A Repórter Mais Simpática

História da Margarida, de 1974.

Toda profissão tem seus “ossos do ofício”, e o jornalismo não é diferente. A competição entre os profissionais pode ser acirrada, e nem todos jogam limpo.

A isto papai adiciona o mito da rivalidade entre mulheres, uma fantasia machista que estava muito arraigada na cultura brasileira da época, e que é, até hoje, encorajada como mais uma das maneiras que existem de se tentar controlar o comportamento das mulheres para benefício dos homens. (Lembrem-se, mulherada: isso não precisa ser assim, e nós ganhamos muito mais unidas do que separadas.)

margarida-reporter

Há também o problema da competição que é organizada de propósito para que apenas o participante “da casa” tenha chance de ganhar, de preferência humilhando os adversários no processo. A tarefa do pessoal do bem da história será conseguir ter uma chance justa, usando de alguma engenhosidade e astúcia, mas de preferência sem trapacear também. Papai usou isso várias vezes, mais notoriamente em histórias como “A Copa do Morro é Nossa”, e outras semelhantes.

margarida-reporter1

O desafio principal da competição será fazer uma entrevista agradável com “a pessoa mais antipática de Patópolis”. Por sorte da Margarida, a definição de antipatia é algo um pouco subjetivo, e é a chance que ela terá de “virar o jogo” com sutileza e elegância.

São os “truques” do jornalismo para se conseguir informações, algumas vezes até mesmo não deixando que o objeto da entrevista perceba que está sendo entrevistado.

O editor J. Rata Zana e a repórter Malu Tadora (ambos de A Patranha) aparecem apenas nesta história e são, portanto, criações de papai.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

 

Quem Inventa É Inventor

História do Professor Pardal, publicada pela primeira vez em 1972.

Esta é uma peça promocional para a primeira publicação do Manual do Professor Pardal que, aliás, está sendo republicado por estes dias.

A trama parece simples: entrevistado para o jornal A Patada pela Margarida, ele começa a relembrar muitos de seus inventos passados, a maioria deles citados de histórias estrangeiras, e das de Carl Barks em especial.

Mas ao longo das páginas uma série de pequenos conflitos começa a se desenrolar. O primeiro é a insistência do Lampadinha em não se deixar esquecer. E não sem motivo, afinal, ele pode ser considerado ao mesmo tempo a maior e a mais tomada por óbvia invenção do Pardal. O genial robozinho, exatamente por estar sempre presente, meio que passa despercebido.

pardal-inventor

O segundo conflito está na insistência do inventor em não responder diretamente às perguntas da repórter Margarida. Ela quer saber especificamente sobre inventos na área da culinária, atividade tida como tipicamente feminina. Mas em nenhum momento ele se pergunta o motivo do interesse dela especialmente em inventos culinários e, demonstrando um forte machismo, simplesmente prefere comentar coisas “mais importantes” (para ele, é claro), como se “coisas de mulher” fossem irrelevantes.

pardal-inventor1

Assim, ele não deveria ficar tão surpreso quando a matéria sobre ele e suas invenções é publicada em duas ou três linhas na seção de Arte Culinária do jornal. A lição que fica é nunca subestimar o jornalista, mesmo quando ela for uma mulher. Geralmente há uma pauta específica a respeitar, um tema a ser explorado, e um espaço limitado para publicação na página do jornal de papel.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll recontada a partir da perspectiva e da experiência dos fãs. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

A Ocasião “faiz” O Ladrão

História do Urtigão, publicada pela primeira vez em 1983.

Esta história é uma variação sobre o tema de “Os Ladrões de Terras”, já comentada aqui. Novamente temos os repórteres Donald e Peninha bisbilhotando as terras próximas ao sítio para fazer uma reportagem para o jornal A Patada, de seu tio Patinhas.

E mais uma vez o Urtigão (pensa que) está às voltas com um ladrão, passando a atirar em tudo o que se move com seu trabuco. Para piorar o vizinho enxerido vem bisbilhotar, fornecendo o clássico suspeito óbvio demais que é usado em histórias policiais para desviar a atenção do leitor.

Urtigao ocasiao

Pistas falsas estão por todos os lados. Avidamente em busca de uma boa reportagem para justificar a demora em voltar para Patópolis os dois jornalistas que antes estavam pesquisando plantas medicinais, agora transformados em repórteres investigativos, vão chegando às suas próprias conclusões sobre os acontecimentos.

Urtigao ocasiao1

O desfecho da história é feito mais engraçado justamente por causa da disparidade entre o que os “detetives” acham que deduziram e a realidade das coisas.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Xaxam, O Invencível

História do Peninha na redação de A Patada, de 1976.

Esta deve ser uma das histórias de humor mais escrachado de papai, na qual ele usa o Peninha para avacalhar com o primo dele de um modo como talvez gostasse de fazer com o Tio Patinhas, mas nunca teria coragem. Esse é o tipo de zoação que só se pode fazer entre amigos muito próximos, como irmãos e primos de primeiro grau, que são quase como irmãos, também.

Se a atitude do Peninha para com a implicância do tio enquanto ele faz quadrinhos é de uma espécie de sutil “agressão passiva”, provavelmente para evitar ser demitido pela enésima vez e, assim, poder terminar mais uma história, quando chega a vez do Donald de bancar o “chefe de redação”, a coisa muda para uma esculhambação quase explícita.

Esta história é tão genial que é até uma pena ela ter sido publicada apenas uma vez. É também fácil notar que esse “Super Donald” de papai tem claramente alguma coisa de Superpato, algo como uma sátira. (Vide a pose do Donald no papel de Xaxam, o Invencível, que lembra bastante o “super” italiano).

