O Supermorcego Vermelho

História do Morcego vermelho, de 1983.

Papai gostava de distribuir os superamendoins do Superpateta entre os outros personagens Disney. Todos os anos ele criava uma história ou duas nesse sentido, cada uma com um “premiado” diferente.

Hoje chegou a vez do Morcego Vermelho que, diga-se de passagem, sempre se sentiu frustradíssimo por não ter poderes especiais como os outros heróis de Patópolis. O interessante, como sempre, é a solução que papai encontra para fazer o pato engolir um superamendoim sem sequer entender o que está acontecendo, nem ver com quem trombou logo antes de virar super.

Mas, apesar de tudo, se o Superpateta ainda consegue prender um bandido de vez em quando com o uso de seus poderes, a única coisa que o Morcego vai conseguir fazer com eles é mais confusão ainda. Em todo caso, há quem goste.

Interessante, também, é a maneira como a segunda página da história vai ditar muito do que vai acontecer, e também o final da trama. Afinal, a mulher gorducha de lenço na cabeça combinando com a saia e com o cachorro e o papagaio não é uma dona de casa qualquer. O leitor atento que perceber com quem ela se parece já terá metade do final da história resolvido.

E não, desta vez a coisa não vai terminar bem para o Morcego, decididamente. Talvez seja mesmo melhor para ele não ter superpoderes, no fim das contas.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

Visitem também o Sebo Saidenberg, na Amazon. Estou me desfazendo de alguns livros bastante interessantes.

O SuperBanzé

História do Banzé, escrita em 1974 e publicada pela primeira vez em 1978.

As histórias do cachorrinho e suas irmãs são sempre mais infantis e inocentes, em tramas de até quatro páginas e com aventuras que refletem aquelas de crianças bem pequenas.

Hoje papai revisita aquele “trauma de infância” que teve quando era pequeno, ao não conseguir se transformar em “super” após ler suas primeiras revistas em quadrinhos de super heróis, mesmo imitando todos os detalhes, usando uma capa vermelha, gritando palavras mágicas, etc.

superbanze

Assim, o Banzé começará a história pensando que basta somente usar a capa vermelha amarrada no pescoço para poder voar. Quando isso não funciona, ele grita “xaxam”, come amendoins, e finalmente coloca molas nas patas traseiras, como se fossem um “equipamento Morcego”.

A capa vermelha, aliás, é o que têm em comum o Capitão Marvel, o Superpateta e o Morcego Vermelho, entre outros heróis que se vê por aí.

De resto, o cãozinho pode até não conseguir os superpoderes que deseja, mas tem suficiente sucesso imitando o Morcego Vermelho. Isso não é por acaso: de todos os heróis citados, o Morcego é aquele que foi criado por papai, e dentre todos o seu predileto.

***************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon 

O Superzé

História do Zé Carioca, de 1973.

Papai dedicou-se, de maneira bastante consistente, a “emprestar” os superamendoins a todos os outros personagens com os quais trabalhou. Hoje é a vez do Zé.

Como sempre é preciso que o alvo do “presente” não saiba o que está acontecendo nem o que engoliu que o tornou super. A ideia é que seja um evento de uma vez na vida e que o personagem não consiga repetir a experiência por meios próprios, para melhor preservar o segredo e a identidade do Superpateta, o verdadeiro dono dos amendoins mágicos.

Assim, o personagem geralmente engole o superamendoim juntamente com outra coisa, como uma comida ou bebida. O detalhe interessante é que a bebida da vez é um chá de “limão bravo“, planta que existe de verdade e que é usada na medicina popular para exatamente o que é descrito na história: fazer remédio caseiro para a tosse, entre outras coisas.

zc-super

Papai mostra o Zé colhendo os frutos para fazer o chá, já que fica mais fácil e mais simples mostrar assim, mas na verdade a parte usada da planta são as folhas. Ou pode ser que, na dúvida sobre qual parte da planta usar, muitas avós usassem uma mistura de frutos e folhas. Outra informação correta sobre esse chá é que, como a maioria dos remédios caseiros, ele é muito amargo.

