As Aventuras de Falcon

Em 1977 a empresa fabricante de brinquedos Estrela comprou os direitos de uso de um boneco, brinquedo para meninos, que no exterior era conhecido como G.I. Joe, e que aqui foi chamado de Falcon.

Para promover o brinquedo, a empresa começou uma agressiva campanha de marketing que incluiu até mesmo a publicação de alguns números de uma revista de histórias em quadrinhos, pela Editora Três. Essa campanha parece ter sido tão ambiciosa, na verdade, que eles resolveram contratar simplesmente o melhor argumentista de quadrinhos daqueles tempos para pelo menos dar o “pontapé inicial” no personagem.

O problema é que esse argumentista, Ivan Saidenberg, já era contratado da Editora Abril e seu contrato o impedia de assinar trabalhos para outras empresas do ramo. Mas papai gostou do desafio, não era avesso a um “freela” de vez em quando, e tinha soluções criativas para contornar as limitações de seu contrato com a Abril.

Uma delas era usar o nome de mamãe, Thereza Saidenberg, para assinar algumas histórias. A explicação era que, naqueles tempos de governo militar, não era bom usar um nome completamente falso. Se os militares implicassem com alguma coisa, poderia haver problemas. Mamãe então “emprestou” seu nome algumas vezes, enquanto escrevia, ela também, histórias em quadrinhos (principalmente para a Turma do Pererê, do Ziraldo) e artigos para os jornais de Campinas, entre outras coisas.

Assim, papai criou duas histórias para a revista número 1 do boneco transformado em personagem de quadrinhos, tendo recebido da Editora Três apenas um breve histórico do personagem e ficando com bastante liberdade para criar em cima. O desenhista deste projeto é o Antonino Homobono e o mini poster central da revista, mostrando Falcon em ação, é de Michio Yamashita.

O Falcon de papai tem um pouco de soldado, especialista em missões de sobrevivência na selva, um pouco de agente 007, a inventividade e o senso técnico de um McGyver, a habilidade nas artes marciais de um Bruce Lee, e a inteligência e sagacidade do Zorro.

Mas se os quadrinhos Disney podem ser chamados de “quadrinhos comerciais”, o que dizer de uma publicação criada com o firme e exclusivo propósito de vender brinquedos? Papai acreditava que esse projeto seria algo efêmero e fez algo simples, aventuras que não trazem nada de novo para um personagem que também não traz nada de novo, realmente. Esse tipo de “super soldado” era a norma nos quadrinhos americanos desde a segunda guerra mundial, e esse foi um tema que papai trabalhou bastante aqui no Brasil. E é também por isso que as histórias em si têm uma forte influência das tramas de guerra, aventura e mistério que papai escrevia nos anos 1960.

Nem por isso deixou de fazer um bom trabalho. Todos os elementos de uma boa história em quadrinhos estão aí, com as doses certas de ação, aventura, suspense e humor, e até um pouquinho de romance no final.

A pista que papai deixou para trás, e que nunca me deixou com dúvida alguma sobre a real autoria dessas histórias, é o fato que todos os personagens têm alguma varição de um nome de pássaro em seu nome. Assim, temos Falcon (Falcão), os coadjuvantes do herói Vinicius Harpe (Harpia, ou Gavião Real) e Julius Hawk (outro nome para Falcão), e até os vilões, como o Vultur (de vulture, abutre ou urubu) e seu ajudante Bird (pássaro). Na segunda história da revista, que se passa no Brasil, os personagens principais têm por sobrenome Parrot (papagaio, em inglês) e o vilão é o Pedro Gavião.

Na primeira, estamos às voltas com um cientista maluco que quer dominar o mundo com armas eletromagnéticas e um raio de controle da mente. Seu único erro foi sequestrar o Falcon e oferecer a ele o “lado negro da força”, que nosso herói recusa, é claro. Frustrados os planos do vilão, é acionado um mecanismo que faz uma ilha toda no arquipélago do Havaí ir pelos ares, segundos depois que os heróis conseguem evacuar os últimos escravos da máquina de controle mental do vilão.

Falcon Abutre

A segunda história é mais simples, uma aventura nas selvas no norte do Mato Grosso, que envolve uma série de atentados contra um pesquisador e sua filha, uma disputa secreta por uma mina de diamantes, e um beijo final da mocinha.

Falcon Selva

Mais detalhes sobre esta publicação podem ser encontrados no blog do meu amigo Quiof.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s