Peninha Xaxam

O anti-herói combina o talento do Morcego Vermelho para trapalhadas com uma extrema burrice, um grito similar ao “Shazam!” do Capitão Marvel dos quadrinhos clássicos (que marcou a infância de papai e que deve ter sido uma de suas primeiríssimas desilusões, ao ver que ele não se transformava ao gritar a “palavra mágica”) e que ele usou repetidamente para personagens de vários tipos, e também qualquer coisa do que viria a ser mais adiante o Morcego Verde. Mas o personagem “do Peninha” é propositadamente “tosco”, um perdedor de verdade.

Peninha Xaxam1

Interessante é também a “troca” dos nomes dos personagens de Patópolis que “o Peninha” faz: assim, o Mancha Negra vira “Mancha Preta”, a Margarida vira outra flor (Magnólia), e o Gastão é chamado de “Gastrônomo”. Enquanto esse expediente pode ser útil no mundo real, nos meta-quadrinhos ele é somente mais um dos elementos cômicos da história.

Acho que aqui cabe explicar que papai aprendeu a ler muito cedo, com 4 ou 5 anos de idade, e que antes disso meu avô lia para ele muitas histórias em quadrinhos. Assim, enquanto a maioria das crianças nos anos 1940 passava a conhecer os quadrinhos somente após a alfabetização, aos 8 ou 9 anos de idade, papai já havia sido exposto a eles vários anos antes, e provavelmente antes de saber distinguir realidade de imaginação. Daí o relacionamento totalmente ingênuo com a palavra mágica Sazam, por exemplo.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

A Máquina-Relâmpago

História do Zé carioca, de 1974.

Quem nunca sonhou em ganhar na loteria? Além disso, quem nunca sonhou em ter uma máquina do tempo ou, pelo menos, um jornal do futuro? Quando esses elementos se juntam em uma história em quadrinhos, tudo pode acontecer.

A ideia, é claro, não é nova, e é explorada na literatura e na cultura pop desde os tempos do romance “A Máquina do Tempo”, de H. G. Wells, de 1895. Já a noção de se ter o jornal de amanhã entregue em sua porta todas as manhãs foi o tema de uma série de TV de 1996, 101 anos depois.

Como elemento de ligação e “running gag” da história temos o guarda-chuva do Zé, que escapa da mão dele a cada vez que ele é cobrado por algum de seus amigos, com consequências imprevisíveis. Até como arma o objeto é usado pelo Zé.

Outra piada que se repete ao longo das páginas é a do Nestor deixando escapar, a todo momento e nas horas mais impróprias, que o Zé está sem dinheiro.

ZC maquina

No final a máquina do tempo roubada é devolvida pelo Zé ao Professor Pardal em Patópolis, e como recompensa ele pede “apenas” para viajar até a próxima segunda-feira. O plano é simples: comprar o jornal com os resultados da loteca. Conseguirá o nosso herói finalmente ficar rico e pagar o que deve aos amigos?

ZC maquina1

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Os Ladrões De Terras

História do Urtigão, de 1976.

Nós, cidadãos das cidades, imaginamos as áreas rurais como lugares pacatos, seguros, onde nada acontece. Mas a verdade é que esses lugares, por serem longínquos e mal policiados (menos ainda que as nossas inseguras cidades), podem ser muito violentos, uma terra sem lei onde cada cidadão precisa proteger sozinho o que é seu.

Junte-se a isso uma notícia lida pela metade por um capiau ignorante e um par de repórteres xeretas de Patópolis, e a receita para uma bela confusão está completa.

Urtigao Terras

O roubo de terras (também conhecido como “grilagem”) é um crime que existe de verdade, mas poucos sabem exatamente como ele ocorre. Afinal, é impossível tomar a chácara ou fazenda de alguém de sob os seus pés da mesma maneira que alguém puxaria um tapete, colocaria sob um braço e sairia correndo.

Mas a expressão sem dúvida causa uma estranheza quase cômica em quem se depara com ela pela primeira vez, e é esta a base para a história. Assim, fica a pergunta: como é, exatamente, que alguém rouba as terras dos outros?

Urtigao Terras1

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Moda, Modismos e Modelos – História inédita

Nunca publicada, esta história foi escrita por papai em Israel em 12 de abril de 1993 e tem seis páginas.

Na época, a Editora Abril estava trabalhando com histórias nacionais e revistas próprias para três personagens, a saber: o Urtigão, a Margarida e o Zé Carioca. Pelo menos, foi isso o que encomendaram. Aqui temos o rafe original, a lápis sobre papel gentilmente cedido pelos colegas do Instituto de Seguridade Social de Rehovot. O nome que ele usou é a transliteração do nome dele como ficou na grafia hebraica, em seus documentos israelenses.

Esta história trata de como se faz para “lançar moda”. Uma pessoa um pouco “criativa demais” na maneira de se vestir pode até passar por ridícula, mas a roupa esdrúxula de uns pode se transformar na próxima moda de outros em um piscar de olhos. E a ideia nem é tão inusitada assim. Na China em 2014 uma senhorinha foi fotografada usando uma roupa parecida com a de seu cachorrinho, e há até, aqui mesmo no “lado brasileiro” da internet, pet shops que vendem roupinhas e acessórios coordenados para dona e bichinho de estimação.

Já pensou se a moda pega? Interessante é a menção à “TV Patinhas”, um desenvolvimento bastante lógico dos empreendimentos jornalísticos do velho pato, depois de tantos anos.

MMM01

MMM02

MMM03

MMM04

MMM05

MMM06

 

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook