho, hoje os meninos se darão conta de que podem conquistar uma liberdade de ação quase “sobrenatural” ao fingirem ser um só, já que os Metralhinhas são, de qualquer maneira e como todo o resto da família Metralha, burrinhos demais para perceber que estão lidando com três patinhos, e não apenas um.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

Zorrinhos Contra Os Abóboras

História dos Sobrinhos do Donald, de 1977.

As histórias do Zorrinho seguem sempre uma linha mais ou menos fixa, com algumas variações que dão graça à brincadeira.

Assim, novamente, as sobrinhas da Margarida estão fazendo alguma coisa e os Metralhinhas estão tentando atrapalhar, enquanto os meninos bonzinhos usam sua identidade secreta para defender as amiguinhas. A diferença está no tema da atividade (um conveniente baile a fantasia) e no desfecho da historinha.

Para começar vemos o contraste entre os escrúpulos dos meninos, que têm o dinheiro da entrada mas não as fantasias, e a total falta de vergonha na cara dos bandidinhos, que entram de penetras na festa, e com uma fantasia toscamente improvisada.

A partir daí começa o embate entre mocinhos (devidamente fantasiados de Zorrinhos, já que essa é a única fantasia que eles têm) e os bandidinhos, que vai dominar todo o resto da história. Como sempre, os meninos do bem agem um de cada vez, para melhor fingir que são uma só pessoa e confundir os inimigos.

Isso tudo mostra que é possível “estar e não estar” em um lugar, e cria uma série de dilemas, dos quais o leitor só vai se dar conta depois que terminar de ler a história. (Já que, na verdade, o confronto e a vitória final do Zorrinho, por mais interessante e divertido que seja, é só um detalhe. Há coisas mais importantes acontecendo na história que não fazem parte da ação, mas ficam subentendidas).

Se, por um lado, os meninos bonzinhos tivessem improvisado fantasias (nada mais fácil do que pegar um lençol e bancar o fantasma), eles teriam participado da festa como as meninas queriam, mas não teriam podido fazer muita coisa quando os bandidinhos atacassem.

Por outro lado, seria difícil aparecer por lá com a fantasia do Zorrinho e convencer a todos de que é só uma fantasia. Assim, ou eles teriam sido obrigados a revelar a identidade secreta, ou participar do baile um de cada vez, se fazendo passar por uma única pessoa.

Por essa última hipótese, o resultado teria sido igual: os meninos teriam estado na festa, mas as meninas não saberiam disso e ficariam chateadas do mesmo jeito.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O Retrato Enfeitiçado

História do Tio Patinhas contra Maga Patalójika, de 1973.

É o seguinte: a revista está na coleção, e o estilo é dele (a forte influência de Barks dos primeiros anos e o uso de um tema da literatura mundial). Mas me parece que ele se esqueceu de anotá-la na lista de trabalho. Eu tenho 99% de certeza de que a história é dele, mas se alguém tiver 100% de certeza de que não é, por favor me avise.

Então: a inspiração vem de “O Retrato de Dorian Grey”, de 1891, escrito por Oscar Wilde. Na história original o retrato vai envelhecendo no lugar de seu dono, um aristocrata hedonista, amoral e tão moralmente corrupto quanto fisicamente jovem e belo, enquanto ele mesmo se mantém misteriosamente jovem e belo por muitas décadas.

Aqui, o quadro vai ficando “mais rico” à medida que uma maré de azar magicamente induzida pela Maga Patalójika vai fazendo o Tio Patinhas perder dinheiro e ficar “mais pobre”.

A solução é recrutar um velho inimigo da Maga, um obscuro tio dela com aparência de Leprechaun chamado Nicodemo que só aparece nesta história, para lançar um contrafeitiço. Um leprechaun parecido, de nome “O’Doom” (Nicodemus), é uma criação italiana e pode muito bem ter sido a inspiração para este da história de hoje.

O interessante é que esta é uma figura do folclore irlandês. O autor Oscar Wilde também era irlandês, e consta que a mãe dele, Lady Jane Wilde, era poetisa, nacionalista irlandesa e estudiosa do folclore da Ilha Esmeralda.

E isto também é uma sutileza muito característica do estilo de meu pai de compor histórias.

**************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.