O resto da história é a reação do Zé ao se tornar “super”. Por um lado, a preguiça e a aversão ao trabalho que lhe são características continuam a existir, mas o bom caráter e a consciência do personagem fazem com que ele se sinta culpado em não usar seus novos poderes para ajudar as pessoas e prender bandidos.

Esse será o delicado equilíbrio que ele precisará buscar, mas é claro que tudo tem limite, até mesmo para um “estagiário de super”.

zc-super1

O João Ratazana é um bandido frequente nas histórias do Zé desde a primeira que papai escreveu para ele. Já o Tião Mãoleve aparece somente nesta história.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

 

A Ilha Dos Super-Homens

História do Superpateta, de 1975.

É verdade que, ao se transformar, o Pateta pode até ficar “super”, mas continua “pateta”. Mesmo assim, e apesar de tudo, ele nunca é tão bobo a ponto de confiar demais em estranhos.

O Dr. Doidus (outro personagem criado por papai para uma história só), cujo nome é uma brincadeira com a palavra “doido”, é a epítome do cientista maluco que já vimos em várias outras do tipo para personagens como Falcon e Capitão Valente, por exemplo. Ele tem o mesmo plano megalomaníaco de dominação do mundo, que obrigatoriamente passa pela destruição (ou neutralização, levando-o para o “lado negro”) do herói.

superpateta-ilha

O trunfo do vilão é tentar ganhar a confiança do herói e fazer com que o Super revele a fonte dos seus prodigiosos poderes. A maioria das pessoas, ao pensar que está falando com seus iguais, frequentemente “se abre” e acaba confiando um pouco demais em completos desconhecidos.

superpateta-ilha1

Mas, como eu disse antes, o “super” pode ser “pateta”, mas não é bobo. Resta saber, então, como os “super homens” da ilha se transformam, e qual será o seu destino quando o vilão for finalmente derrotado.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Se você gosta do que lê aqui, por favor considere comprar os livros. Se não puder (ou já tiver a sua cópia), e assim mesmo ainda quiser ajudar, considere fazer uma doação de qualquer valor à vaquinha deste blog. Obrigada.

Xaxam, O Invencível

História do Peninha na redação de A Patada, de 1976.

Esta deve ser uma das histórias de humor mais escrachado de papai, na qual ele usa o Peninha para avacalhar com o primo dele de um modo como talvez gostasse de fazer com o Tio Patinhas, mas nunca teria coragem. Esse é o tipo de zoação que só se pode fazer entre amigos muito próximos, como irmãos e primos de primeiro grau, que são quase como irmãos, também.

Se a atitude do Peninha para com a implicância do tio enquanto ele faz quadrinhos é de uma espécie de sutil “agressão passiva”, provavelmente para evitar ser demitido pela enésima vez e, assim, poder terminar mais uma história, quando chega a vez do Donald de bancar o “chefe de redação”, a coisa muda para uma esculhambação quase explícita.

Esta história é tão genial que é até uma pena ela ter sido publicada apenas uma vez. É também fácil notar que esse “Super Donald” de papai tem claramente alguma coisa de Superpato, algo como uma sátira. (Vide a pose do Donald no papel de Xaxam, o Invencível, que lembra bastante o “super” italiano).

Peninha Xaxam

O anti-herói combina o talento do Morcego Vermelho para trapalhadas com uma extrema burrice, um grito similar ao “Shazam!” do Capitão Marvel dos quadrinhos clássicos (que marcou a infância de papai e que deve ter sido uma de suas primeiríssimas desilusões, ao ver que ele não se transformava ao gritar a “palavra mágica”) e que ele usou repetidamente para personagens de vários tipos, e também qualquer coisa do que viria a ser mais adiante o Morcego Verde. Mas o personagem “do Peninha” é propositadamente “tosco”, um perdedor de verdade.

Peninha Xaxam1

Interessante é também a “troca” dos nomes dos personagens de Patópolis que “o Peninha” faz: assim, o Mancha Negra vira “Mancha Preta”, a Margarida vira outra flor (Magnólia), e o Gastão é chamado de “Gastrônomo”. Enquanto esse expediente pode ser útil no mundo real, nos meta-quadrinhos ele é somente mais um dos elementos cômicos da história.

Acho que aqui cabe explicar que papai aprendeu a ler muito cedo, com 4 ou 5 anos de idade, e que antes disso meu avô lia para ele muitas histórias em quadrinhos. Assim, enquanto a maioria das crianças nos anos 1940 passava a conhecer os quadrinhos somente após a alfabetização, aos 8 ou 9 anos de idade, papai já havia sido exposto a eles vários anos antes, e provavelmente antes de saber distinguir realidade de imaginação. Daí o relacionamento totalmente ingênuo com a palavra mágica Sazam, por exemplo.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

A História dos Quadrinhos no Brasil, e-book de autoria de papai, pode ser encontrado na Amazon

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

O Golpe Do Sumiço

História do Superpateta, de 1976.

Trata-se de mais um plano do Sr. X para ver se consegue, finalmente, cometer um crime e se transformar no “Rei do Crime” que ele tanto quer ser.

O interessante é que o Superpateta é tão bobo, que bastaria gritar por socorro e ele viria acudir do mesmo jeito. Mas aí, é claro, a coisa toda não seria assim tão engraçada. Além disso, esse é o laço que vai unir as pontas da trama, a primeira e a última página. Fazer o Super pensar que está ouvindo mal pode ajudar a confundi-lo o suficiente para que ele sirva de inocente útil no início, mas no final vai ser prejudicial aos maus da história.

SP sumico

O nome do inventor maluco da vez, um tal de “Professor Sumidus”, é mais um daqueles pensado sob medida para um personagem que apareceria apenas uma vez: é, obviamente, uma brincadeira com a palavra “sumido”, no sentido de “desaparecido”. O fato é que ele é inventor de uma fórmula da invisibilidade, e passa a maior parte da história presente, mas sem ser visto.

SP sumico1

É a famosa luta do bem contra o mal, desta vez ao redor de uma fórmula tecnologicamente avançada, mas potencialmente perigosa. Nada é inerentemente bom ou mau, tudo são apenas ferramentas. A diferença está no uso que se faz dessas coisas.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook

Nos Tempos Do Rei Artur

História do Superpateta, de 1972.

Esta é a terceira história que papai escreveu para os personagens Disney, logo após começar a trabalhar para a Editora Abril, lá nos idos de 1971. Aqui vemos a primeira vez na qual papai mistura personagens de “universos” diferentes, algo que, com o passar dos anos, ele trabalharia e aperfeiçoaria bastante.

Precisando de ajuda para enfrentar um exército em nome do Rei Artur, o Mago Merlin viaja no tempo e no espaço e vai a Patópolis da atualidade recrutar o Superpateta. A ajuda do Super pode ser bem vinda, decididamente, mas usar magia para ganhar guerras não seria a coisa mais “honesta” a se fazer. Além disso, se o plano do Mago Merlin der certo logo de cara, não teremos uma história que se apresente. Assim, haverá várias complicações e reviravoltas na trama antes que o Pateta possa usar os seus poderes, que tanto servem para entreter e divertir o leitor quanto para aguçar sua curiosidade sobre o que vai acontecer.

O Rei Artur apresentado aqui é um homem bem mais velho do que o menino que conhecemos no clássico “A Espada Era a Lei”, algo que vemos raramente em histórias do tipo. Esta representação em especial do Rei, aliás, aparece somente nesta história.

Super Artur

 

De resto a história termina como começa, no meio da noite, com o Pateta em sua cama. Será que tudo não passou de um sonho? Papai desde as primeiras histórias deixa claro que esta seria uma solução “fácil demais” para ele. Mas uma mente mais racional, como a de seu sobrinho Gilberto, consideraria que sim, e até o próprio Pateta, confiando na superioridade intelectual do menino, se deixa convencer de que nada daquilo aconteceu realmente. Em todo caso, um pequeno detalhe não deixará dúvidas ao leitor sobre a veracidade dos fatos. Afinal, a magia torna a tudo possível.

****************

Já leste o meu livro? Quem ainda não leu está convidado a conhecer minha biografia de papai, à sua espera nas melhores livrarias: Marsupial – Comix – Cultura – Monkix 

***************

Tenho o prazer de anunciar um novo livro, que não é sobre quadrinhos, mas sim uma breve história do Rock and Roll. Chama-se “A História do Mundo Segundo o Rock and Roll”, e está à venda nos sites do Clube de Autores agBook